Como Plantar Pêssego em Casa – Passo a Passo e Cuidados

Especialista:
atualizado em 18/02/2020

O pêssego pode promover inúmeros benefícios para a saúde e serve como fonte de fibras, cálcio, ferro, magnésio, fósforo, potássio, vitamina A, vitamina C, vitamina E e vitamina K. Aprenda como plantar pêssego em casa para aproveitar ao máximo esses benefícios e nutrientes com um passo a passo de dicas e cuidados para a hora do plantio e do cultivo.

Esta fruta pode muito bem fazer parte de uma alimentação saudável, vide os incríveis benefícios do pêssego para a saúde. Entretanto, quando falamos de uma dieta saudável, para muitos não basta simplesmente incluir frutas como ele nas refeições. Além disso, é necessário certificar-se de que essas frutas sejam o mais naturais e orgânicas possíveis, livres dos mal falados agrotóxicos.

  Continua Depois da Publicidade  

Aproveite para conferir quais são os alimentos com mais agrotóxicos no Brasil, veja também como tirar os agrotóxicos desses alimentos e quais são as doenças causadas pela presença de agrotóxico nos alimentos.

Uma saída para quem procura evitar o consumo desses agrotóxicos é plantar seus próprios alimentos em casa. Por isso, aprenda agora como plantar pêssego em casa.

Qual é o problema de fato com os agrotóxicos?

Antes de chegarmos ao passo a passo de como plantar pêssego em casa, vamos conhecer melhor o que são os agrotóxicos e por quais razões os alimentos com agrotóxicos possuem uma fama ruim.

De acordo com o portal do Ministério da Saúde, os agrotóxicos são definidos no Brasil por Lei como “produtos e agentes de processos físicos, químicos ou biológicos, destinados ao uso nos setores de produção, no armazenamento e beneficiamento de produtos agrícolas, nas pastagens, na proteção de florestas, nativas ou implantadas, e de outros ecossistemas e também de ambientes urbanos, hídricos e industriais, cuja finalidade seja alterar a composição da flora ou da fauna, a fim de preservá-las da ação danosa de seres vivos considerados nocivos; substâncias e produtos, empregados como desfolhantes, dessecantes, estimuladores e inibidores de crescimento”.

O portal do Ministério da Saúde também informa que o uso contínuo, indiscriminado e inadequado dessas substâncias é considerado um relevante problema ambiental e de saúde pública.

Segundo o portal, “os efeitos à saúde humana, decorrentes da exposição direta ou indireta aos agrotóxicos podem variar de acordo (com) a toxicidade, tipo de princípio ativo, dose, tempo de exposição e via de exposição”.

Estudos realizados pelo aluno de doutorado em Saúde Pública e Meio Ambiente da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (Ensp/Fiocruz), Cleber Cremonese, indicaram que parte dos agrotóxicos pode desregular o sistema endócrino, alterando os níveis de hormônios sexuais e provocando efeitos prejudiciais, especialmente para o sistema reprodutor.

Essas reações podem incluir riscos de câncer de mama, câncer de ovário, câncer de testículo, câncer de próstata, desregulação do ciclo menstrual, infertilidade, baixa na qualidade do sêmen e malformação de órgãos reprodutivos.

  Continua Depois da Publicidade  

Em suas pesquisas, Cremonese avaliou moradores de Farroupilha (RS) – em um primeiro estudo, ele trabalhou com homens e mulheres adultos, trabalhadores rurais e seus familiares, que tinham entre 18 a 69 anos; no segundo, ele analisou jovens das zonas rurais e urbanas com idade entre 18 a 23 anos.

Para chegar aos resultados apontados, o doutorando coletou amostras de sangue e sêmen e aplicou questionários.

Cremonese concluiu que seus estudos sugerem que as exposições crônicas aos agrotóxicos interferem na regulação dos hormônios sexuais nos adultos e na qualidade do sêmen dos jovens nas regiões onde o estudo foi conduzido.

Cleber afirmou ainda que o uso dos agrotóxicos já foi associado a outros problemas de saúde como doenças neurodegenerativas como Parkinson, distúrbios cognitivos, transtornos psiquiátricos, alterações respiratórias e imunilógicas, problemas no fígado e nos rins e complicações na gestação como aborto, malformações congênitas e baixo peso ao nascer.

O doutorando defende intervenções de curto, médio e longo prazo para diminuir ou minimizar os problemas causados pelos agrotóxicos à saúde dos grupos de risco em relação aos efeitos dessas substâncias. As informações são do site do Governo do Brasil e da Fundação Oswaldo Cruz.

Como plantar pêssego em casa

Agora sim, finalmente vamos conferir um passo a passo de como plantar pêssego em vaso. Dê uma conferida:

  1. Separar os materiais necessários: um vaso de terracota de 80 cm de largura por 85 cm de profundidade (mas atente que o tamanho deve ser proporcional ao tamanho da muda), uma muda de pessegueiro, argila expandida, terra vegetal (não pode ser dura ou estar empedrada), cascalho pequeno, manta drenante e pá. É importante registrar que a quantidade de terra vegetal, argila expandida e cascalho pequeno vão depender do tamanho da muda e do vaso.
  2. Colocar a manta drenante no fundo do vaso de terracota para impedir que a terra escape pelo dreno e para permitir a respiração da planta.
  3. Então, cobrir a manta drenante com a argila expandida, com uma camada de aproximadamente 5 cm. Adicionar mais um pedaço de manta drenante em cima da argila expandida.
  4. Acrescentar uma camada de terra para que a raiz da muda fique na altura ideal – o topo da muda, que é onde o caule inicia, precisa ficar a aproximadamente 3 cm da borda do vaso.
  5. Com bastante cuidado, retirar o plástico que envolve o torrão. Isso porque ele precisa permanecer íntegro para não prejudicar a raiz, algo que pode interferir negativamente no desenvolvimento da árvore de pêssego. Depois disso, centralizar a planta no vaso.
  6. Completar os espaços que estiverem ali com mais terra, porém, sem ultrapassar o colo do torrão, que é definido como a região de transição entre o tronco e a raiz da planta.
  7. Arrumar a terra com as mãos até obter uma superfície uniforme. Espalhar o cascalho como forma de acabamento.
  8. Fazer a primeira rega, que deve ser abundante para eliminar as bolhas de ar e assentar o torrão. As próximas regas deverão ser realizadas três vezes por semana em quantidade razoável. Entretanto, a terra não pode ficar encharcada.

Outros cuidados e alertas:

  • É indispensável impermeabilizar o vaso para evitar o prejuízo à plantação;
  • Adubos com liberação lenta e ricos em fósforo são considerados os ideais para as árvores frutíferas como o pessegueiro;
  • As mudas de árvores frutíferas necessitam de iluminação solar – a recomendação é de no mínimo quatro horas diárias.

Recomendações gerais sobre o plantio do pêssego

Recomenda-se que o plantio da fruta seja realizado no inverno durante os meses de junho e julho e no verão entre os meses de dezembro a janeiro. O solo adequado deve ser profundo, bem drenado e fértil.

  Continua Depois da Publicidade  

Por sua vez, o clima deve ser ameno, com mais horas de frio abaixo de 13º C durante o período do inverno.

Vídeo:

Gostou das dicas?

Fontes e Referências Adicionais:

Você já sabia como plantar pêssego em casa? Pretende tentar e experimentar o seu próprio pêssego agora? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é Nutricionista - CRN-RJ 0510146-5. Ela é uma das mais conceituadas profissionais do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário