Sibutramina e álcool

Sibutramina e Álcool – Efeitos e Riscos

Se você já determinou que seu objetivo é emagrecer, com certeza já entendeu que o caminho é uma alimentação mais saudável e a prática de exercícios físicos. Parece simples, mas nem sempre é.

Para muitas pessoas obesas ou com excesso de peso, conseguir emagrecer parece uma tarefa insuperável e é aí que começa a busca por medicamentos, como a sibutramina.

Porém, esses medicamentos podem ser usados ​​para iniciar o processo de perda de peso, mas não isenta uma mudança no estilo de vida para obter um resultado duradouro. Além disso, pode trazer inúmeros riscos para a saúde, principalmente quando é combinado com bebidas alcoólicas. Por isso, vale a pena conferirmos quais são os efeitos e riscos de associar o consumo de sibutramina e álcool.

O que é a sibutramina?

A sibutramina é um medicamento que funciona aumentando o nível de duas substâncias químicas encontradas no cérebro, a serotonina e noradrenalina, que têm a função de regular o apetite. Essas substâncias enviam sinais que dizem a uma pessoa quando ela está ficando com fome e quando está ficando cheia e precisa parar de comer.

A sibutramina causa um aumento nessas substâncias químicas que provoca uma sensação de plenitude ou saciedade e, portanto, pode ajudar a reduzir a quantidade de comida que uma pessoa ingere.

Ela também pode aumentar a taxa metabólica basal (TMB), ou a quantidade de energia que o organismo consome quando você está descansando. Durante a perda de peso, é comum que a TMB diminua à medida que a quantidade de comida consumida é diminuída. Isto significa que a velocidade com que o corpo queima a comida é retardada, o que tem efeitos negativos na perda de peso. Tomar a sibutramina supostamente impede que isso aconteça.

A sibutramina tem sido objeto de muitos estudos, concentrando-se principalmente em seu uso como antidepressivo, e esses estudos revelaram benefícios para quem quer perder peso. Isto levou à sua prescrição para os obesos, uma vez que ajuda a promover uma sensação de saciedade, reduzindo assim o apetite e a ingestão calórica.

Quais são os principais resultados do uso da sibutramina?

  1. Perda de peso: A alegação mais significativa feita sobre a sibutramina é que esta ajuda na perda de peso, razão pela qual foi comercializada explicitamente para o obeso e sobrepeso. Como vimos, ela atua como um inibidor de apetite, ajuda a controlar a ingestão calórica e, portanto, promove a perda de peso.
  2. Sensação de plenitude e saciedade: A sibutramina afeta os neurotransmissores do cérebro, o que, por sua vez, ajuda a promover uma sensação de plenitude e satisfação com menos comida. Além disso, a sibutramina atua sobre os componentes químicos do cérebro para desenvolver sentimentos de plenitude e saciedade. Isso desempenha um papel crucial no incentivo à perda de peso, reduzindo a ingestão calórica, pois você se sente saciado com menos comida.

Efeitos e riscos

– Efeitos

A sibutramina funciona ajudando o usuário a comer menos, promovendo a sensação de saciedade, mesmo que a ingestão calórica tenha sido reduzida, possibilitando a perda de peso.

A influência sobre os neurotransmissores não impede a fome e isso é importante, pois assim os usuários não se tornam fracos e improdutivos ao ingerir poucas calorias. A alimentação pode ser feita normalmente, porém a pessoa se sentirá satisfeita mais cedo do que aconteceria normalmente. A sibutramina também não diminui o metabolismo.

Também ajuda a reduzir os níveis de colesterol dos usuários e a combater a apnéia do sono. Não é uma fórmula mágica, mas proporciona melhores resultados do que outros remédios para perda de peso. Além disso, pode reduzir o risco de diabetes, reduzindo os níveis de glicose no sangue.

– Desvantagens

Seu uso traz algumas desvantagens significativas e pode ter alguns efeitos negativos para os usuários.

A sibutramina não demonstrou ser particularmente rápida, o que significa que os usuários perdem peso em questão de dias ou semanas. Além disso, mesmo em períodos mais longos, os usuários relataram que apenas com dieta regular e exercício físico conseguiram perder peso. Assim, pode-se dizer que ela é apenas uma coadjuvante da perda de peso e não a protagonista.

A sibutramina também tem vários efeitos colaterais evidenciados em estudos. Confira abaixo.

