4 erros que os diabéticos cometem frequentemente

Especialista da área:
atualizado em 24/06/2021

A diabetes é uma doença que não é brincadeira. Ao ouvir do médico que tem a condição, é fundamental seguir todo o tratamento que ele indicar. Afinal, a doença pode gerar complicações sérias.

  Continua Depois da Publicidade  

Por exemplo, doenças cardiovasculares, danos nos nervos, danos nos rins, danos nos olhos, danos nos pés, problemas de pele, prejuízo à audição e até doença de Alzheimer.

Entretanto, mesmo quem já está ciente disso tudo e procura se cuidar pode fazer algumas coisas erradas quando se trata de controlar os níveis de açúcar no sangue.

Conheça quatro grandes erros que os diabéticos cometem frequentemente para evitar e/ou aconselhar algum conhecido seu que tenha a doença:

1. Todo carboidrato deve ser evitado por quem tem diabetes ou pré-diabetes?

Grão-de-bico

Muitos acreditam que só vale fazer dieta low carb e que é preciso cortar completamente os carboidratos. Na realidade, o mais importante é ter cuidado com os carboidratos e optar por aqueles que tenham boa qualidade e um menor índice glicêmico.

O índice glicêmico é uma medida que avalia a velocidade na qual os carboidratos são absorvidos no organismo e quão rapidamente aumentam os níveis de açúcar (glicose) no sangue.

A escala do índice glicêmico vai de zero a 100. Para entrar no grupo do baixo índice glicêmico, um alimento deve pontuar menos de 55 na escala. Os que pontuam entre 56 e 69 são de médio índice glicêmico. Já os com 70 ou mais são de alto índice glicêmico.

Enquanto os alimentos com baixo índice glicêmico liberam a glicose de modo lento e constante, os que têm alto índice glicêmico liberam a glicose rapidamente, gerando picos nos níveis de açúcar no sangue. 

Assim, é importante que o alimento com carboidrato presente na dieta do diabético também tenha naturalmente fibras, proteínas e gorduras saudáveis, nutrientes que retardam a absorção desse carboidrato.

A lista de bons exemplos de carboidratos inclui alimentos como: grão-de-bico, lentilha, feijões, ervilha e quinoa, que possuem alguns desses nutrientes.

  Continua Depois da Publicidade  

Assim, a velocidade em que o corpo absorve os carboidratos dessas comidas é mais baixa. Tanto que eles recebem o nome de slow carb (slow = devagar em inglês).

2. Consumir esses carboidratos de melhor qualidade à vontade

Por outro lado, não é porque um carboidrato é de boa qualidade e tem um índice glicêmico baixo que o diabético pode exagerar na quantidade. 

Embora alguns alimentos sejam classificados como carboidratos saudáveis, eles ainda contêm carboidratos, que é o nutriente que mais impacta os níveis de açúcar no sangue. Portanto, é essencial que o paciente tenha controle e moderação ao consumi-los.

Assim, é preciso ficar de olho não apenas na qualidade do carboidrato, mas também em sua quantidade. Para saber quanto dos carboidratos de boa qualidade você pode consumir, consulte seu médico ou nutricionista.

3. Não organizar a alimentação 

Quando o diabético ou pré-diabético não organiza bem a sua alimentação, ele corre o risco de não ter os alimentos corretos à sua disposição na hora em que precisa fazer as suas refeições. 

Assim, o perigo é ficar muitas horas sem comer ou comer bem pouco em um horário, para depois comer demais em outro momento, compensando o período com fome. Isso gera um desequilíbrio muito grande nos níveis de açúcar no sangue.

Portanto, o ideal é dividir as refeições de modo equilibrado ao longo de todo o dia. A orientação é ter no mínimo quatro refeições diárias (café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar), com uma constância de horário e planejar previamente quanto vai comer e o que vai comer, mesmo que faça as refeições na rua.

Tudo isso é importante porque quando a doença está descontrolada, o diabético sente muita fome e fica até irritado, devido a uma questão hormonal. 

  Continua Depois da Publicidade  

Já ao conseguir se organizar para comer alimentos bons nos horários certos e na quantidade certa, a pessoa evita ficar com fome muito rápido e cair na tentação de comer o que lhe faz mal, assim como evita comer demais na próxima refeição, o que aumentaria muito o açúcar no sangue.

Se você tem diabetes ou pré-diabetes, peça a orientação de um nutricionista para te ajudar a organizar as suas refeições de modo que diminua as chances de ter esses problemas.

4. Achar que pode esquecer da dieta porque toma remédio

Tratamento da diabetes

Outro erro é achar que o fato de usar um medicamento para diabetes permite se encher de junk food, guloseimas, industrializados e outras comidas cheias de carboidratos, açúcar e etc.

O remédio prescrito pelo profissional de saúde realmente é parte importante do tratamento, porém, ele não elimina a necessidade de continuar a manter uma boa e saudável dieta para diabetes.

Aliás, tomar o medicamento, não cuidar da alimentação e ver o médico aumentar a dose do remédio não é sinal de que está tudo certo. O ideal é unir o remédio que o profissional de saúde prescreveu com uma alimentação equilibrada e alguma atividade física.

O objetivo deve ser seguir todas as estratégias que o médico indicou para controlar a diabetes sem precisar aumentar a dosagem do medicamento.

Outro grande perigo é aumentar por conta própria a dosagem do medicamento porque quer aproveitar as comidas de algum evento. Ao mesmo tempo, o diabético não pode diminuir a dosagem do remédio por conta própria, por achar que está tudo bem.

Isso jamais pode ser feito, pois apenas o médico que acompanha o paciente e prescreveu o remédio é quem pode trocar a dosagem.

Vídeo

Fique de olho no vídeo a seguir! A nossa nutricionista também fala dos quatro grandes erros que os diabéticos cometem frequentemente:

Fontes e referências adicionais

Mayo Clinic – Diabetes

Você tem diabetes? Tem conseguido manter a doença sob controle? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média 3,00)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é Nutricionista - CRN-RJ 0510146-5. Ela é uma das mais conceituadas profissionais do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário

2 comentários em “4 erros que os diabéticos cometem frequentemente”

  1. Eu sou diabetica uso banha de porco e como carne de porco passo sempre no medico tomo imsilina. Faz mais de 18anos diabetica mas nao consigo controlar faco academia todos os dias musculacao e faco esteira por 1hora todos os dias mas nao consigo controlar oque faco. Tento fazer dieta mas as condicoes de vida da dificil manter.

    Responder