Inhame Dá Gases?

Especialista:
atualizado em 09/06/2020

Entenda se comer inhame dá gases ou se esse não é um dos alimentos conhecidos por provocar flatulências em quem os consome.

Utilizado com frequência nas regiões Sudeste e Nordeste do Brasil, o inhame é um tubérculo que serve como base da alimentação de outros países das Américas, da África e da Ásia.

Conhecido como uma boa fonte de carboidratos para a dieta, o alimento é composto ainda por outros nutrientes importantes para o organismo.

Por exemplo, uma porção de 100 g de inhame cozido ou assado contém vitamina B6, fibras, ferro, potássio, magnésio, manganês, fósforo, cobre, vitamina A, vitamina B1, vitamina B2, vitamina B3, vitamina B5, vitamina C.

É por isso que existem tantos benefícios do inhame para saúde e boa forma. Mas será que um alimento tão nutritivo assim pode nos deixar mais flatulentos do que o normal, ou seja, está entre os alimentos que provocam gases?

Você já ouviu falar que o inhame dá gases?

O inhame, ao lado de outros legumes cozidos como a abóbora, a abobrinha, a batata, a berinjela, o cará, a cenoura, o chuchu, o cogumelo, a mandioquinha e o tomate sem pele e sem semente, está dentro do grupo de alimentos associados a uma menor produção de gases.

Inclusive, conforme informações encontradas, o inhame é considerado ainda como um dos alimentos que contribuem bastante com o restabelecimento do sistema digestivo, assim como a couve.

Além disso, o inhame faz parte do grupo de legumes e verduras classificados como carboidratos indicados para combater o inchaço. Outros integrantes dessa mesma categoria incluem: o pepino, a cenoura, a berinjela, a batata, a alface, o tomate e a abobrinha.

Por outro lado

Não é todo mundo que concorda que é um equívoco afirmar que o inhame dá gases. Uma mostra disso é que uma matéria apresentou os tubérculos como o inhame e a batata doce como exemplos dos alimentos que mais provocam flatulência exagerada.

De acordo com a publicação, os tubérculos e outras categorias de comidas e bebidas como os produtos laticínios, alguns cereais e determinados legumes não são completamente digeridos pelo estômago.

Com isso, eles sofreriam a ação das bactérias no intestino, que tem como consequência a produção dos gases, segundo a matéria.

Mas como saber se o inhame dá gases ou não para mim?

Esse é um questionamento que pode ser um tanto quanto complicado de responder, pelo menos na teoria. Isso porque o alimento que provoca gases em uma pessoa pode não deixar outro indivíduo flatulento.

O documento “Dicas úteis para controlar os gases” da Universidade de Michigan, dos Estados Unidos, também ressalta que cada pessoa tolera os alimentos de maneira diferente da outra e que algumas comidas que são as principais produtoras de gases para alguns indivíduos podem provocar apenas uma quantidade normal de gases em outras pessoas.

A sugestão que podemos e devemos deixar aqui é que, antes de excluir um alimento saudável como o inhame das refeições, por acreditar que ele está causando uma maior flatulência, é importante consultar o médico ou nutricionista para saber se esse corte realmente precisa ser feito e encontrar outra comida saudável para substituir nutricionalmente o alimento em questão, de modo que você não deixe de fornecer ao seu organismo os nutrientes encontrados no item.

Não podemos jogar a culpa somente na alimentação

Mais do que saber se o inhame dá gases, é importante conhecer quais outros fatores – não apenas aquilo que comemos e bebemos durante as nossas refeições – podem interferir na produção de gases no organismo.

O PhD e professor clínico associado de nutrição da Universidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, Charles Mueller explicou que os gases que soltamos não são produzidos somente pelos alimentos que consumimos, mas também pelo ar que engolimos, que acaba passando pelo trato gastrointestinal.

No mesmo sentido, o gastroenterologista, professor clínico associado de medicina da Universidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, e PhD David Poppers esclareceu que os gases são uma combinação entre dois fatores: o ar que engolimos, ao comer rápido demais, e o alimento que consumimos.

A nutricionista Abby Langer explicou ainda que doenças gastrointestinais sérias também podem ser a principal causa dos gases. Eles ainda podem estar relacionados ao uso de alguns medicamentos e a problemas na flora intestinal, completou a especialista.

“Para aqueles que não têm um problema de fundo (para provocar os gases, como as doenças gastrointestinais), a quantidade de gases que nós temos está diretamente relacionada com a quantia de alimento e/ou ar não digerido no nosso cólon. Se estamos comendo coisas que o nosso corpo não está decompondo, nós vamos ter gases”, completou Langer.

Ainda que seja constrangedora, a flatulência é uma função normal do corpo, completou o PhD Charles Mueller. Ele alertou ainda que devemos nos preocupar mais quando não estivermos soltando gases do que quando a flatulência aparecer.

Mueller orientou também a procurar o auxílio médico quando ocorrerem mudanças nos hábitos intestinais que não se resolvem sozinhas como cólicas, inchaço, prisão de ventre, diarreia, não ter flatulência alguma ou o aparecimento de muitos gases.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já percebeu que inhame dá gases em você? Consome com frequência esse tubérculo? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dr. Marcos Marinho

Dr. Marcos Marinho formou-se em Medicina pela Universidade do Grande Rio (Unigranrio) e é pós-graduado em Gastroenterologia pelo IPEMED. Realizou cursos de ultrassonografia geral e intervencionista pela Unisom, ultrassonografia musculoesquelética e Doppler pelo CETRUS. Atualmente, é pós-graduando de Endoscopia Digestiva pela Faculdade Suprema de Juiz de Fora-MG. No momento, atua em vários municípios do estado do Rio de Janeiro como na capital, Niterói, Magé e Araruama. Dr. Marcos Marinho tem experiência em setores variados de sua especialização e continua em constante aprendizado e evolução para ser uma referência da área. Para mais informações, entre em contato através de seu Instagram oficial @drmarcosmarinho

Deixe um comentário