10 Sintomas da Glicemia Alta – Valores e O Que Fazer

A glicemia alta é mais conhecida como hiperglicemia, que é caracterizada quando o nível de glicose no sangue é muito alto porque o corpo não está usando adequadamente ou não produz o hormônio insulina.

A glicose costuma ser obtida através dos alimentos. Os carboidratos, como frutas, leite, batatas, pão e arroz são a maior fonte de glicose em uma dieta típica. Ao ingeri-los, o seu corpo quebra os carboidratos em glicose e depois transporta para as células através da corrente sanguínea, e ela é transformada em energia.

No entanto, para usar a glicose, o corpo precisa de insulina, que é um hormônio produzido pelo pâncreas. A insulina ajuda a transportar a glicose para as células, particularmente para as células musculares.

A glicemia alta, ou hiperglicemia, afeta principalmente pessoas que têm diabetes, mas também pode acontecer quando seu corpo é incapaz de absorver a insulina adequadamente ou desenvolve uma resistência à insulina inteiramente.

Nas pessoas que não têm diabetes, pode acontecer quando a glicose está alterada, proveniente de alguma doença ou estresse. Nestas situações, o corpo produz os hormônios que aumentam o açúcar no sangue. Se os níveis de açúcar no sangue estiverem consistentemente altos e não forem tratados, isso pode levar a sérias complicações.

Diabetes x glicemia alta

Diabetes é um distúrbio caracterizado por altas quantidades de açúcar na corrente sanguínea que ocorre como resultado da falta de insulina ou resistência à insulina. Assim como na diabetes, a hiperglicemia é caracterizada por altas quantidades de açúcar na corrente sanguínea, mas a diferença é que a glicemia alta pode nem sempre estar relacionada à falta de insulina ou à sensibilidade à insulina, pois pode ser resultado de estresse, doença crônica ou aguda, prescrição ou uso de medicação ilegal e até gravidez.

Sintomas da glicemia alta

Podem não haver sintomas da glicemia alta óbvios inicialmente, o que significa que, quando eles aparecem, os danos já podem estar formados. Sintomas graves podem incluir vômito, náusea, boca seca, falta de ar e dor abdominal. Sendo assim, um diagnóstico precoce pode contribuir com o tratamento adequado, evitando complicações mais sérias. Veja os principais sintomas da glicemia alta.

1. Micção frequente

Se você está urinando com mais frequência, a ponto de passar a maior parte do dia indo ao banheiro, pode ser um sinal de muita glicose no sangue. Se a insulina é ineficaz, ou não existe e os rins não podem filtrar a glicose de volta para o sangue, o corpo vai retirar a água do sangue para diluir a glicose, o que enche a bexiga e faz você urinar além do normal.

2. Sede excessiva

Quando você está urinando mais que o normal, o corpo inicia um processo para substituir o líquido perdido e é aí que a sede se torna excessiva. Esses são sintomas da glicemia alta frequentes e podem provocar um quadro de desidratação.

3. Fome intensa

Algumas pessoas sentem muita fome e podem experimentar perda de peso repentina, porque as células do corpo não estão obtendo o açúcar que precisam como fonte de combustível.

Como a insulina no seu sangue não está funcionando adequadamente, ou não está lá, e suas células não estão recebendo a energia, o corpo pode reagir tentando encontrar mais energia através de alimentos, provocando a fome.

4. Cansaço

Quando as células não estão recebendo glicose, elas estão literalmente sendo privadas de energia. Isso pode fazer você se sentir como se estivesse sempre cansado. Além disso, o aumento de açúcar no sangue pode deixar o sangue mais espesso e viscoso, obrigando o coração a trabalhar mais para bombeá-lo, e o sangue se move mais lentamente por todo o corpo para fornecer nutrientes às células.

Quando o corpo elimina o excesso de açúcar no sangue através da micção, você está literalmente liberando energia do corpo no banheiro.

5. Visão embaçada

Os sintomas da glicemia alta podem prejudicar seriamente a saúde dos olhos ao longo do tempo. Isso acontece porque essa é uma área com pequenos vasos sanguíneos. A curto prazo, os picos de açúcar no sangue podem causar visão embaçada, e quando essa condição é equilibrada, o problema melhora. Porém, nos estágios posteriores, podem aparecer vasos anormais, obstruindo a visão central e periférica.

A mácula, a parte central do olho responsável pela visão detalhada, pode inchar também, causando perda de visão.

6. Sangue espesso

O sangue espesso costuma ter uma consistência mais grossa e pegajosa, sendo difícil chegar a lugares como olhos, ouvidos, nervos, rins e coração. É por isso que complicações começam a ser percebidas nesses vasos sanguíneos muito pequenos. Mesmo em pessoas que não têm diabetes, existe uma relação direta entre a viscosidade do sangue e os níveis de glicose no sangue, descobriu um estudo italiano.

7. Falta de concentração

Os danos nos vasos sanguíneos também causam sintomas da glicemia alta que podem afetar o cérebro. Um estudo alemão revelou que níveis mais altos de açúcar no sangue prejudicam o pensamento e a memória mesmo em pessoas que não têm diabetes. O mapeamento do cérebro também revelou um hipocampo menor, a região do cérebro responsável pela memória, em pessoas com maior nível de açúcar no sangue.

8. Dor nas extremidades

Dedos inchados e formigando podem ser um sinal de que o açúcar no sangue está muito alto por tempo demais. As extremidades das fibras nervosas mais longas do corpo são geralmente as primeiras a sofrer, de acordo com a Academia Americana de Neurologia. É por isso que os pés, pernas, braços e mãos estão todos vulneráveis.

Danos nos nervos das extremidades podem produzir uma variedade de sintomas da glicemia alta, desde queimação ou formigamento até dor chocante. Controlar os níveis de açúcar no sangue pode evitar mais danos.

9. Falta de sensibilidade nos pés

A glicemia alta pode provocar a perda da sensibilidade nos pés, desde as pontas até o calcanhar. Assim, qualquer lesão, com uma unha encravada ou ferida, por mais simples que seja, pode se transformar em um problema grande.

10. Problemas gastrointestinais

Os nervos que controlam as funções internas do corpo, como a digestão, também são vulneráveis ​​a altos níveis de açúcar no sangue. As pessoas podem ter constipação grave, ataques frequentes de diarreia ou ambos. O açúcar no sangue descontrolado pode levar à gastroparesia, uma condição em que o alimento no estômago se move lentamente para o intestino delgado ou para de se mover completamente.

Principais causas

A alimentação pode fazer com que você tenha glicemia alta, especialmente se você tem diabetes. Alimentos ricos em carboidratos como pães, arroz e macarrão, podem aumentar o açúcar no sangue, mas a hiperglicemia também pode ser desencadeada por uma alteração nos seus níveis hormonais.

Isso geralmente acontece quando você está sob muito estresse ou quando está se sentindo mal. Abaixo outros fatores de risco que podem aumentar a glicemia.

  • Estilo de vida sedentário ou inativo.
  • Doença crônica ou grave.
  • Estresse emocional.
  • Usar certos medicamentos, como esteroides.
  • Cirurgia recente.

Se você tem diabetes, seus níveis de açúcar no sangue podem aumentar se você:

  • Não segue o plano alimentar para gerenciar a doença.
  • Não use a insulina corretamente.
  • Não toma os medicamentos corretamente.

Diagnóstico

Como vimos, a glicemia alta não acontece apenas com diabéticos. Isso significa que se você começar a sentir sintomas da glicemia alta, deve procurar um médico, mas você também deve considerar estas questões:

  1. Sua dieta mudou?
  2. Você está bebendo água suficiente?
  3. Está sob muito estresse?
  4. Fez alguma cirurgia recentemente?
  5. Se envolveu em algum acidente?

Você deve discutir com o médico todas essas situações e também compartilhar seu histórico familiar e a partir daí um breve exame físico será feito. O seu médico também irá discutir o seu nível de açúcar no sangue.

Valores

  • Se você tem 59 anos ou menos, um nível seguro de açúcar no sangue é geralmente entre 80 e 120 miligramas por decilitro (mg/dL). Este também é o intervalo projetado para pessoas que não têm condições médicas subjacentes.
  • Pessoas com 60 anos ou mais e aquelas que têm outras condições ou preocupações médicas podem ter níveis entre 100 e 140 mg/dL.

Seu médico pode realizar um teste de A1C para determinar o nível médio de açúcar no sangue nos últimos meses. Isso é feito medindo a quantidade de açúcar no sangue ligada à hemoglobina da proteína portadora de oxigênio nos glóbulos vermelhos.

Dependendo dos resultados, o médico pode recomendar a monitorização diária dos níveis de açúcar no sangue. Isso é feito com um medidor.

O que fazer?

O que fazer quando existe um quadro de glicemia alta? A resposta está relacionada à gravidade da condição, pois o tratamento para diabetes e glicemia alta pode variar substancialmente. N

a verdade, as pessoas que foram diagnosticadas com diabetes tipo 1 e precisam de suprimentos de insulina no corpo podem precisar se injetar com esse hormônio diariamente. Além disso, nos tipos 1 e 2 as pessoas são direcionadas a seguir uma dieta saudável.

Já as pessoas que apresentam hiperglicemia ocasional não relacionada à diabetes devem aumentar a atividade física e limitar a ingestão de carboidratos simples. A hiperglicemia que não é causada pela diabetes requer atenção imediata à medicação.

Pessoas que desenvolvem sintomas da glicemia alta como resultado de doença crônica, infecção ou estresse provavelmente serão submetidas a testes extensivos para identificar um diagnóstico preciso. O tratamento com medicamentos prescritos, como antibióticos, pode ser recomendado para hiperglicemia como resultado de infecção. Já aquela que é proveniente de doença crônica, como artrite reumatóide, lúpus ou doença renal, também pode exigir tratamento com medicamentos prescritos.

Além do tratamento médico, uma dieta saudável pode ajudar a normalizar os níveis de açúcar no sangue e diminuir o risco de complicações.

Dieta para glicemia alta

Se existe uma predisposição para glicemia alta, os alimentos saudáveis ​​e os hábitos alimentares podem ajudar a manter os níveis de açúcar, peso, pressão sanguínea e colesterol no sangue normais, o que reduz o risco de diabetes. Mas se você já tem diabetes, esse estilo de vida pode ajudar a prevenir complicações, como infecções da pele, problemas nos olhos e danos nos nervos.

Embora não haja uma dieta específica para a hiperglicemia, um estilo de vida apropriado enfatiza uma variedade de alimentos saudáveis ​​consumidos em porções e combinações que melhoram a glicose alterada no sangue.

Uma ferramenta dietética favorável à diabetes, como o índice glicêmico ou a contagem de carboidratos, também pode ajudar.

– Carga glicêmica

Manter uma dieta baseada na carga glicêmica dos alimentos significa conhecer e medir os impactos dos alimentos contendo carboidratos no açúcar no sangue. Por exemplo, os alimentos com alto índice glicêmico, como açúcar, suco de frutas e farinha branca, fazem com que o açúcar no sangue tenha um pico e exija mais insulina para equilibrar, sendo assim, optar por alimentos com baixo índice glicêmico, como grãos integrais, nozes e legumes, evitará que essa alteração repentina aconteça e cause problemas.

Felizmente, muitas fontes de baixo índice glicêmico de carboidratos são ricas em fibras, o que promove o controle do apetite.

– Prato balanceado

Esse método tem o objetivo de manter o açúcar no sangue controlado, cuidando do equilíbrio e tamanho das suas porções. Aplicar o método é simples, basta ocupar pelo menos metade do seu prato com vegetais sem amido, como feijão verde, couve, couve-flor e aspargos.

A outra metade do prato deve conter um alimento rico em amido e uma fonte de proteína magra. Escolha principalmente fontes de carboidratos complexos para o seu amido, como uma batata-doce assada, massas de trigo integral ou arroz. Para o café da manhã, coma legumes cozidos no vapor, por exemplo, com um ovo mexido e uma fatia de torrada integral.

– Contagem de carboidratos

Contar os carboidratos possibilita o gerenciamento da glicemia alta. A quantidade exata de carboidratos que você precisa é muito individual, então um médico ou nutricionista pode ajudar a calcular suas necessidades diárias. Se não tiver certeza, comece com 45 a 60 gramas em cada refeição, esforçando-se para monitorar seu nível de açúcar no sangue e como se sente depois, aumentando ou diminuindo sua ingestão conforme necessário.

E não se esqueça de equilibrar suas escolhas de carboidratos com proteína e gordura, que são partes cruciais de uma dieta saudável.

A glicemia alta ou hiperglicemia ocorre quando o corpo está com pouco do hormônio insulina ou não consegue usar adequadamente. Se essa for uma condição frequente, o alto teor de açúcar no sangue pode significar que você tem diabetes. Além do tratamento médico, uma dieta saudável pode ajudar a normalizar os níveis de açúcar no sangue e diminuir o risco de complicações. Procure sempre a orientação do seu médico ou nutricionista.

Referências adicionais:

Você já percebeu e foi diagnosticado com sintomas da glicemia alta? Possui algum tipo de diabetes? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (6 votos, média: 3,33 de 5)
Loading...

5 comentários em “10 Sintomas da Glicemia Alta – Valores e O Que Fazer”

  1. Fui ao médico diz glicose Está alta fiquei muito preocupada mais repetir quando fazer três mês se allta ele diz diabete

  2. Ontem fui ao hospital e por curiosidade pedi pra medir minha glicose e deu 306 o médico disse que eu não precisava me cuidar estava normal

Deixe um comentário