Você Está Consumindo Proteínas Demais? Cuidado com Esses Sinais

Especialista da área:
atualizado em 29/01/2020

As proteínas são os blocos de construção da vida; você provavelmente já sabe que deve incluir mais proteínas em sua dieta porque elas são a base da reconstrução e crescimento muscular, dão mais saciedade e por isso também são importantes para a perda de peso.

  Continua Depois da Publicidade  

No entanto, “comer mais” geralmente pode ser confundido com “coma o máximo possível”. Então, algumas pessoas sentem que não comem esse macronutriente suficientemente, mas poucas sabem que até mesmo a proteína pode trazer efeitos colaterais em excesso.

Sim, existe uma razão pela qual os nutricionistas pedem que você nunca exceda a ingestão de proteína recomendada. Uma dieta rica em proteínas realmente induz a perda de peso e promove a massa muscular magra, mas há um certo limite além do qual esse nutriente essencial começa a prejudicar a sua saúde. Então, quanto de proteína é demais?

Em média, os homens devem consumir 56 gramas de proteína e as mulheres devem consumir 46 gramas de proteína por dia. Você também pode calcular isso a partir do peso corporal. Os adultos devem manter 0,8 gramas de proteína por kg de peso corporal. Consumir mais de 2 gramas de proteína por kg é considerado excessivo.

Então, agora que você sabe quanta proteína é segura, aprenda sobre os muitos efeitos colaterais de consumi-la em excesso:

1. Ganho de peso

Uma dieta rica em proteínas ajuda a perder peso. Mas quando isso excede o limite, pode resultar no ganho de peso. A longo prazo, quando o corpo excreta um excesso de aminoácidos, o excedente é armazenado como gordura. Isso acontece especialmente quando você aumenta sua ingestão de calorias apenas para consumir mais proteínas. De acordo com um estudo de 2016, o ganho de peso acontece quando as proteínas são usadas para substituir carboidratos e não gordura.

2. Constipação

Dietas de alta proteína que substituem carboidratos acabam sendo pobres em fibras também. Como resultado, há o risco de constipação. Em um estudo de 2003, 44% das pessoas relataram prisão de ventre devido ao aumento do consumo de proteínas. Para combater isso, beba mais água e aumente a ingestão de fibras.

3. Diarréia

Combinar muitos produtos laticínios com pouca fibra pode resultar em diarréia. O efeito é mais relevante se você for intolerante à lactose. Para evitar que isso aconteça, beba mais água, evite cafeína e aumente a ingestão de fibras.

4. Problemas renais

Consumir mais proteínas não deve criar problemas renais em pessoas saudáveis. No entanto, aqueles com doença renal podem expor seus rins a algum dano. Comer proteína em excesso aumenta o conteúdo de nitrogênio no sangue, o que coloca mais pressão nos rins para filtrar o sangue. Com o tempo, isso pode expor seus rins a danos sérios.

5. Perda de cálcio

De acordo com um estudo de 2013, altos níveis de proteína estão ligados à perda de cálcio no corpo. Isso às vezes está ligado à osteoporose e à má saúde dos ossos e acontece porque consumir muita proteína induz o corpo a excretar cálcio pela urina. Como resultado, sua necessidade dietética de cálcio aumenta.

  Continua Depois da Publicidade  

Então, se você não aumentar sua ingestão de cálcio para compensar essa perda, você aumenta o risco de osteoporose mais tarde na vida. Então, quanto mais proteína você consumir, mais cálcio você perderá.

6. Desidratação

Para decompor as proteínas no corpo, colocá-las em uso e excretar os resíduos, é necessária muita água. Então, se você não beber água suficiente para compensar a necessidade, você pode se sentir desidratado.

Para evitar que isso aconteça, você deve aumentar sua ingestão de água quando aumentar sua ingestão de proteína, para compensar a perda. Esta perda de água começará a refletir na sua pele e cabelo.

Você acredita estar consumindo proteínas em excesso na sua dieta? Quais destes sintomas já presenciou? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (8 votos, média 4,13)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é Nutricionista - CRN-RJ 0510146-5. Ela é uma das mais conceituadas profissionais do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário