Tucupi Engorda? Faz Mal? O Que é, Como Fazer e Receitas Light

Especialista:
atualizado em 27/12/2019

Antes de analisarmos se o tucupi engorda, vamos entender melhor o que é esse produto e como ele é obtido? Pois bem, o tucupi é um produto típico da culinária da região Norte do nosso país, que aparece na tradicional receita de pato com tucupi, um prato famoso do estado do Pará.

Trata-se de um líquido de coloração amarela forte, que é extraído da mandioca quando ela é processada. Depois que a mandioca é descascada, ralada e espremida, o caldo obtido é utilizado na produção do tucupi e a parte sólida é reservada para a preparação de uma farinha.

Como a mandioca usada para obter o tucupi é a da espécie brava, considerada venenosa, esse caldo extraído do vegetal é fervido durante horas para que a substância venenosa do alimento seja removida por completo.

O tucupi engorda?

Agora que já sabemos o que é esse ingrediente, podemos procurar entender se o tucupi engorda ou não. Um ponto importante para essa essa análise é conhecer a quantidade de calorias que esse prato pode apresentar.

Pois bem, de acordo com informações dos portais que disponibilizam dados nutricionais a respeito de diversas comidas e bebidas, uma porção de 100 g de tucupi apresenta 29 calorias.

Um valor bem baixo, não é mesmo? Entretanto, antes de batermos o martelo e concluirmos que o tucupi é inofensivo para quem deseja emagrecer ou, pelo menos, não engordar, precisamos lembrar que o ingrediente não costuma ser consumido sozinho – ele serve de base ou acompanhamento para outros pratos.

E dependendo dos alimentos que acompanharem o tucupi e do modo de preparo desses pratos, ele pode estimular ou não o aumento do peso corporal. Por exemplo, uma receita em que o ingrediente aparece é o famoso pato com tucupi.

Conforme encontramos, o pato com tucupi pode conter 660 calorias. Segundo um portal que disponibiliza dados nutricionais de uma série de alimentos, 100 g de carne de pato no tucupi possuem aproximadamente 301 calorias, enquanto um pedaço grande do alimento carrega cerca de 451 calorias.

Um teor calórico que não é exatamente baixo. Isso quer dizer então que pato no tucupi engorda? Bem, para manter o peso ideal ou emagrecer, quem aprecia o prato precisa consumir porções bastante moderadas para não consumir calorias em excesso.

Entretanto, o tacacá – outra receita à base do tucupi – é considerada mais amiga da boa forma. A nutricionista e professora de nutrição da Universidade Federal do Pará (UFPA), Vanessa Lourenço Costa, avaliou o tacacá como um alimento light, nutritivo, saudável e completo.

Segundo Vanessa, uma cuia de tacacá contém aproximadamente 150 calorias – bem menos do que o pato no tucupi – e traz nutrientes que uma refeição completa necessita como as proteínas do camarão, os carboidratos do tucupi e da goma de tapioca e as fibras da folha de jambu.

Ou seja, com base nesses números, o tacacá é um prato com tucupi mais favorável ao combate do aumento de peso do que o pato no tucupi.

Mas isso não significa que podemos abusar do consumo do tacacá, já que uma ingestão excessiva resultaria em um fornecimento de calorias extras ao corpo.

Também precisamos registrar que não submetemos o tucupi, o pato no tucupi ou o tacacá a análises para conferirmos os seus valores calóricos – simplesmente reproduzimos as informações das fontes mencionadas acima.

As calorias desses alimentos podem variar conforme o seu modo de preparo. Portanto, os teores calóricos apresentados servem apenas como uma estimativa.

Mais importante do que saber se o tucupi engorda

É ter em mente que nenhum ingrediente ou prato promove o aumento ou a diminuição do peso por si só. É todo o contexto de uma dieta que influencia fortemente a forma física de uma pessoa.

Portanto, para quem deseja emagrecer ou evitar engordar, além de saber usar o tucupi com sabedoria, é necessário cuidar para que toda a alimentação seja saudável, controlada, equilibrada e nutritiva.

Para quem tem dificuldades em seguir esse tipo de dieta, vale a pena procurar o auxílio de um bom nutricionista, que é qualificado para indicar um regime alimentar que funcione em relação aos objetivos, ao mesmo tempo em que fornece os nutrientes e a energia que o organismo exige para funcionar apropriadamente.

Além disso, o profissional pode ensinar como utilizar o tucupi e os pratos à base do ingrediente sem prejudicar a dieta, levando em consideração as particularidades e preferências do seu paciente.

O tucupi faz mal?

O tucupi pode fazer mal caso ele tenha sido extraído da mandioca brava e a substância venenosa dessa mandioca não tenha sido eliminada por completo durante o seu processo de produção. Essa substância é chamada de ácido cianídrico.

O coordenador da equipe de nutrologia da unidade Anália Franco do Hospital e Maternidade São Luiz de São Paulo, Andrea Bottoni, alertou que a mandioca brava possui uma quantidade significativa desse ácido e que se ela não for bem cozida ou for consumida crua pode provocar uma intoxicação.

Já as espécies de mandioca mais populares no Brasil, como o aipim e a macaxeira, possuem uma concentração insignificante do ácido cianídrico, apontou Bottoni.

Por sua vez, uma reportagem informou que a mandioca brava não pode ser consumida frita ou cozida, justamente pelo seu teor elevado de ácido cianídrico. Já o cozimento do vegetal em altas temperaturas acaba com o efeito venenoso da substância, explicou a publicação.

Se a mandioca brava com ácido cianídrico for consumida, a pessoa pode sofrer com uma série de efeitos como cansaço, falta de ar, fraqueza, taquicardia, agitação, confusão mental, convulsão, coma e até a morte.

Pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Amazônia Oriental, do Pará, desenvolveram diretrizes básicas para a produção de um tucupi seguro para o consumo humano.

Uma das pesquisadoras envolvidas nesse trabalho, Ana Vânia Carvalho, explicou que o tucupi deve ser fermentado durante 24 horas e cozido por 40 minutos.

Para quem compra o tucupi artesanal já pronto, a pesquisadora recomenda ferver o líquido durante 40 minutos e, depois disso, acrescentar água para completar a redução do cozimento, caso seja necessário.

Como pode ser muito difícil e arriscado produzir o próprio tucupi seguro a partir da mandioca brava, o melhor é nem tentar fazer o tucupi de mandioca brava por conta própria em casa. O jeito, então, é adquirir um tucupi de boa procedência, de produtores que obedeçam a todos os parâmetros de segurança para eliminar o ácido cianídrico do produto final.

Como fazer – Receitas light com tucupi

1. Tucupi adaptado

Como para fazer o tucupi com a mandioca brava é necessário tomar um cuidado extremo para eliminar toda a substância venenosa do alimento, trouxemos uma receita adaptada do tucupi, que é feita com a versão mansa ou de mesa do alimento. Esse tucupi pode servir de base ou acompanhamento para receitas light do seu dia a dia.

Ingredientes:

  • 3 kg de mandioca mansa/de mesa;
  • 2 litros de água;
  • 4 dentes de alho;
  • 2 maços de chicória;
  • Sal a gosto;
  • Pimenta-de-cheiro a gosto.

Modo de preparo:

Descascar, lavar e cortar as mandiocas em pedaços pequenos; Triturar os pedacinhos de mandioca no liquidificador durante alguns minutos. Coar com o auxílio de um pano bem limpo. Deixar o produto obtido descansar durante aproximadamente quatro horas.

Separar a fécula (amido) do líquido e colocar o líquido amarelado adquirido descansar bem tampado ao longo de 12 horas; Depois disso, juntar o caldo com os outros ingredientes em uma panela grande e levar para ferver por 1h30. Então, coar e armazenar o líquido em um vidro com tampa para usar o tucupi posteriormente para acompanhar as suas receitas light.

2. Tacacá

Ingredientes:

  • 2 litros de tucupi;
  • 2 maços de jambu;
  • 500 g de goma de tapioca;
  • 500 g de camarão seco;
  • 1 cebola em pedaços;
  • Cebola a gosto picadinha;
  • 5 pimentas-de-cheiro;
  • 1 maço de chicória;
  • Sal a gosto;
  • 5 dentes de alho;
  • 1 maço de cebolinha picada.

Modo de preparo:

Em uma panela, levar o tucupi para ferver. Após levantar fervura, adicionar a pimenta-de-cheiro, a cebola, a chicória, a cebolinha e o alho.

Enquanto deixa a mistura ferver mais um pouco, encher outra panela com aproximadamente 1 litro de água e levar ao fogo. Derreter a goma de tapioca em um copo com água, jogá-la na panela e mexer sem parar. Em alguns segundos, a mistura vai engrossar e adquirir uma consistência “liguenta”.

Deixar a goma de tapioca descansar, desligar o fogo da primeira panela com o tucupi. Bater uma parte do caldo com todas as verduras, devolver à panela e misturar com a goma de tapioca; Adicionar as folhas de jambu cozidas e servir com o camarão já preparado e a cebola picada.

Você já tinha ouvido falar que tucupi engorda? Já experimentou algum prato típico como pato no tucupi ou tacacá? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (5 votos, média: 4,40 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário