Por Que Comer Muito Chocolate Faz Mal à Saúde?

Especialista:
atualizado em 23/12/2019

O cacau era tão valioso quanto o ouro na civilização Asteca, sendo utilizado como moeda para o pagamento de impostos. Dentre as elites Maias, também era considerado um item de luxo. Hoje em dia, os amantes do chocolate são muitos, mas há uma tendência que acredita que comer muito chocolate faz mal à saúde, passando por cima dos seus benefícios.

O bom do chocolate

“O sabor do chocolate é um prazer sensual em si, que se equipara ao prazer sexual”, diz a terapeuta Dra. Ruth Westheimer.

Na presença de chocolate, o cérebro libera hormônios e ativa neurotransmissores, como a dopamina e as endorfinas, responsáveis pela sensação de satisfação. O cérebro reage ao chocolate com a mesma intensidade que o remédio Ritalina, segundo um estudo. A serotonina, neurotransmissor que é chamado de “química da felicidade”, combina-se com o triptofano, aminoácido que o chocolate contém, e juntos estes induzem o sono.

O chocolate preto é considerado um dos alimento mais ricos em antioxidantes, segundo o cardiologista Dr. Lair Ribeiro, e outras pesquisas também confirmam essa teoria. Através dos antioxidantes, a resposta aos processos inflamatórios melhora. Outro estudo revela que o chocolate preto, com 70% de cacau, aumenta o HDL, colesterol “bom”, que por sua vez, combate o LDL, colesterol “mau”.

Também contém fitonutrientes que aumentam a atividade cerebral, reduzem o risco de doenças cardiovasculares, diabetes, derrames e coagulação do sangue. Além disso, melhoram a aparência da pele, baixam a pressão arterial e aumentam a saciedade.

Dentre os antioxidantes do chocolate preto, estão os flavonoides, que auxiliam na velocidade do metabolismo da glicose, interferem de forma positiva na pressão arterial e sistema cardiovascular.

O problema com o chocolate não é ele em si, mas a mistura com leite, açúcar, e por mais inacreditável que pareça, a presença de algumas gorduras trans, em determinados marcas.

Como é feito o chocolate

O fruto do cacau é bastante amargo. Para dar um sabor mais suave, as sementes passam por um processo de fermentação, secagem, e limpeza. Depois, são tostadas para a remoção da casca. O cacau moído é o chocolate puro em forma de pasta, para depois se transformar em licor de cacau. Esse licor também passa por um processamento, de onde se obtém os sólidos do cacau, que são comprimidos para formar o cacau em pó e a manteiga de cacau. A partir dessa matéria prima é que se produzem os chocolates industrializados.

Tipos de Chocolate

Ao cacau em pó e à manteiga de cacau, adicionam-se leite e açúcar. A única parte do cacau que contém flavonoides, são essas, os sólidos do cacau. O chocolate ao leite contém poucas quantidades destes.

– Chocolate preto (amargo)

Contém de duas a quatro vezes mais flavonoides do que o chocolate ao leite. Também composto por sólidos de cacau, um pouco de manteiga de cacau e açúcar. Deve conter pelo menos 35% de licor de chocolate, mais de 60% de sólidos de cacau, e menos de 27% de gordura.

– Chocolate ao leite

Contém mais açúcar do que o chocolate preto, com adição de leite em pó ou leite condensado. É o mais comum dos chocolates. O leite se liga aos antioxidantes do chocolate, tornando-os indisponíveis para sua utilização pelo organismo.

– Chocolate Branco

Não contém sólidos de cacau, apenas manteiga de cacau, açúcar e leite. Obviamente, não possui as propriedades do chocolate preto.

Composição do Chocolate

50% das calorias do chocolate são gorduras, mas mais importante do que a quantidade de gorduras, é o tipo de gorduras que o compõem.

O ácido oléico é um deles, uma gordura monoinsaturada, que ajuda na redução do colesterol. Porém, os óleos parcialmente hidrogenados, ou totalmente hidrogenados, além do óleo de palma, aumentarão os níveis de LDL. Os piores chocolates para a saúde são aqueles cuja composição figuram:

  • Xarope de milho rico em frutose (HFCS, ou high fructose corn syrup);
  • Óleos parcialmente hidrogenados (gorduras TRANS);
  • Colorantes artificiais;
  • Sabores artificiais;
  • Conservantes.

O mal do chocolate

Um artigo publicado no “USA Today” afirma que apesar dos inúmeros benefícios que o chocolate pode trazer para a saúde, comer muito chocolate faz mal à saúde, levando a uma diversidade de outros problemas, apresentados a seguir. Estudiosos comentam que ainda não existem pesquisas suficientes nessa área.

Problemas associados – por que comer muito chocolate faz mal à saúde?

1. Aumento de Peso

A American Heart Association informa que o açúcar no chocolate não possui nenhum valor nutritivo, e dependendo da quantidade que ingerimos, pode ocorrer aumento de peso. Suas calorias a mais ficam estocadas no corpo como gordura e isso leva a outros problemas de saúde.

44 gramas de chocolate ao leite contêm 234 calorias, 13 g de gordura, sendo 8 g de gordura saturada, e 221 g de açúcar!

28 gramas de chocolate preto contêm 156 calorias, 9 g de gordura, 5 g de gordura saturada, e 13 g de açúcar. Note que é uma grande diferença na quantidade de açúcar.

De acordo com o Centers for Disease Control and Prevention, nos Estados Unidos, o peso em excesso pode levar a problemas cardíacos e derrames.

2. Diabetes

A FDA (Food and Drug Administration, dos Estados Unidos) não considera o açúcar um nutriente essencial, por isso não recomenda nenhuma dose diária. No entanto, a American Heart Association, também nos EUA, recomenda 25 g de açúcar por dia para as mulheres, e 37,5 g para os homens. Uma barra de chocolate preto contém 17 g de carboidratos, e de chocolate ao leite, 26 g de carboidratos.

Portanto, uma barra de chocolate pode representar uma quantidade de açúcar maior do que a dose de açúcar recomendada para o dia todo. Por exemplo, quando 10 gramas de açúcar atingem a corrente sanguínea, em apenas 20 minutos ocorre uma elevação da insulina. O fígado tenta compensar formando depósitos de gordura com esse excesso de açúcar, e armazena para consumo futuro.

Há também a possibilidade ocorrer uma resistência à insulina ao longo do tempo. Pesquisadores relatam que “a resistência à insulina é uma condição na qual o corpo produz insulina, mas ela não é utilizada de forma eficiente. Quando a pessoa apresenta resistência à insulina, a glicose se acumula no sangue, ao invés de ser absorvida pelas células, levando à pré-diabetes ou diabetes tipo 2″.

É importante observar que quase todo o açúcar no chocolate provém da frutose do milho, que é considerada muito viciante e prejudicial.

3. Refluxo gastroesofágico

Comer muito chocolate faz mal à saúde também porque provoca o relaxamento do esfíncter esofágico inferior, que faz com que o conteúdo do estômago volte para o esôfago. O resultado é uma sensação de ardência no peito. A recomendação da National Digestive Diseases Information Clearinghouse é evitar chocolate, nesse caso.

4. Resultados da Cafeína

A quantidade de cafeína no chocolate não é tão alta, mas se a somarmos com a de outros alimentos, como chás e refrigerantes, que são consumidos durante o dia, pode chegar a um total excessivo.

Por exemplo, uma barra de chocolate preto da Hershey’s contém 31 mg de cafeína, quase a mesma quantidade de uma lata de Coca Cola. Já é o suficiente para se correr meia maratona. Como sabemos, a cafeína causa problemas no sono, e irritabilidade, e não contém nenhum valor nutritivo. Segundo a Michigan State University, seu consumo deve se limitar de 200 a 300 mg por dia.

A Medline informa que a cafeína estimula o sistema nervoso central, acelera o ritmo cardíaco, produz ansiedade e depressão, inquietação, tremores, náusea e vômitos, ou diarréia, além do aumento da urina e nervosismo. Além da cafeína, o chocolate preto contém teobromina, que é uma substância equivalente.

5. Cáries

O excesso de açúcar pode acarretar também problemas dentários.

6. Outros

O consumo de cafeína em excesso também está associado à perda da densidade óssea e desidratação, conforme relato da Michigan State University.

Além disso, a presença de potássio no chocolate pode desencadear problemas nos rins e em alguns distúrbios gastrointestinais, e até mesmo reações alérgicas. Caso sua dieta contenha uma recomendação para uso de doses pequenas de potássio, como em doenças renais, evite alimentos com mais de 200 mg de cafeína por porção.

O chocolate preto possui uma concentração de potássio maior do que essa. O chocolate ainda é um dos 4 alimentos que desencadeiam a síndrome do intestino irritável. E além da cafeína, há os oxalatos, que podem causar o aparecimento de pedras nos rins.

Por fim, existem relatos de dores de cabeça em determinadas pessoas após o consumo de chocolate.

Precauções

O consumo elevado de cafeína durante a gravidez pode causar parto prematuro, aborto ou baixo peso do recém-nascido, conforme estudos. A cafeína do chocolate preto atravessa a placenta, e concentra-se no sangue do feto. Menos de 200 mg de cafeína por dia é a recomendação no período da gestação.

Durante a amamentação, a criança pode apresentar irritabilidade ou evacuação frequente, se a mãe consumir muito chocolate. O leite materno também possui cafeína, que corresponde à metade da cafeína no sangue da mãe.

Dicas

  • Uma xícara de chocolate quente, por exemplo, contém 10 mg de cafeína.
  • A quantidade exata de chocolate por dia, segundo pesquisadores, é 6,7 gramas por dia. Essas gramas equivalem a um quadradinho da barra de chocolate, que se recomenda que seja consumido duas ou três vezes por semana.
  • Consuma apenas chocolate preto com, no mínimo, 70% de cacau.
  • Verifique se o chocolate contém gorduras hidrogenadas, que são as gorduras trans. Evite-as.
  • Procure chocolates que tenham preservado os bioflavonoides.
  • Sugere-se que seja consumido na forma de sobremesa junto com alguma fruta, para evitar o excesso.
  • Alice Lichtenstein, professora da Tufts University, recomenda evitar outros alimentos que contenham açúcar quando consumir chocolate. Ela recomenda também que caminhe 30 minutos a mais, para compensar as calorias ingeridas.

O chocolate amargo em pequena quantidade ao dia pode ser benefício a saúde. Mas optar por outros tipo e comer muito chocolate faz mal à saúde, podendo trazer diversos problemas. Tenha cuidado e consuma comm moderação.

Você já imaginava que comer muito chocolate faz mal à saúde? Tem esse vício pelo chocolate? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (6 votos, média: 4,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário