Goma Xantana Faz Mal? Para Que Serve, O Que é e Como Usar

Especialista:
atualizado em 21/05/2020

Existe uma dúvida se a goma xantana faz mal. Em uma análise, podemos dizer que ela é muito utilizada na indústria farmacêutica e também na gastronomia. Sozinha, a goma xantana não consegue formar um gel, mas pode dar viscosidade à receita. A seguir, você aprenderá mais sobre a goma xantana, para que ela serve, como utilizá-la e muito mais.

Mas também existem outros tipos como a goma guar, também conhecida como goma aguar, goma de guar, farinha de guar, guar, gum-guar e guar-gum. Trata-se de uma galactomanana, um tipo de polissacarídeo que pertence à classe das fibras solúveis. Fibras não são absorvidas pelo organismo e, no caso das fibras solúveis como a goma guar, elas passam intactas pelo estômago e intestino delgado e são fermentadas pelas bactérias da flora do intestino grosso. Confira abaixo sobre os benefícios e as propriedades da goma guar.

Os nuggets de frango tendem a ter um teor elevado de gordura porque são à milanesa e fritos. Mas não é segredo o que há dentro de um nuggets de frango. Os restaurantes de fast food têm informações nutricionais publicadas em suas lojas e sites. Você gostará de saber sobre do que é feito os nuggets e suas composições.

A goma xantana é um aditivo alimentar que possui função emulsificante, espessante e estabilizante. Ela é, geralmente, utilizada em receitas de pães e bolos low carb e sem glúten, pois garante que uma receita sem farinha de trigo, ou seja, sem glúten, não perca os gases da fermentação, cresça e fique com a consistência ideal. Veja abaixo sobre as 4 receitas de pão low carb com goma xantana.

No entanto, muitas pessoas questionam se estas substâncias podem causar algum mal à saúde e quais os efeitos que elas podem ter no organismo.

Vamos conhecer o que é, para que serve, como usar e entender o motivo pelo qual alguns pesquisadores acreditam que a goma xantana faz mal à saúde. 

O que são aditivos alimentares? 

Os aditivos alimentares são substâncias amplamente usadas pela indústria de alimentos com a finalidade de manter a qualidade dos mesmos até que seja feito o seu consumo, auxiliando no aumento da duração da validade, reduzindo custos com ingredientes, promovendo mudanças no sabor, melhorando a aparência e garantindo melhor armazenamento e conservação dos mesmos.

Existem diversas classes de aditivos alimentares, entre eles os estabilizantes, os emulsificantes, reguladores de acidez, acidulantes, corantes, aromatizantes, edulcorantes, entre muitos outros.

Na década de 50, pesquisadores desenvolveram uma nova classe de substâncias: os polissacarídeos de origem microbiana, que até aquele momento somente eram extraídos de plantas terrestres e marinhas. Esta nova classe de substâncias, em condições controladas de fermentação, gerava um material de qualidade e fornecimento constante que não era influenciado pelo clima, promovendo a obtenção de polímeros hidrossolúveis com diferentes propriedades. A estas substâncias foi dado o nome de gomas industriais.

As gomas industriais são biopolímeros compostos por polissacarídeos de origem microbiana que têm a capacidade de formar géis e soluções viscosas em meio aquoso. Estas substâncias são interessantes do ponto de vista industrial, pois são amplamente utilizadas como espessantes, agentes de suspensão, gelificantes, entre outros.

Nas últimas décadas, os estudos em relação à identificação, caracterização e utilização destes polissacarídeos sintetizados por micro-organismos vêm aumentando em função das suas enormes aplicações.

O que é a goma xantana e para que serve? 

A goma xantana foi descoberta na década de 50 no departamento de agricultura dos Estados Unidos, sendo liberada como aditivo alimentar em 1968. Ela é um polissacarídeo de elevado peso molecular produzido pelas bactérias do gênero Xanthomonas, que apresentam a capacidade de formar soluções viscosas e géis hidrossolúveis com propriedades únicas.

Esta substância é completamente solúvel em água fria ou quente, tem rápido poder de hidratação e facilita muito a retenção de água, produzindo soluções com viscosidades uniformes em muitos intervalos de temperatura, desde o congelamento até próximo ao ponto de ebulição da água.

Além disso, esta goma possui grande estabilidade em condições ácidas ou alcalinas e também possui grande resistência a enzimas. Esta estabilidade depende da concentração – quanto maior, maior será a estabilidade da solução.

Em função destas propriedades, a goma xantana é o biopolímero mais utilizado atualmente no mercado, pois pode alterar as características básicas da água com grande capacidade de emulsificação, gelificação, suspensão, estabilização e espessamento. Apesar do grande tamanho do mercado de goma xantana e das suas diferentes aplicações, poucos são os países que produzem esta substância.

A goma xantana utilizada no Brasil ainda é em sua maior parte importada, apesar do país possuir insumos básicos que são usados durante o processo, como a cana-de-açúcar e o etanol.

Esta goma tem diversas aplicações, sendo muito usada na produção de sorvetes, de cremes de queijo pasteurizados, sobremesas congeladas, bebidas, leites achocolatados, pudins, molhos, em muitos produtos para panificação e confeitaria, xaropes, coberturas e condimentos. Além disso tudo, é muito usada em produtos sem glúten, pois ajuda a manter as características finais dos alimentos na ausência desta proteína.

Com tantas aplicações, a goma xantana passou a ser a principal substância usada como emulsificante e estabilizante na indústria, aumentando os questionamentos entre profissionais da saúde e pesquisadores que avaliam se a goma xantana faz mal ao organismo se usada continuamente, pois está presente em muitos alimentos que são consumidos em grandes quantidades todos os dias por muitas pessoas ao redor do mundo.

A goma xantana faz mal à saúde?

Existem muitos estudos mostrando os benefícios da goma xantana para a saúde, mas também existem alguns que demonstram que esta substância pode trazer prejuízos com seu uso.

Um estudo realizado em 1987, com um grupo de voluntários do sexo masculino que fez o consumo de 10,4 ou 12,9 gramas de chiclete contendo a goma xantana todos os dias durante 3 semanas, mostrou que, embora houvesse causado uma alteração no tempo de digestão e também no peso e na textura das fezes, não houve nenhum efeito nocivo a outras questões de saúde.

Um relatório de 1990 do Journal of Occupational Medicine também mostrou que pessoas expostas a grandes quantidades de goma xantana em pó, como o caso dos trabalhadores de padarias, podem apresentar sintomas que incluem irritação no nariz e na garganta, diarreia, inchaço, flatulência, enxaquecas, irritação na pele, entre muitos outros.

Por outro lado, também existem estudos que mostram que a goma xantana pode auxiliar na redução da taxa de glicemia do sangue e das taxas de colesterol total, podendo ser usada por pacientes com diabetes. Esta goma também tem poder laxativo natural, servindo como um auxiliar na melhoria do trato intestinal, pois ajuda a estimular o sistema digestivo.

Além disso, outro estudo realizado em 2009 pela revista International Immunopharmacology mostrou que a goma xantana tem propriedades que ajudam a combater o câncer. Esta pesquisa mostrou que o consumo de goma xantana reduziu de forma significativa o crescimento do tumor e aumentou a sobrevivência de camundongos inoculados com células de melanoma.

Outros estudos mostram que a goma xantana foi utilizada para auxiliar pacientes com disfagia orofaríngea, uma condição em que pessoas têm dificuldade em esvaziar alimentos no esôfago devido a uma anormalidade no músculo e nos nervos, condição muito comum em pacientes que sofreram acidente vascular cerebral (AVC). Algumas pesquisas também mostram que ela pode melhorar o aspecto da pele e dos cabelos.

As únicas evidências encontradas nestes estudos estão relacionadas ao fato de que a goma xantana faz mal à saúde quando usada em grandes quantidades, atingindo somente, em princípio, o sistema digestivo que será estimulado. Desta forma, pesquisadores recomendam que exista uma limitação diária de 15 gramas por dia no consumo da goma xantana, garantindo o consumo seguro desta substância.

Vale também lembrar que pessoas com alguma condição de saúde devem sempre buscar a orientação de um médico antes de usar esta substância. Pessoas com diabetes devem consumir de forma moderada, pois, em conjunto com medicamentos para o controle da taxa de glicemia, pode haver uma redução acima do normal desta taxa com o uso da goma xantana.

Conclusão

A goma xantana foi descoberta na década de 50, sendo liberada como aditivo alimentar em 1968. A goma xantana é o biopolímero mais utilizado atualmente no mercado, devido à sua grande capacidade de emulsificação, gelificação, suspensão, estabilização e espessamento.

Com tantas aplicações, a goma xantana passou a ser a principal substância usada como emulsificante e estabilizante na indústria, aumentando os questionamentos entre profissionais da saúde e pesquisadores que avaliam se a goma xantana faz mal ao organismo com seu uso contínuo ou em grandes quantidades.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já tinha ouvido falar que a goma xantana faz mal à saúde em determinadas circunstâncias? Utiliza esta substância em sua cozinha? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (40 votos, média: 4,13 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário

1 comentário em “Goma Xantana Faz Mal? Para Que Serve, O Que é e Como Usar”