Comer Muita Proteína Faz Mal?

Especialista:
atualizado em 18/12/2019

As proteínas são aliadas fundamentais para aqueles que desejam manter os músculos nutridos. Os treinos são importantes para as mudanças físicas, mas sua dieta deve receber uma atenção especial, para também apoiar o anabolismo durante os períodos de descanso.

A questão é que há pessoas, que de olho nos benefícios, exageram nas porções de proteínas. Diversas pesquisas afirmam, no entanto, que comer muita proteína faz mal à saúde. Se você deseja manter o corpo em forma e preservar o sem bem estar, fique de olho nas dicas e nas melhores formas de consumi-las com segurança.

Consequências ao fígado

Para aqueles que desejam a hipertrofia, geralmente recomenda-se o consumo médio de até 2,5 gramas de proteínas por quilo corporal. Ou seja, mesmo a proteína em excesso faz mal, pois você não garantirá músculos em evidência, mas consequências ao seu organismo. Se houver esse fornecimento excessivo de proteínas ao fígado, ele pode não ser eficiente na digestão e quebra destas, o que pode gerar até uma insuficiência hepática.

O Instituto de Medicina recomenda o consumo médio de 46 gramas de proteínas por dia para mulheres, enquanto os homens podem consumir 56, diariamente. Esse é o consumo saudável para pessoas de rotina normal, pois aquelas pessoas que mantêm uma vida mais ativa precisam de maiores porções, para manter o vigor para os exercícios. Porém, não há ninguém mais indicado que um médico de segurança para reconhecer as porções individuais necessárias para o seu equilíbrio físico.

Os órgãos e células do corpo precisam de proteínas, mas o descontrole pode ocasionar sintomas desagradáveis, como náuseas e até mesmo diarreia. Comer muita proteína faz mal pois pode contribuir também com o acúmulo de aminoácidos, amônia e insulina na corrente sanguínea. Esses resultados foram obtidos a partir de pesquisas realizadas na Austrália, e publicadas no Jornal Internacional de Nutrição e Exercícios Metabólicos, no ano de 2006.

Para manter o corpo saudável, o ideal é priorizar as quantidades saudáveis de proteínas, alimentos com baixo teor de gordura, e alimentos que contenham baixo teor de colesterol.

O excesso de proteína pode ocasionar a produção de amônia, que é uma toxina. Esse exagero pode causar a sobrecarga no fígado, o que permitirá que a amônia e outras substâncias tóxicas possam alterar a composição do sangue. Afirma-se que dentre as consequências pode-se notar a diminuição da função do cérebro e do sistema nervoso.

Ganho de peso

Comer muita proteína faz mal não só à saúde, mas também pode comprometer a sua boa forma, pois o excesso também pode gerar o ganho de peso. Ao consumir um grama de proteína, você também estará ingerindo cerca de 4 calorias, ou seja, se você ingerir 100 gramas de proteínas, você adicionará 400 calorias ao seu cardápio, logo, em uma semana, você acrescentará 2800 calorias extras ao seu planejamento.

Whey Protein

É o suplemento mais comum entre os praticantes de musculação. O Whey Protein contém proteínas de alta qualidade, que são extraídas do soro do leite. Ele não só conta com as proteínas, mas também quantidades significativas de leucina, que é muito funcional para o crescimento e reparação muscular. A rápida absorção, alto percentual de imunoglobulinas, lactorerrina, outros precursores e glutationa, que beneficiam o sistema imunológico, justificam a escolha de seus consumidores.

Colesterol alto

Os alimentos ricos em proteínas, principalmente aqueles que origem animal, podem conter porções significativas de colesterol, o que pode apoiar algumas consequências às artérias, levando a situações graves como ataques cardíacos e acidente vascular cerebral. Alguns Institutos de Nutrição recomendam que o consumo diário não supere 200 miligramas por dia. É exatamente por isso que muitas pessoas optam pelas fontes de proteínas extraídas do soro do leite, exceto em casos de intolerância.

Rins

A proteína em excesso faz mal porque também pode ocasionar pressão sobre os rins. Aquelas pessoas que lidam com doenças renais devem reduzir as porções de proteínas, pois alguns estudos apontam o excesso do nutriente como aumento de risco para a ocorrência de alguns tipos de Cancro. Nesse aspecto, é necessário avaliar as diferenças entre as fontes de proteína, pois aquelas extraídas de plantas não são tão prejudiciais se comparadas às proteínas extraídas do leite ou de animais.

É normal se sentir confuso com todas essas afirmativas, já que há diversos suplementos proteicos que prometem benefícios significativos para o anabolismo. A proteína ajuda você a se sentir saciado, mas por outro lado é importante que você não exagere em suas porções, como com qualquer outro nutriente. Uma dica importante é não sobrecarregar uma única refeição com muitas proteínas, pois elas devem ser distribuídas ao longo do dia.

Osteoporose

Comer muita proteína faz mal também para a saúde dos ossos. É dito que a alta ingestão do nutriente pode contribuir com a ocorrência de osteoporose, e essa afirmativa se apoia na teoria de que a proteína pode aumentar a carga ácida de nosso corpo, o que leva à perda de Cálcio, para a neutralização do ácido.

Há outros estudos que mostram que o aumento da excreção de Cálcio não ocorre a longo prazo, mas todos os cuidados devem ser tomados para preservar a saúde dos ossos.

Por outro lado, há pesquisas que defendem que as proteínas podem melhorar a densidade óssea, o que reduz a possibilidade de fraturas, por isso, nada mais seguro que buscar sempre o equilíbrio, nunca exagerando e sempre evitando a deficiência.

Necessidades individuais

A importância de um médico de confiança também se estende para as porções adequadas de nutrientes. Sabendo que comer muita proteína faz mal para alguns aspectos de nosso organismo, esses efeitos ainda assim não são maiores que os efeitos colaterais da deficiência do nutriente, por isso, basta buscar as recomendações certas, e você poderá desfrutar de suas contribuições para os músculos e saúde geral do corpo.

Após esclarecer sobre sua rotina e características particulares, um nutricionista poderá identificar quais são as suas necessidades; dessa forma, você poderá adequar as proteínas às suas refeições diárias. Vale lembrar que as proteínas, isoladamente, não podem oferecer benefícios significativos, ou seja, não há ganho se você focar apenas no seu consumo excessivo, pois essa iniciativa não condiz com o equilíbrio necessário para o seu metabolismo.

Busque adequar porções moderadas de cada nutriente, e prepare refeições completas e coerentes com suas necessidades nutricionais, sendo essa a forma mais segura para um corpo bem delineado e saudável, tanto no presente, quanto futuramente.

Vídeo:

Gostou das dicas?

Você já tinha ouvido falar que comer muita proteína faz mal? Consultou-se com um nutricionista para organizar sua ingestão de nutrientes? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (15 votos, média: 4,33 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário