Qual é o melhor exame de intolerância a glúten?

Especialista da área:
atualizado em 07/02/2022

Apesar de existirem vários exames para diagnosticar a doença celíaca, descobrir se você tem intolerância ao glúten é um pouco mais difícil.

O glúten é a proteína presente em alimentos como trigo, cevada e centeio. Infelizmente, algumas pessoas são intolerantes a essa proteína e sofrem com problemas digestivos e sintomas desagradáveis como distensão abdominal, náusea, gases, diarreia, prisão de ventre, fezes fétidas, dor de cabeça, dor abdominal, perda de peso e cansaço.

  Continua Depois da Publicidade  

Vale lembrar que a intolerância ao glúten não é a mesma coisa que a doença celíaca, que é uma doença autoimune.

A dificuldade em diagnosticar a intolerância a glúten, conhecida também como sensibilidade não celíaca ao glúten, é que os sintomas podem ser semelhantes aos de outras condições como a doença celíaca ou a alergia ao trigo.

Por isso, é importante fazer o diagnóstico de exclusão para descartar a doença celíaca ou algum tipo de alergia alimentar. 

Qual é o melhor exame de intolerância ao glúten?

Ainda não existe um exame capaz de diagnosticar a intolerância ao glúten. Os testes disponíveis são capazes de identificar apenas a doença celíaca. 

Sendo assim, a forma mais eficaz de identificar a intolerância é através da observação da própria dieta.

  Continua Depois da Publicidade  

Carboidratos com glúten
Experimente intercalar entre uma dieta com glúten e sem glúten para avaliar se tem intolerância

A ideia é seguir um protocolo que consiste em observar como o seu corpo se comporta ao consumir o glúten e, em seguida, analisar o que acontece ao parar de ingerir a proteína. Durante o processo, é preciso responder um questionário de sintomas diariamente. Você pode pedir ajuda do seu médico ou nutricionista para elaborar o teste, mas o passo a passo é da seguinte maneira:

Passo 1: dieta com glúten

Durante 6 semanas, mantenha sua dieta normalmente, sem excluir o glúten. Responda o questionário e anote qualquer mal estar que você sentir.

Passo 2: dieta sem glúten

Após o período inicial do teste consumindo glúten, retire todas as fontes de glúten da sua alimentação e mantenha sua dieta livre de glúten por 6 semanas. 

Essa etapa é a dieta de exclusão ou de eliminação. Continue respondendo o questionário todos os dias.

Passo 3: comparação dos sintomas antes e depois

Analise os resultados do questionário. Se você for intolerante, é provável que ao retirar o glúten da sua alimentação, você note uma redução de pelo menos alguns dos sintomas iniciais.

Para confirmar o teste, você pode fazer uma dieta de reintrodução do glúten e observar se os sintomas digestivos voltam.

  Continua Depois da Publicidade  

Exames disponíveis para descartar a doença celíaca

Exame de sangue
Existem alguns exames que são importantes para diagnosticar doença celíaca

Como mencionado anteriormente, o diagnóstico da intolerância ao glúten também depende da exclusão de doenças como a doença celíaca.

Realizar um ou mais dos exames abaixo é importante porque toda pessoa com doença celíaca é intolerante ao glúten, mas nem todo intolerante tem doença celíaca.

Pesquisa de anticorpos IgA 

Este é um exame de sangue que serve para identificar os anticorpos anti-transglutaminase, que são mais altos em pessoas com doença celíaca.

Para que o exame seja satisfatório, é preciso que o paciente esteja consumindo glúten.

Teste EMA 

Este também é um exame que identifica anticorpos associados à doença celíaca, mas é um teste mais caro é que só é solicitado se houver dificuldade em confirmar o diagnóstico. 

Exame de deficiência de IgA

Geralmente, quem tem doença celíaca tem altos níveis de IgA. Assim, a deficiência de IgA significa que a pessoa não tem a doença. Porém, esse teste não é muito confiável pois pode gerar um resultado falso negativo.

  Continua Depois da Publicidade  

Teste de peptídeos de gliadina diamidados (DGP)

Este é um exame que identifica outro tipo de anticorpo relacionado à doença celíaca. Além disso, ele ajuda a confirmar a presença da doença caso os exames anteriores mostrem resultados negativos.

Teste genético

O teste genético mostra se você tem chances de desenvolver a doença celíaca. A vantagem é que você não precisa consumir glúten para realizar o exame. Por outro lado, é um exame que identifica os indivíduos geneticamente predispostos à doença, mas que não serve para confirmar o diagnóstico.

Endoscopia com biópsia do duodeno

A endoscopia com biópsia é o padrão ouro para diagnosticar doença celíaca. Nesse exame, o tecido do duodeno, que é a primeira parte do intestino logo depois do estômago, é analisado em microscópio. O objetivo do exame é verificar se o intestino tem danos que podem ser causados pela doença celíaca. 

Para se submeter a essa endoscopia, é preciso estar consumindo glúten normalmente.

Cápsula endoscópica

Neste exame, é necessário engolir uma cápsula que tira duas fotos por segundo ao longo de oito horas. Depois desse tempo, a cápsula é eliminada através das fezes.

O resultado rende cerca de 55 mil fotos compiladas em um vídeo de 90 minutos. O exame mostra todo o intestino delgado e ajuda a investigar lesões no órgão. Porém, é um teste bem caro.

Testes de farmácia 

Hoje já existem alguns testes que você pode comprar para fazer em casa, mas não há um consenso entre os médicos sobre a eficácia desses exames.

Assim, para saber se você tem intolerância ao glúten ou doença celíaca, o ideal é procurar um médico para te indicar a melhor forma de identificar o problema.

Fontes e referências adicionais

Você desconfia que tem intolerância a glúten? Já fez algum exame ou já tentou seguir uma dieta sem glúten para ver se os sintomas passavam? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é Nutricionista - CRN-RJ 0510146-5. Ela é uma das mais conceituadas profissionais do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition.

Deixe um comentário