Isoflavona Faz Mal? Efeitos Colaterais e Cuidados

Especialista:
atualizado em 24/12/2019

A isoflavona é definida como uma classe de fitoestrogênios, que são compostos derivados das plantas que possuem atividade estrogênica, ou seja, são similares em relação à estrutura e ao funcionamento do hormônio sexual feminino chamado de estrogênio.

A soja e os produtos derivados da soja como tofu, leite de soja, molho de soja e edamame constituem as fontes mais ricas de isoflavona na alimentação humana.

É verdade que a isoflavona faz mal? 

De acordo com uma revisão de 2016 feita por pesquisadores da China a respeito dos efeitos anti-inflamatórios das isoflavonas e de seus riscos potenciais para a saúde, publicada no site do Centro Nacional de Informação de Biotecnologia (NCBI, sigla em inglês) dos Estados Unidos, as isoflavonas apresentam propriedades antioxidantes, anticâncer, antimicrobianas e anti-inflamatórias.

Além disso, segundo o Healthy Eating SFGate, benefícios como o aumento da densidade mineral óssea e a diminuição de alguns sintomas da menopausa já foram atribuídos às isoflavonas.

Entretanto, isso não significa necessariamente que seja mentira afirmar que a isoflavona faz mal ou que não traga efeitos colaterais. O trabalho dos pesquisadores da China concluiu que os potenciais riscos da isoflavona para a saúde foram salientados por algumas investigações, no entanto, a literatura (da época do estudo) era incompleta e, em alguns casos, contraditória.

Para os estudiosos, os efeitos negativos da isoflavona para a saúde podem depender de uma série de fatores como a idade na época da exposição à substância e o ambiente hormonal de cada indivíduo.

Câncer

Segundo a revisão dos pesquisadores chineses, ainda que essas substâncias sejam conhecidas pela ação de prevenção do câncer, especialmente o de mama, alguns estudos já mostraram que elas promovem o desenvolvimento de tumores e elevam o risco de desenvolvimento de câncer.

O trabalho informou ainda que uma análise mostrou que a alta ingestão de isoflavonas da soja aumentou o risco de recorrência do câncer de mama em mulheres coreanas, justamente o contrário de um dos benefícios aos quais essas substâncias já foram associadas.

Para os autores, a relação entre as isoflavonas e o câncer não aparenta ser sempre positiva e o potencial risco cancerígeno deveria ser considerado.

No mesmo sentido, segundo pesquisadores do Instituto Linus Pauling, o consumo de quantidades elevadas de isoflavona de soja pode estimular o crescimento de tumores em cânceres de mama sensíveis ao estrogênio em mulheres com histórico desse tipo de câncer.

Assim, a recomendação é que essas mulheres e aquelas quem têm histórico de outros cânceres sensíveis a hormônios como o uterino e o ovariano não consumam porções grandes de soja, completou a publicação.

Também existe alguma preocupação em relação à ingestão de isoflavona em relação a outras condições como a endometriose, que também é sensível a hormônios.

Resposta imunológica

Ainda de acordo com esses cientistas, alguns poucos estudos também apontaram para a possibilidade de que as isoflavonas tenham um efeito imunossupressor, ou seja, de diminuição da resposta imunológica.

Os estudiosos citaram ainda outra pesquisa, de maio de 2016, que demonstrou que a isoflavona da soja na dieta durante o período pré-natal provocou de maneira significativa uma diminuição dos linfócitos na polpa branca do baço e reduziu o peso relativo do timo em filhotes de ratos.

O timo é um órgão que fica entre os pulmões e na frente do coração, que atua na formação do sistema imunológico. Já os linfócitos são um tipo de célula de defesa do organismo explicou o médico clínico geral Arthur Frazão.

Doença de Kawasaki 

O trabalho dos pesquisadores da China indicou que é possível afirmar que a isoflavona faz mal, especialmente quando o seu consumo é de longo prazo.

Segundo o estudo, dados epidemiológicos de populações havaianas apontaram que a existência de uma associação entre o consumo de longo prazo da soja e a doença de Kawasaki, sendo que as isoflavonas da soja estão envolvidas na patogênese (causa) da condição.

A doença de Kawasaki é uma condição rara que atinge crianças e afeta os vasos sanguíneos.

Saúde do coração 

Os cientistas da China também apontaram em seu trabalho que, conforme resultados de estudos in vitro, enquanto as isoflavonas apresentaram uma forte atividade cardioprotetora em baixas concentrações, elas também exibiram atividade cardiotóxica em concentrações elevadas.

Função da tireoide 

Conforme informações de pesquisadores da Universidade do Estado do Oregon, estudos conduzidos em animais e em culturas celulares, as isoflavonas inibiram a atividade da peroxidase da tireoide, uma enzima necessária para a síntese do hormônio tireoide. Porém, o consumo adequado de iodo na alimentação diminui esse efeito.

Segundo a Mayo Clinic, existem evidências de que a soja também pode afetar os níveis do hormônio tireoide nos bebês.

Desenvolvimento de bebês

A pesquisa dos cientistas da China também mencionou um estudo do ano de 2004, que mostrou que a exposição às isoflavonas por meio do consumo de fórmulas à base de soja afetou negativamente o desenvolvimento de longo prazo de bebês.

A Mayo Clinic também contou que estudos feitos com crianças em seu primeiro ano de vida indicou uma densidade mineral óssea menor quando a fórmula à base de soja foi utilizada no lugar da fórmula com o leite de vaca. Além disso, mesmo que em uma frequência incomum, também foram reportados efeitos colaterais como falha no crescimento, diarreia, vômito e dano ou sangramento nas paredes intestinais.

Segundo o Instituto Linus Pauling, as meninas que foram alimentadas com fórmula à base de soja quando bebês relataram um maior uso de remédios para asma ou alergia quando adultas do que aquelas receberam fórmulas à base de leite de vaca quando pequenas.

Enxaqueca

O Livestrong também reportou que a ocorrência de dores de cabeça agudas de enxaqueca já foram relatadas depois da ingestão das isoflavonas da soja.

Interações com medicamentos

Ainda de acordo com a publicação, os pesquisadores do Instituto Linus Pauling também alertaram que alguns estudos sugerem que a ingestão elevada de isoflavonas de soja podem interferir com medicamentos para o câncer.

A alta ingestão da soja também pode interagir com anticoagulantes administrados para sobreviventes do câncer de mama e com remédios para a substituição da tireoide, completou o Livestrong.

Assim, caso você faça uso de qualquer tipo de medicamento, suplemento ou planta medicinal, consulte o seu médico para saber se a substância em questão não pode interagir com a soja e suas isoflavonas.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já tinha ouvido falar que o consumo de isoflavona faz mal? O que achou dos efeitos colaterais registrados da substância? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (19 votos, média: 3,63 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é Nutricionista - CRN-RJ 0510146-5. Ela é uma das mais conceituadas profissionais do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário