Especialista da Área:

Triglicerídeos Alto é Perigoso? Riscos, Sintomas e Como Baixar

É comum realizarmos frequentemente uma série de exames para analisar como está nossa saúde geral. Um dos exames comumente solicitados é o de colesterol, e embora seja mais comum analisar os níveis de HDL (bom) e LDL (ruim), tenha em mente que triglicérides também são uma parte importante do contexto geral. 

Geralmente, eles compõem um exame padrão de colesterol, e é fundamental analisar se seus níveis estão dentro do limite estabelecido como normal.

  Continua Depois da Publicidade  

Se você recebeu recentemente um diagnóstico que os seus níveis estão elevados ou já sofre com a condição há tempos, vale a pena entender se triglicerídeos alto é perigoso, assim como os riscos, sintomas e também como baixar para evitar problemas subjacentes.

O que são triglicerídeos?

Os triglicerídeos são uma forma de gordura encontrada no sangue. O fígado é o órgão responsável por produzir triglicerídeos, mas eles também são obtidos através de muitos dos alimentos presentes na dieta. 

Quando você se alimenta, o organismo converte qualquer caloria que ele não precisa usar imediatamente em triglicerídeos. Essas substâncias gordurosas são armazenadas em células adiposas, e circulam na corrente sanguínea para serem usadas como energia pelas células, enquanto a “reserva” é liberada pelos hormônios mais tarde.

Isso significa que se a dieta contém mais calorias do que o corpo queima, principalmente aquelas provenientes de alimentos ricos em carboidratos, os triglicérides podem elevar, uma condição conhecida como hipertrigliceridemia.

Quais são os valores de referência?

Os triglicerídeos são medidos através de um simples exame de sangue, normalmente indicado para rastrear se os níveis estão em uma faixa saudável ou alterados. Veja abaixo o que os resultados podem revelar.

  • Menos de 150 miligramas por decilitro (mg / dL), ou menos de 1,7 milimoles por litro (mmol / L) – Normal
  • 150 a 199 mg / dL (1,8 a 2,2 mmol / L) – Limite elevado
  • 200 a 499 mg / dL (2,3 a 5,6 mmol) – Alto
  • 500 mg / dL ou superior (5,7 mmol / L ou superior) – Muito alto

Normalmente, o médico verifica os níveis de triglicérides em um exame de colesterol, que às vezes é chamado de painel lipídico ou perfil lipídico. O exame é feito após um período de jejum para uma medição precisa.

Riscos

Muitas pessoas se perguntam se ter triglicerídeos alto é perigoso, e a resposta é sim. O perigo existe porque eles podem interferir em várias funções corporais e aumentar as chances de desenvolver várias doenças, como por exemplo:

– Pancreatite

O pâncreas é considerado um órgão muito importante, e sua função é produzir os sucos digestivos essenciais para quebrar e absorver alimentos. Quando os níveis de triglicérides estão muito altos, eles podem causar um inchaço no pâncreas. O resultado é uma dor severa na barriga, vômito e febre.

Se os sucos digestivos escaparem para fora do pâncreas, a pessoa pode vir a óbito.

  Continua Depois da Publicidade  

– Diabetes tipo 2

Ter níveis de triglicerídeos alto é perigoso também porque aumenta consideravelmente o risco de desenvolver diabetes tipo 2. Isso acontece porque eles estão inseridos em uma condição conhecida como síndrome metabólica, que envolve a pressão alta, aumento da gordura abdominal, níveis baixos de colesterol do tipo HDL (bom) e também os altos níveis de açúcar no sangue em jejum. Quando os triglicérides elevados acontecem com quaisquer outras duas dessas condições listadas, o risco de desenvolver diabetes tipo 2 aumenta até cinco vezes.

– Doença cardíaca

Além de aumentar consideravelmente os riscos de diabetes tipo 2, os altos triglicérides combinados com duas outras condições da síndrome metabólica duplicam o risco de doença cardíaca. A condição pode acontecer devido à alta quantidade de gorduras no sangue que se acumula dentro dos vasos sanguíneos, que são responsáveis por transportar oxigênio para os músculos do coração. Para os adultos jovens com triglicerídeos muito altos, o risco é quatro vezes maior, se comparado com aqueles com triglicerídeos levemente elevados.

– Acidente vascular cerebral

Derrame ou acidente vascular cerebral é uma condição em que o suprimento de sangue é diminuído para as células do cérebro, provocando danos. 

Ter triglicerídeos alto é perigoso porque pode restringir o fluxo sanguíneo dentro dos vasos que seguem para o cérebro. Segundo um estudo recente, para as mulheres mais velhas, os altos níveis de triglicérides são a principal causa de um derrame.

– Fígado gorduroso

As causas mais comuns de uma doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) são triglicérides elevados, diabetes e obesidade. A gordura no fígado é a causa da doença hepática crônica, que por sua vez provoca cicatrizes permanentes do fígado, câncer e insuficiência hepática, o que pode ser fatal.

– Doença arterial periférica

O excesso de gordura pode formar depósitos nas artérias que fluem para as pernas. Esses depósitos aumentam os riscos de desenvolver doença arterial periférica (DAP), característica por causar dor e dormência nas pernas, especialmente ao caminhar. Além disso, também pode aumentar o risco de desenvolver uma infecção nas pernas ou pés.

– Demência

  Continua Depois da Publicidade  

Alguns estudos mostram que ter triglicerídeos alto é perigoso porque pode danificar os vasos sanguíneos no cérebro e contribuir para a formação de uma proteína tóxica chamada amilóide. A demência implica na perda da função cerebral, afetando a memória, o pensamento, a linguagem e o comportamento da pessoa.  Embora a idade seja um grande fator de risco, os altos triglicerídeos também têm a sua participação.

– Diabetes gestacional

Ter triglicérideos alto é perigoso para qualquer um, mas para as mulheres grávidas pode ser ainda mais prejudicial. Em 2010 o Canadian Medical Association Journal publicou um estudo que mostrou que as mulheres grávidas com triglicérides altos no primeiro trimestre de gestação correm um risco maior de desenvolver diabetes gestacional, se comparadas àquelas com níveis normais.

– Pré-eclâmpsia

Esse é outro impacto dos níveis de triglicérides altos durante a gravidez. A principal característica da pré-eclâmpsia é um aumento na pressão arterial e diminuição da função renal. Ter pré-eclâmpsia pode diminuir o fluxo sanguíneo para a placenta – a principal fonte de nutrientes para o bebê – e causar descolamento prematuro, provocando hemorragia interna e também aumentando as chances de convulsões e doenças cardiovasculares na mãe.

Sintomas

Nem sempre os triglicerídeos altos ou muito altos causam sintomas, por isso a melhor alternativa é realizar os seus exames de rotina periodicamente. No entanto, alguns sinais de aviso podem se manifestar, e se isso acontecer é necessário buscar ajuda médica. Confira a seguir indícios que indicam que os níveis de triglicerídeos estão altos:

  • Xantomas: São depósitos gordurosos que aparecem na pele, e sua presença indica que os níveis de colesterol ou triglicerídeos no sangue estão muito altos. Eles podem ser muito pequenos ou grandes, ter qualquer formato e apresentar uma cor amarela ou laranja. Aparecem com mais frequência nas articulações como cotovelos e joelhos, ou nas mãos, tornozelos, costas e nádegas. Também é possível desenvolver um depósito de gordura nas pálpebras, mas essa condição é conhecida como xantelasmas. Tanto os xantomas quanto os xantelasmas não são perigosos, e podem desaparecer quando os níveis de triglicérides diminuírem.
  • Pancreatite aguda: Outro sinal de alerta de triglicerídeos muito altos é a pancreatite aguda. Os sintomas mais comuns incluem: uma dor na barriga severa e súbita, náuseas, vômito, febre, taquicardia e respiração acelerada.
  • Alterações em alguns órgãos: Outro sinal de aviso é um inchaço e dor no fígado ou no baço.
  • Diminuição do suprimento de sangue: Como vimos, ter triglicerídeos alto é perigoso porque pode causar bloqueio do suprimento de sangue para o coração ou para o cérebro. Se houver uma redução no fluxo sanguíneo para o coração, o sintoma mais comum é a dor no peito. Já a diminuição do fornecimento de sangue para o cérebro pode causar tontura, dormência, confusão mental, visão turva ou uma dor de cabeça muito forte. Outra condição que tem sido associada aos triglicerídeos elevados é a perda de memória e níveis de triglicérides acima de 4.000 mg/dL, podem causar algumas alterações no exame oftalmológico.

Como baixar?

Já vimos que ter tiglicerídeos alto é perigoso por vários motivos, por isso, é fundamental trabalhar para que eles voltem ao normal. Diante desse cenário, confira algumas dicas para reverter esse quadro.

1. Pratique atividades físicas regularmente

Estudos apontam que praticar exercícios aeróbicos traz retornos significativos na diminuição de triglicerídeos. Além disso, manter o colesterol HDL (bom) alto também pode ajudar a reduzi-lo.

Sendo assim, procure incorporar exercícios regulares com exercícios aeróbicos de alta intensidade para estimular o “bom” colesterol HDL e diminuir os triglicerídeos no sangue.

2. Emagreça

Como vimos, o corpo transforma as calorias extras em triglicérides e armazena, por esse motivo a redução de peso corporal pode ser eficaz.

Estudos descobriram que a perda de peso pode ter um efeito prolongado nos níveis de triglicerídeos no sangue – mesmo que você recupere alguns quilos depois – e que perder entre 5 e 10% do peso pode diminuir os triglicérides no sangue em 40 mg / dL (0,45 mmol / L).

3. Controle o açúcar

Adicionar açúcar aos alimentos é muito frequente na maioria das dietas, porém, é preciso controlar as quantidades. O açúcar extra em sua dieta é transformado em triglicérides, o que pode levar a um aumento nos níveis no sangue, juntamente com outros fatores de risco para doenças cardíacas.

Diversos estudos já realizados para entender essa associação apontam que manter uma dieta com baixa adição de açúcar pode reduzir os triglicerídeos no sangue.

4. Siga uma dieta de baixo carboidrato (Low-Carb)

Assim como acontece com o açúcar adicionado, o carboidrato também pode elevar os triglicérides, e isso acontece porque após digeri-los, o corpo converte esses alimentos em açúcar e guarda o excesso.

Em 2006, um estudo analisou uma série de carboidratos para entender como cada um deles afetava os triglicerídeos. Os resultados mostraram que os participantes que seguiram uma dieta com aproximadamente 26% das calorias provenientes de carboidratos tiveram maiores quedas nos níveis, se comparados com o outro grupo que manteve uma dieta com até 54% das calorias sendo fornecidas por carboidratos.

A conclusão é que diminuir a quantidade de carboidratos pode favorecer consideravelmente seus triglicérides.

5. Como mais fibras

Através de estudos foi possível analisar qual o efeito de uma dieta alta e baixa em fibras. A dieta pobre em fibras fez com que os triglicérides saltassem 45% em apenas seis dias, enquanto a alimentação rica em fibras condicionou os triglicerídeos a níveis abaixo dos basais.

Partindo dos resultados divulgados, podemos concluir que as fibras são importantes especialmente para minimizar a absorção de gordura e açúcar no intestino delgado, o que pode contribuir consideravelmente para diminuir os marcadores de triglicérides no sangue.

6. Evite gorduras trans

Uma dieta rica em gorduras trans pode contribuir com a inflamação, que reflete no aumento do colesterol LDL e triglicerídeos no sangue, potencializando as chances de doenças cardíacas.

Segundo um estudo, os níveis de triglicérides se mostraram relevantemente maiores em dietas com alta ou moderada quantidade de gorduras trans, em comparação com uma alimentação rica em ácido oleico insaturado.

Para manter seus níveis controlados, limite o consumo de alimentos como os processados ​​e fritos, que são ricos em gordura trans.

7. Coma peixes gordos

As gorduras não são totalmente nocivas, por exemplo, aquelas fornecidas por peixes gordos são conhecidas por proporcionar benefícios para o coração e ajudar a reduzir os triglicerídeos no sangue.

O fato de sua composição ser repleta de ácidos graxos ômega-3 pode diminuir o risco de morte por doença cardíaca em 36%, e em 2016 um estudo indicou que comer salmão duas vezes por semana diminuiu significativamente as concentrações de triglicerídeos no sangue.

8. Aposte nas gorduras monoinsaturadas e poli-insaturadas

Outros exemplos de gorduras benéficas são as monoinsaturadas e poli-insaturadas, que mostram ser capazes de ajudar a diminuir os níveis de triglicerídeos no sangue, especialmente se forem usadas como substitutas de outras gorduras.

Uma pesquisa que envolveu 452 adultos observou o que eles haviam comido nas últimas 24 horas, focando nos mais variados tipos de gorduras saturadas e poli-insaturadas. As descobertas mostraram que consumir gordura saturada provocou um aumento de triglicerídeos no sangue, enquanto a ingestão de gordura poli-insaturada estava ligada a triglicérides sanguíneos mais baixos.

As gorduras monoinsaturadas são encontradas em alimentos como o azeite de oliva, nozes e abacates, e as poli-insaturadas estão presentes em óleos vegetais e peixes gordurosos.

9. Limite a ingestão de álcool

O fato do álcool ser repleto de açúcar e calorias pode trazer um excesso, o que fatalmente fará com que o seu corpo converta em triglicérides armazenados nas células adiposas.

Estudos mostram que o consumo moderado de álcool pode aumentar os triglicérides no sangue em até 53%, mesmo se eles estiverem normais no início. Além disso, o consumo excessivo de álcool aumenta o risco de doenças cardíacas.

10. Coma proteína de soja

Soja, tofu, edamame e leite de soja são alguns alimentos ricos em isoflavonas, um composto vegetal capaz de ajudar a reduzir o colesterol LDL no sangue, e também diminuir os níveis de triglicerídeos.

Em 2004 um estudo com a proposta de comparar como a soja e as proteínas animais afetam os triglicerídeos mostrou que após seis semanas de consumo a proteína de soja apresentou uma ajuda superior, pois ela foi capaz de diminuir os níveis de triglicérides em 12,4% a mais que a proteína animal.

Já uma análise de 23 estudos evidenciou que a proteína de soja causou um declínio de 7,3% nos triglicerídeos no sangue.

11. Inclua oleaginosas no cardápio

Nozes contêm muitos nutrientes saudáveis ​​para o coração, incluindo fibras, ácidos graxos ômega-3 e gorduras insaturadas que trabalham em conjunto para reduzir os triglicerídeos no sangue. Por esse motivo, o seu consumo está ligado a uma modesta diminuição nos triglicerídeos sanguíneos.

No entanto, é preciso ter cuidado com os excessos, pois elas são altamente calóricas. O ideal é consumir entre 3 a 7 porções de nozes por semana.

12. Use suplementos naturais

O mercado oferece suplementos naturais para ajudar a reduzir os níveis de triglicerídeos no sangue. Geralmente, eles são comercializados por lojas de produtos naturais e farmácias, podendo ser comprados até pela internet. No entanto, é fundamental comprar de um fabricante confiável, pois esse tipo de produto não sofre auditoria de órgãos regulamentadores, o que significa que ele pode conter substâncias diferentes das que estão declaradas no rótulo.

  • Curcumina: A curcumina é uma substância ativa da cúrcuma que demonstra potencial para ajudar a reduzir os triglicérides. Um estudo de 2012 mostrou que tomar um suplemento com uma dose baixa de curcumina pode causar uma queda significativa nos níveis;
  • Extrato de alho: Ele contém propriedades anti-inflamatórias e demonstrou através de vários estudos em animais ajudar a reduzir triglicérides.
  • Óleo de peixe: Além de ser muito usado por seus efeitos benéficos para a saúde do coração, tomar suplementos de óleo de peixe pode ajudar a reduz os triglicerídeos em 48%, segundo um estudo.
  • Feno-grego: As sementes de feno-grego são populares por estimular a produção de leite. No entanto, as sementes também mostraram capacidade de reduzir triglicerídeos sanguíneos.
  • Guggul: Este suplemento herbal é recomendado frequentemente para tratar colesterol alto, e nessa condição ele também contribui com a diminuição dos níveis de triglicerídeos.

Se os seus níveis são perigosamente altos, o seu médico pode prescrever medicamentos. Os mais comuns são: estatinas, fibratos e niacina, que devem ser tomados conforme a prescrição médica. No entanto, é fundamental que esse tratamento seja combinado com as mudanças na sua alimentação e estilo de vida, pois os medicamentos podem ajudar, mas terão uma eficácia menor se outras medidas não forem adotadas.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já imaginava que ter triglicerídeos alto é perigoso por diversos motivos para a saúde? Já foi diagnosticado com essa condição? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dr. Lucio Pacheco

Dr. Lucio Pacheco se formou em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1994. Em 1996 fez um curso de aperfeiçoamento no Hospital Paul Brousse, da Universidade de Paris-Sud, um dos mais especializados na área de transplantes na Europa. Concluiu o mestrado em Medicina (Cirurgia Geral) em 2000 e o Doutorado em Medicina (Clinica Médica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 2010. Dr Lucio Pacheco é um profundo estudioso na área de doença hepática e escreveu dezenas de livros e artigos sobre transplante de fígado. Atualmente é médico - cirurgião, chefe da equipe de transplante hepático do Hospital Copa Star, Hospital Quinta D´Or e do Hospital Copa D´Or. É diretor médico do Instituto de Transplantes. Tem vasta experiência na área de Medicina, com ênfase em Transplante hepático, atuando principalmente nos seguintes temas: cirurgia geral, oncologia cirúrgica, hepatologia,e transplante de fígado. Dr. Lucio é uma referência profissional em sua área e autor de artigos científicos e diversos. Para mais informações, entre em contato com ele.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário

1 comentário em “Triglicerídeos Alto é Perigoso? Riscos, Sintomas e Como Baixar”

  1. Eu tenho triglicerideo alto, 876 não consigo comer o que minha médica mandou sinto forte dores na barriga.