Polivitamínicos – Benefícios, Qual Comprar, Qual é Melhor e Dicas

Especialista:
atualizado em 19/02/2020

Polivitamínicos são suplementos alimentares que, como o nome sugere, reúnem um apanhado de vitaminas com o objetivo de suprir a falta de vitaminas que não são possíveis de se conseguir apenas através da alimentação. Você descobrirá a seguir os benefícios de utilizar os polivitamínicos e os riscos da hipervitaminose, qual o melhor suplemento comprar, qual o preço e como tomá-los para ter os melhores resultados.

Em um mundo onde a correria impera e os restaurantes fast-food surgem praticamente a cada esquina, não é difícil encontrar pessoas que não sigam uma alimentação de qualidade e sofram com deficiências nutricionais.

As vitaminas são um grupo de nutrientes fundamentais para o bom funcionamento do nosso organismo. Algumas, como por exemplo as vitaminas do complexo B, tem propriedades associadas ao apetite, porém, partindo do ponto de vista calórico, os polivitamínicos não têm o poder de te engordar. Se você está querendo perder uns quilinhos e está com medo de tomar um polivitamínico, descubra de uma vez por todas se os polivitamínicos engordam ou emagrecem.

Um dos polivitamínicos e poliminerais mais famosos, muito indicado principalmente para mulheres em período gestacional, é o Natele do laboratório Shering. O remédio é de utilização adulta e oral e é encontrado na forma de cápsulas gelatinosas moles em embalagens contendo 14 ou 28 cápsulas. Se você está pensando em tomar esse medicamento, descubra se o Natele engorda ou emagrece.

Já o Vitacon Z, da MCG Lab, promete o complemento das necessidades diárias que o organismo possui em relação a micronutrientes, a contribuição para o equilíbrio físico e mental e o auxílio para recuperar o ânimo e a disposição. Mas antes de tomá-lo, descubra se o Vitacon engorda e como tomá-lo para ter os melhores resultados.

E quando uma pessoa descobre que possui esse tipo de problema, uma alternativa que ela tem para resolvê-lo é recorrer aos polivitamínicos, que podem vir em forma líquida, em comprimidos, em cápsulas ou em pó, e trazem doses de vitaminas e minerais em sua composição e podem completar aquilo que está em falta no corpo.

Embora eles não possam substituir uma alimentação saudável, os polivitamínicos são capazes de suprir as deficiências decorrentes de uma dieta desequilibrada, que exclui grupos alimentares das refeições.

Benefícios dos polivitamínicos

Para funcionar bem, o organismo humano precisa ser abastecido por uma série de vitaminas e minerais. Por exemplo, enquanto o cálcio e a vitamina D são necessárias aos ossos, o ferro é importante para o transporte de oxigênio, a vitamina C possui ação antioxidante, que ajuda a proteger o organismo, e o potássio atua na transmissão de impulsos nervosos, na contração muscular e função cardíaca.

Ou seja, quando o corpo não possui doses adequadas dessas substâncias, certamente não funcionará direito e a pessoa sofrerá com sintomas, e até mesmo doenças, por conta dessa desnutrição. E, enquanto melhorar a alimentação é fundamental para obter resultados positivos a longo prazo em relação ao problema, utilizar polivitamínicos é outra solução benéfica a curto prazo, já que uma dose de produto traz um valor aproximado da quantidade de determinados nutrientes que é necessária por dia.

Assim, o principal benefício a ser destacado dos polivitamínicos é que eles fornecem de maneira prática e rápida doses dos nutrientes que estão em falta no organismo, contribuindo para a melhoria do funcionamento do corpo e o restabelecimento da saúde, nos casos em que a deficiência nutricional causa problemas sérios.

Qual polivitamínico comprar? Qual é melhor?

Não é possível definir, de maneira geral, qual o melhor polivitamínico. Isso porque cada versão do produto é indicado para um tipo de pessoa, de acordo com sexo, faixa etária e necessidades nutricionais. Mas o que podemos fazer é indicar alguns pontos que devem ser levados em consideração na hora de escolher um complexo de vitaminas e minerais para complementar a alimentação.

O primeiro deles é ler atentamente à embalagem do produto e verificar quais os nutrientes que ele fornece. Assim, você poderá ver se ele tem o que o seu corpo está em falta e poderá descobrir se ele é realmente indicado para você.

Mas como saber que tipo de nutriente está em falta no meu organismo? Só consultando-se com um médico é que é possível ter a resposta. Mesmo que as deficiências nutricionais tragam sintomas, é o médico que dará a certeza de como as coisas andam no seu organismo. Isso também é importante para que você não compre um polivitamínico sem a necessidade e ingira vitaminas em excesso, algo que segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), pode causar ou agravar doenças.

Outro ponto importante é procurar fabricantes bem reconhecidos no mercado e ler atentamente os rótulos dos polivitamínicos para saber se aquele produto é certificado por órgãos de saúde. Ter mais nutrientes por porção não significa que um polivitamínico é melhor do que o outro, pois tudo vai depender das suas necessidades individuais.

O melhor polivitamínico para você é, sem dúvida, aquele que o seu corpo precisa. Nada melhor do que consultar um bom nutricionista antes de qualquer coisa.

A questão da hipervitaminose

A dose certa é um fator indispensável a ser considerado ao procurar um polivitamínico para tomar. Apesar de algumas vitaminas e minerais não causarem problemas em doses altas, outras substâncias podem ser prejudiciais se consumidas em excesso.

Geralmente, as vitaminas solúveis em água não causam problemas em excesso já que o que o corpo não usa pode ser facilmente eliminado através da urina. Porém, o cenário muda para as vitaminas solúveis em gordura (ou lipossolúveis). Essas vitaminas são difíceis para o corpo eliminar e quantidades maiores do que você precisa pode resultar no acúmulo dessas substâncias. As vitaminas lipossolúveis como a vitamina K e E não costumam causar problemas, mas o acúmulo de vitaminas como a A e a D podem ser tóxicas em quantidades muito altas.

Assim, o uso inadequado de polivitamínicos pode trazer muitos problemas e um deles é a hipervitaminose, o envenenamento por vitaminas (que é mais grave nos casos das vitaminas A e D), e traz como sintomas iniciais a pele seca, rachadura nos lábios, queda parcial das sobrancelhas e a diminuição e aspereza dos cabelos. A doença surge na maioria dos casos em decorrência do uso de determinados polivitamínicos e dificilmente por conta da alimentação.

Segundo uma publicação de 2011 do Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, a toxicidade causada pela vitamina D é mais rara, mas pode acontecer. Já de acordo com um estudo publicado no American Journal of Clinical Nutrition em 2006, a toxicidade relacionada ao consumo exagerado de vitamina A é mais comum. Mulheres grávidas, por exemplo, precisam ser orientadas quanto à ingestão de vitamina A já que quantidades excessivas podem causar defeitos congênitos no feto.

Minerais em altas doses também podem ser prejudiciais. Há relatos de envenenamento por ferro em uma publicação de 2011 da revista científica Pediatric Emergency Care. Embora o ferro seja um mineral essencial para o transporte de oxigênio e nutrientes, o excesso dele pode ser perigoso para quem já tem níveis adequados do nutriente no corpo.

Pelo mesmo motivo é importante tomar cuidado os suplementos vitamínicos que trazem doses de nutrientes maiores do que 100% da ingestão diária recomendada (IDR) dessas substâncias, que ao serem acumuladas exageradamente no organismo, podem se tornar tóxicas. Hoje em dia, muitos estudos buscar mostrar que a IDR é baixa demais em alguns casos e a pessoa deve sim suplementar muito além desses valores, como por exemplo a vitamina D para pessoas que não costumam pegar sol. Mas é preciso avaliar cada nutriente para não exagerar na vitamina ou mineral toxico em níveis muitos altos.

Assim, se a sua dieta já é bem equilibrada e rica em nutrientes, é bem provável que você já esteja obtendo os nutrientes necessários para o seu corpo e se houver alguma deficiência nutricional, ela poderá ser facilmente resolvida com o uso de um suplemento vitamínico específico para corrigir deficiências individuais. Não hesite em fazer exames para averiguar se há realmente necessidade de tomar um polivitamínico. 

Se a deficiência em diversos nutrientes for constatada, verifique também se o produto contém todos os nutrientes básicos que compõe um polivitamínico: vitamina C, vitamina B1, vitamina B2, vitamina B3, vitamina B6, ácido fólico, vitamina B12, vitamina B5, biotina, vitamina A, vitamina D2 ou D3, vitamina K, potássio, selênio, iodo, zinco, borato, molibdênio, betacaroteno e ferro.

Qual comprar – Escolha um polivitamínico que se adeque às suas características

Outro aspecto importante é levar em conta qual complexo de vitaminas e minerais se encaixa no seu caso específico. Se você é uma mulher de 25 anos, deve procurar um produto com uma fórmula específica para o seu sexo e idade. Já se você for um homem com mais de 50, deve levar para casa outro tipo de polivitamínico que atenda suas necessidades, que são diferentes de uma mulher mais nova, por exemplo.

A maioria dos polivitamínicos oferecem nutrientes essenciais em valores muito próximos ao valor diário (VD), dose diária recomendada (DDR) ou ingestão adequada (IA) para assegurar que a população geral se beneficie do produto. Mas é possível encontrar opções mais personalizadas.

Há polivitamínicos, por exemplo, que oferecem cálcio e vitamina D extra para pessoas mais velhas ou uma maior quantidade de vitaminas do complexo B cuja absorção diminuir com a idade. Atletas ou pessoas que estão tentando perder peso também podem achar versões de polivitamínicos mais adequadas as suas necessidades individuais.

Uma publicação da revista Nutrition Reviews de 2013 indica que os adeptos a uma dieta vegetariana podem estar mais propensos a deficiências nutricionais como a vitamina B12 além de ferro e cálcio. Assim, já existe no mercado polivitamínicos voltados para o público vegano e vegetariano. Mas vale lembrar que pessoas não veganas ou não vegetarianas que se alimentam mal também estão em risco de sofrer com a falta de nutrientes e, por isso, a qualidade dos alimentos (independentemente da fonte) que você consome diariamente é um fator crucial para a sua nutrição.

Composição

Não existe um padrão bem estabelecido para a fabricação de um polivitamínico e por esse motivo a composição de nutrientes pode variar muito dependendo da marca do produto. A maioria dos fabricantes traze cerca de 13 vitaminas e ao menos 16 minerais essenciais para uma boa saúde em sua composição, mas isso não é uma regra e é possível encontrar outros tipos de multivitaminas.

Também há polivitamínicos que oferecem outros ingredientes como ervas, aminoácidos e ácidos graxos.

Há ainda a questão dos polivitamínicos feitos à base de alimentos integrais e aqueles que são sintéticos, ou seja, foram produzidos em laboratório e trazem substâncias químicas em sua composição. A crítica que se faz aos sintéticos é que eles podem ser menos eficientes no organismo do que os produtos obtidos com os alimentos integrais.

Qual comprar – Preço

É claro que o preço sempre acaba sendo levado em consideração, e é bom saber que pagar mais caro por um produto que promete maravilhas que vão muito além do fornecimento de vitaminas e minerais pode ser uma furada. Isso porque, em relação a outros benefícios, apenas um estudo associou o uso desses suplementos com uma redução de 8% na incidência de câncer em homens, enquanto outras pesquisas não identificaram tal efeito e, em alguns casos, identificaram que eles podem elevar o risco de câncer.

Já no que se refere à melhoria do desempenho físico, um experimento científico não detectou nenhum avanço na performance de corredores três meses após o uso de polivitamínicos e um estudo do ano de 2006 acerca de um suplemento vitamínico líquido não observou nenhum efeito causado pelo produto sobre o desempenho de pessoas que seguiam uma dieta de qualidade em exercícios rápidos e de alta intensidade (anaeróbicos), como musculação.

Por outro lado, comprar um produto de baixa qualidade, simplesmente porque seu preço é baixo pode não dar o resultado que você espera dos polivitamínicos. O ideal é encontrar um equilíbrio, entre um produto que traga os nutrientes que você precisa, mas não coloque o valor nas alturas.

Por fim, para ter segurança total em relação ao polivitamínico escolhido, é fundamental perguntar ao médico qual é o melhor para o seu caso e consultá-lo ainda em relação à dosagem necessária e duração do tratamento.

Como tomar

Para melhorar a absorção, a orientação é ingerir uma dose do polivitamínico durante uma refeição. Nos casos em que o usuário consumir mais de uma porção do produto por dia, o ideal é tomar cada uma das doses em horários diferentes.

Como o nosso organismo não absorve todos os nutrientes de uma vez, é mais eficiente tomar duas ou três doses ao longo do dia do que tomar uma dose única. 

Outra recomendação interessante é tomar o polivitamínico junto de uma refeição que não contenha muitas fibras, pois o excesso delas pode prejudicar a absorção dos nutrientes. A presença de gorduras saudáveis nas refeições principais também é importante para facilitar a absorção de vitaminas lipossolúveis como a vitamina A, a vitamina D, a vitamina K e a vitamina E.

Quanto à dose, não há uma recomendação genérica. É preciso avaliar as suas necessidades nutricionais e encontrar o melhor polivitamínico para o seu caso. Para isso, conte com o apoio de exames e de um bom nutricionista para te orientar.

Vídeo:

Gostou das dicas?

Fontes e Referências Adicionais:

  1. Should You Take A Multivitamin? Benefits & Side Effects”.
  2. Harvard – School of Public Health. “Vitamins”.
  3. A Calorie Counter. “Multivitamins – Benefits, Side Effects & The Best Multivitamin Brand”.
  4. Vitamin pills have ‘limited benefit’, say researchers”.
  5. Fry, Andrew C., et al. “Effect of a liquid multivitamin/mineral supplement on anaerobic exercise performance.” Research in Sports Medicine 14.1 (2006): 53-64.
  6. Huang, Han-Yao, et al. “The efficacy and safety of multivitamin and mineral supplement use to prevent cancer and chronic disease in adults: a systematic review for a National Institutes of Health state-of-the-science conference.” Annals of internal medicine 145.5 (2006): 372-385.
  7. Blot, William J., et al. “Nutrition intervention trials in Linxian, China: supplementation with specific vitamin/mineral combinations, cancer incidence, and disease-specific mortality in the general population.” Journal of the National Cancer Institute 85.18 (1993): 1483-1491.
  8. Omenn, Gilbert S., et al. “Effects of a combination of beta carotene and vitamin A on lung cancer and cardiovascular disease.” New England journal of medicine 334.18 (1996): 1150-1155.
  9. Lappe, Joan M., et al. “Vitamin D and calcium supplementation reduces cancer risk: results of a randomized trial.” The American journal of clinical nutrition 85.6 (2007): 1586-1591.

Você já tomou polivitamínicos para alguma funcionalidade? Qual era seu objetivo? Reparou os benefícios em seu organismo? Comente abaixo.

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (189 votos, média: 3,82 de 5)
Loading...
Sobre Julio Bittar e Dra. Patricia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário

8 comentários em “Polivitamínicos – Benefícios, Qual Comprar, Qual é Melhor e Dicas”

  1. Um polivitaminico que utilizei por recomendação médica, que foi excelente e recomendo.. Stresstabs zinco..me auxiliou a sair de uma crise de estafa..e depressão..TB já indiquei para outras pessoas que gostaram do resultado…

    • Muito bom. Estou usando. Me sinto melhor. Ele serve para quem precisa se recuperar bem, até em pós cirúrgico. Eu estou usando pq andava cansada, estressada, com bebê novo, cobranças de trabalho etc. Me sinto melhor desde o início do uso.

  2. Tenho 50 anos e sempre que tentei usar Centrum, após algumas semanas começo a ter enjoos! Creio que algo em sua fórmula me causa alguma intoxicação. Outros polivitamínicos não me causam esse sintoma. Conversei com algumas pessoas e todas acusaram essa mesma reação ao Centrum, após algumas semanas consecutivas. Ainda não descobri o motivo disso.

  3. TENHO 75 ANOS DE IDADE, ESTOU EM FASE DE RECUPERAÇÃO DE UM AVC ISQUÊMICO , QUE ATINGIU O EQUILÍBRIO E FALA, DEIXANDO PEQUENAS SEQUELAS, LOGO APÓS FUI SUBMETIDO A UMA CIRURGIA PARA CORREÇÃO DE QUATRO ANEURISMAS NA AORTA, PRECISAMENTE NA BIFURCAÇÃO PARA AS ARTÉRIAS FEMURAIS E NECESSITO DE COMPLEMENTO VITAMÍNICO PARA ACELERAR A MINHA TOTAL RECUPERAÇÃO.

  4. Tomo Polivitamínicos a 22 anos eu munha esposa saudê perfeita tenho 61 anos espora 60 anos todos anos fazemos uma bateria pesada de exames sendo coração, sangue,ultrassom abdominal nenhuma anormalidade .