  • Geral: Os efeitos secundários gerais, sem relação com um sistema ou órgão específico, incluíram dor de cabeça, dor nas costas, síndrome gripal, lesão acidental, astenia, dor abdominal, dor torácica e cervicalgia.
  • Sistema nervoso: Os efeitos colaterais do sistema nervoso incluíram boca seca, insônia, tontura, nervosismo, ansiedade, depressão, parestesia e sonolência. Também há estimulação do sistema nervoso central, labilidade emocional, amnésia, sonhos anormais, marcha anormal, acidente vascular cerebral, dificuldade de concentração, confusão, depressão agravada, síndrome de Gilles de la Tourette , hipestesia, diminuição da libido, aumento da libido, alterações de humor, pesadelos , perda de memória a curto prazo , distúrbio de fala, ataque isquêmico transitório, tremor, contração muscular e vertigem.
  • Gastrointestinal: Os efeitos colaterais gastrintestinais incluíram anorexia, constipação, aumento do apetite, náusea, dispepsia, gastrite, vômitos e desordem.
  • Respiratório: Os efeitos colaterais do sistema respiratório incluíram rinite, faringite, sinusite, aumento da tosse e laringite.
  • Musculoesquelético: As dores musculoesqueléticas associadas ao uso dessa droga incluem artralgia, mialgia, tenossinovite e desordem articular.
  • Dermatológico: Efeitos colaterais dermatológicos incluem erupção cutânea, sudorese, herpes simplex, e acne.
  • Geniturinário: Os efeitos colaterais geniturinários incluem dismenorréia, infecção do trato urinário, monilia vaginal, metrorragia e retenção urinária.
  • Cardiovascular: O fabricante relatou que em estudos de obesidade controlados, a sibutramina de 5 a 20 mg, tomada uma vez ao dia, foi associada a aumentos médios na pressão arterial sistólica e diastólica. Os efeitos colaterais cardiovasculares incluíram taquicardia, vasodilatação, enxaqueca, aumento da pressão arterial e palpitações, arritmias, infarto do miocárdio e parada cardíaca.
  • Metabólico: Os efeitos colaterais metabólicos incluem sede e edema generalizado.
  • Psiquiátrico: Se ocorrer depressão durante o tratamento com sibutramina, pode ser necessária uma avaliação adicional do usuário. Efeitos colaterais psiquiátricos, incluindo casos de depressão, psicose, mania, ideação suicida e suicídio foram relatados. Se algum desses eventos ocorrer durante o tratamento com sibutramina, a descontinuação deve ser considerada. Um caso de exacerbação de ataques de pânico também foi relatado.
  • Hipersensibilidade: Os efeitos colaterais de hipersensibilidade incluíram reações desde erupções cutâneas leves e urticária a angioedema e anafilaxia.
  • Outros: Outros efeitos colaterais incluíram perversão do paladar, distúrbio e dor de ouvido.

Riscos e evidências

A sibutramina foi proibida na Europa após os resultados de um estudo realizado em 2009 chamado SCOUT (Sibutramine Cardiovascular Outcomes Trial) evidenciarem um aumento de 16% no risco de eventos cardiovasculares graves.

Outro estudo realizado monitorou cerca de 10.000 homens e mulheres obesos e com excesso de peso entre janeiro de 2003 e março de 2009. Os resultados mostraram que a sibutramina aumentou o risco de infarto não fatal, acidente vascular cerebral não fatal (precisa ser ressuscitado uma vez que o coração parou) e a morte.

A droga, que se destina a diminuir o risco de doenças cardíacas em pessoas obesas, ajudando-os a perder peso, estava realmente fazendo o oposto. O estudo mostrou que as pessoas que tomaram a droga realmente tiveram risco de ataque cardíaco e de derrame aumentado em 16%. Para piorar as coisas, eles perderam uma pequena quantidade de peso, apenas 2,5% a mais.

A sibutramina não é recomendada para mulheres grávidas ou amamentando, pois isso pode ter impactos negativos na saúde do bebê. Em estudos, animais grávidas receberam este medicamento e tiveram alguns filhotes nascidos com problemas. Nenhum estudo bem controlado foi feito em humanos.

Vale reforçar que existem alternativas para aquelas pessoas que estão interessadas em reduzir o ganho de peso durante a gravidez, ou aquelas que desejam perder peso após o parto.

Não deve ser consumida por pessoas que estejam tomando outros inibidores ou outro tipo de medicação para perda de peso. Não é recomendada para pessoas que são sensíveis ou alérgicas a substância, ou se tem um distúrbio alimentar grave.

Não é recomendado tomar quando ingerir outros medicamentos que podem afetar a maneira como a sibutramina funciona, incluindo remédios para tosse, resfriado, enxaqueca, depressão ou dor ou medicamentos que contenham narcóticos, lítio, triptofano ou antibióticos.

Não é recomendado ingerir bebida alcoólica durante o tratamento.

Combinar sibutramina e álcool pode fazer mal?

A sibutramina é um emagrecedor licenciado em nosso país. Depois de muitos problemas e efeitos colaterais relatados, a ANVISA o liberou somente sob prescrição médica.

Sendo um emagrecedor que age diretamente em nosso organismo e possui diversos compostos, ela também é muito poderosa. Não é recomendado o uso ao mesmo tempo de sibutramina e álcool, pois essa combinação pode potencializar os efeitos da droga e elevar o risco de efeitos colaterais cardiovasculares, como aumento da frequência cardíaca, dor torácica ou alterações na pressão arterial.

Além disso, você também pode ter mais probabilidade de apresentar efeitos colaterais do sistema nervoso, como tontura, sonolência, depressão e dificuldade de concentração, relatados acima.

Você deve evitar ou limitar o uso de álcool durante o tratamento com sibutramina. Não use mais do que a dose recomendada e evite atividades que exijam alerta mental, como dirigir ou operar máquinas perigosas, até saber como a medicação o afeta.

É importante informar o seu médico sobre todos os outros medicamentos que você usa, incluindo vitaminas e ervas.

Remédios para emagrecer x Ingestão de álcool

Um estudo realizado com medicamentos para emagrecer combinados com ingestão de álcool evidenciou que a mistura pode causar efeitos colaterais indesejáveis. Muitas vezes, as pílulas dietéticas contêm estimulantes conhecidos como suplementos que aumentam a frequência cardíaca, a respiração e a pressão sanguínea. O álcool contém componentes que retardam os reflexos, diluem o sangue e deixam você sonolento.

– Dano hepático

Sibutramina e álcool juntos, assim como quaisquer outros remédios para emagrecer, podem causar danos ao fígado. Seu fígado filtra tudo o que seu corpo consome, o que ajuda no processo de digestão. O alcoolismo crônico ou abuso de álcool pode causar cirrose no fígado e alguns remédios para emagrecimento estão sendo investigados pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA por relatos de lesão hepática.

Quando combinados, forma-se um coquetel potente para doenças do fígado. A doença hepática afeta a funcionalidade do seu fígado e os sintomas incluem pele amarela ou ictérica, insuficiência hepática, aumento do fígado e hipertensão portal.

– Risco aumentado de sangramento

Como o álcool afina o sangue, e geralmente os remédios para emagrecer aumentam a pressão sanguínea, juntá-los pode aumentar o risco de sangramento caso ocorra uma lesão. Mesmo se você apenas bater o braço ou cortar a pele, isso poderia justificar uma viagem para o hospital.

Certos medicamentos de prescrição podem resultar em uma pressão sanguínea perigosamente alta. Devido ao rápido aumento da pressão arterial, seu coração pode sentir como se estivesse batendo descontroladamente e você pode sentir que vai desmaiar. A adição de álcool à mistura agrava esses efeitos colaterais.

– Risco aumentado de ataques de pânico

Durante um ataque de pânico, seu coração começa a bater e você pode sentir-se tonto e desmaiar. Remédios de emagrecimento como a sibutramina podem causar um ataque de pânico por causa da quantidade de estimulantes que eles contêm. Ao consumir álcool junto com eles, você aumenta muito o risco de sofrer um ataque de pânico. Também pode sentir náuseas e dores de estômago, sensação de calor ou frio e o álcool intensifica esses sintomas.

Conclusão

A sibutramina pode favorecer o emagrecimento, pois esse medicamento age como um supressor do apetite. Porém, quando não há um processo de reeducação alimentar durante a fase do emagrecimento, a conduta de se alimentar de forma correta não acontece e com o término do uso do medicamento, inevitavelmente o peso perdido pode retornar, e às vezes, até um maior do que tinha antes de emagrecer.

A sibutramina só pode ser comprada com receita médica. Sua venda é feita através de vários nomes comerciais, preços e na forma de cápsulas, e seu uso deve ter acompanhamento médico, pois esse profissional estará ciente da sua condição de saúde e doenças pré existentes.

Por isso, nunca se automedique, principalmente com medicamentos mais fortes, e não alie o uso de sibutramina e álcool para evitar riscos e efeitos colaterais ainda mais graves.

Referências adicionais:

Você já aliou o uso de sibutramina e álcool alguma vez e teve reações indesejáveis? Conhece alguém que passou por isso? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (10 votos, média: 3,90 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)



ARTIGOS RELACIONADOS

Um comentário

  1. Gabriella Pereira Pinheiro Alves

    Tive derrame.

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*