Doença celíaca – O que é, sintomas e diagnóstico

Especialista da área:
atualizado em 04/02/2021

Confira o que é a doença celíaca e quais são os seus sintomas, além de descobrir os alimentos permitidos na dieta para celíacos.

  Continua Depois da Publicidade  

A dificuldade em diagnosticar a doença celíaca pode trazer muitos prejuízos ao bem estar e a saúde geral da pessoa. Dentre os sintomas mais comuns, destacam-se:

  • Diarreia;
  • Fadiga constante;
  • Perda de peso.

Ao descobrir que tem doença celíaca, algumas pessoas têm muita dificuldade em adotar uma dieta sem glúten – que é atualmente o único tratamento eficaz para a doença.

Às vezes, isso acontece porque elas nem sabem o que é o glúten e que alimentos podem ser ingeridos.

Outro problema é que ainda há uma certa confusão para diferenciar a doença celíaca da intolerância alimentar. De fato, os sintomas de intolerância ao glúten são muito parecidos com os sinais de doença celíaca.

No entanto, a grande diferença é que a doença celíaca pode ser considerada uma alergia alimentar, enquanto que a intolerância é uma sensibilidade maior ao alimento (chamada também de sensibilidade não-celíaca ao glúten), que pode ser contornada mais facilmente.

Doença celíaca – O que é

pessoa recusando alimentos com glúten

A doença celíaca é uma doença digestiva crônica decorrente de uma reação imune à gliadina, uma proteína de glúten encontrada em vários alimentos como trigo, cevada e centeio.

Trata-se de uma doença autoimune que torna a pessoa extremamente intolerante ao glúten.

Quando uma pessoa com doença celíaca consome o glúten, as células do sistema imunológico atacam o intestino delgado, causando problemas como inflamação crônica e destruição do seu revestimento interno.

Tais danos podem causar outros problemas, como a desnutrição decorrente da má absorção de nutrientes, já que o intestino se torna incapaz de absorvê-los da forma devida por causa da inflamação.

  Continua Depois da Publicidade  

Não se sabe a causa da doença, mas há certos grupos de pessoas que têm uma maior chance de desenvolver a doença, como por exemplo:

  • Pessoas que têm outra doença autoimune como a diabetes do tipo 1, a artrite reumatoide ou doenças autoimunes que afetam o fígado ou a tireoide;
  • Um distúrbio genético como a síndrome de Down ou a síndrome de Turner;
  • Colite microscópica;
  • Um parente com a doença celíaca ou com dermatite herpetiforme.

Sintomas da doença celíaca

Esse distúrbio crônico pode ter sintomas leves ou graves que variam de acordo com o paciente.

Há pessoas que têm a doença celíaca, mas que não demonstram nenhum sintoma. Já a maioria só apresenta os sintomas na vida adulta.

Infográfico com os sintomas da doença celíaca

Os mais comuns são desconfortos gastrointestinais, como por exemplo:

  • Diarreia;
  • Inchaço abdominal;
  • Gases;
  • Prisão de ventre;
  • Fadiga;
  • Perda de peso;
  • Dor abdominal;
  • Náusea;
  • Vômito.
Entre outros sintomas adicionais, mas menos frequentes, estão:
  • Dores nos ossos e nas articulações;
  • Fezes fétidas que podem ter gordura em excesso;
  • Sangue nas fezes ou na urina;
  • Dor de cabeça ou enxaqueca;
  • Formigamento nas pernas ou nos pés;
  • Fome persistente;
  • Problemas de infertilidade;
  • Irritabilidade, ataques de pânico e depressão;
  • Retenção de fluidos;
  • Facilidade de sofrer contusões e hemorragias nasais;
  • Anemia por deficiência de ferro;
  • Feridas na boca e descoloração dos dentes;
  • Perda de massa muscular;
  • Fraqueza ou cãibras musculares;
  • Desnutrição ou deficiências nutricionais de vitamina B12, vitamina D e vitamina K.

Aliás, a doença celíaca também pode fazer com que algumas pessoas se tornem mais suscetíveis à dermatite herpetiforme. Além disso, órgãos como o intestino grosso podem sofrer danos.

Estudos como o publicado em 2015 na revista científica JAMA Neurology indicam que pessoas com doença celíaca podem ter um risco mais alto de desenvolver neuropatia.

Fatores como o estresse e a ansiedade também contribuem para o aparecimento dos sintomas. Além disso, outros fatores que podem afetar a intensidade, a gravidade e o tipo de sintoma incluem:

  • Quantidade de glúten consumida;
  • Idade em que o indivíduo começou a consumir o glúten;
  • Nível de dano no intestino delgado;
  • Período de tempo em que a pessoa foi amamentada quando bebê, pois os dados mostram que os sintomas aparecem mais tarde em quem foi amamentado por mais tempo.

Em bebês e crianças, os sintomas mais visíveis são a diarreia, a irritabilidade e o atraso no crescimento. Além disso, outros problemas que podem ser facilmente detectados pelos pais são a perda de peso inexplicável, os danos no esmalte dos dentes e a puberdade tardia.

  Continua Depois da Publicidade  

Como é feito o diagnóstico da doença celíaca

Para que a doença celíaca seja identificada, é preciso que o médico:

  • Faça a análise dos sintomas;
  • Solicite alguns exames;
  • Entenda mais sobre a alimentação diária do paciente por meio de perguntas.

Exames

É importante diagnosticar e tratar a doença celíaca não só para evitar todos os sintomas digestivos desagradáveis, como também para evitar as complicações de saúde que podem incluir:

  • Desnutrição;
  • Enfraquecimento dos ossos;
  • Danos aos órgãos que compõem o sistema digestivo;
  • Infertilidade;
  • Intolerância à lactose;
  • Doenças que afetam o sistema nervoso e alguns tipos de câncer que atingem o intestino.

Para que seja feito o diagnóstico, pode ser preciso fazer alguns exames além da análise dos sintomas.

Os exames devem ser feitos antes de iniciar uma dieta livre de glúten, porque a eliminação do glúten antes da realização dos testes pode interferir nos resultados.

1. Exame de sangue sorológico

O teste sorológico tTG-IgA serve para buscar anticorpos no sangue que podem auxiliar na identificação da doença.

Níveis altos de alguns anticorpos que reagem com a proteína do glúten podem indicar uma reação imune ao glúten, como os anticorpos antiendomisiais e antitransglutaminase tecidual, por exemplo.

2. Exame de sangue genético

O teste genético identifica antígenos leucocitários humanos (HLA-DQ2 e HLA-DQ8). A identificação desses genes ajuda no diagnóstico porque caso você não os tenha, é improvável que você tenha a doença celíaca.

Além do exame de sangue, também pode ser feito um teste de saliva. Caso os genes sejam identificados, é preciso fazer uma endoscopia para confirmar a doença.

3. Endoscopia

Caso os exames anteriores mostrem resultados positivos, o próximo passo é a endoscopia. Um tubo muito fino com uma câmera acoplada é inserido no corpo para que o médico visualize as condições do intestino delgado e identifique possíveis danos intestinais.

4. Biópsia

A biópsia do intestino pode ser feita por meio da endoscopia. Basta remover uma amostra do tecido do revestimento intestinal durante o exame para análise posterior em laboratório.

O que fazer

Continuar consumindo glúten mesmo depois de obter o diagnóstico de doença celíaca pode afetar muito a sua qualidade de vida. Além disso, pode elevar o risco de complicações e condições sérias de saúde.

Assim, a única coisa a fazer é buscar orientação nutricional para eliminar o glúten da sua dieta.

Ao seguir uma dieta livre de glúten, o intestino normalmente se recupera dos danos sem a necessidade de nenhum tratamento. Os sintomas também desaparecem com o passar do tempo.

Em casos em que o intestino não melhora com as mudanças na dieta, é possível intervir com remédios como corticosteróides ou imunossupressores, mas sempre seguindo a indicação médica.

Fontes e Referências Adicionais

Você já conhecia a doença celíaca? Já foi diagnosticado com ela ou conhece alguém que tenha? Comente então abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é Nutricionista - CRN-RJ 0510146-5. Ela é uma das mais conceituadas profissionais do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário