8 Remédios para Ácido Úrico Alto Mais Usados

Especialista:
atualizado em 11/07/2020

Se você está com complicações de saúde como cálculos renais e gota, você precisará conferir os 8 remédios para ácido úrico alto mais usados. O ácido úrico é uma substância natural no nosso organismo presente em vários alimentos. Porém, em níveis anormais o ácido úrico pode causar muitos problemas.

Você verá a seguir os perigos do ácido úrico no organismo, quais as causas principais, seus sintomas, como funciona o tratamento com os fármacos e quais os principais remédios para ácido úrico disponíveis no mercado.

Sempre que alguém é diagnosticado com níveis elevados de ácido úrico, é orientado a manter uma dieta a fim de reduzir esses números. Os valores de referência são os seguintes:

  • 3,5 a 7,0 mg / dL para homens;
  • 2,5 a 5,7 mg / dL para mulheres.

Caso você já tenha sido diagnosticado, ou seus níveis andam próximos à esses, vai gostar de conhecer o que você deve ou não comer para baixar o ácido úrico.

Independente dos motivos pelos quais os níveis do seu ácido úrico subiram, saiba que existem alguns sucos que podem ajudar a controlá-lo. Provavelmente, é a maneira mais gostosa de cuidar da própria saúde, principalmente nos dias de calor, afinal, quem não gosta de um suco bem geladinho de melancia com água de coco, por exemplo. Conheça as melhores receitas de suco para ácido úrico.

Mas antes de saber o que comer para controlar o ácido úrico e quais as melhores dietas para isso, você precisa conhecer a fundo os maiores vilões do seu problema. Conheça 22 alimentos que aumentam o ácido úrico e que você precisa ficar longe deles caso seus níveis já estejam elevados.

Vamos mostrar os principais remédios para ácido úrico alto e dar algumas dicas naturais para aliviar os sintomas dessa complicação.

Ácido úrico

O excesso de ácido úrico no sangue é conhecido como hiperuricemia. Isso ocorre quando há algum problema no metabolismo do ácido úrico no organismo. Normalmente, o ácido úrico é transportado pelo sangue, passa pelos rins, onde é processado e excretado pela urina. Se não for removido do organismo pela urina, ele é regulado pelo intestino.

Porém, quando o ácido úrico fica alto demais (em concentrações maiores que 7 miligramas por decilitro), podem se formar cristais em compartimentos do organismo. Quando isso acontece nas articulações (principalmente nos dedos dos pés), ocorre a gota.

Uma pesquisa publicada em 2011 no periódico científico Arthritis & Reumatism estimou que mais de 43 milhões de americanos sofrem de hiperuricemia.

De acordo com um estudo epidemiológico publicado em 2015 no American Journal of Managed Care, a hiperuricemia pode afetar qualquer pessoa, mas a condição é mais comum em homens e o risco aumenta com o passar dos anos.

Causas

As causas do ácido úrico alto podem ser as mais diversas. Elas podem ser primárias: quando o aumento dos níveis de ácido úrico é causado por substâncias chamadas purinas; ou secundárias: quando o ácido úrico está elevado por causa de alguma doença ou condição de saúde. Ou simplesmente o corpo produz mais ácido úrico do que é capaz de eliminar.

– Hiperuricemia primária

O ácido úrico é naturalmente formado no corpo durante a digestão de alimentos que contêm purinas. As purinas são compostos que contêm nitrogênio que são feitas dentro das células do corpo ou obtidas através do consumo de alimentos como carnes, cogumelos, peixes, couve-flor, ervilhas verdes, feijões secos e cerveja. Esses compostos são decompostos em ácido úrico e quando os rins não conseguem processar esse ácido e elimina-lo através da urina, podem ocorrer problemas.

Assim, a hiperuricemia primária ocorre quando a sua dieta contém muita purina e o corpo não consegue processar e eliminar o ácido úrico produzido a partir da digestão desses alimentos, fazendo com que o ácido se acumule no sangue.

– Hiperuricemia secundária

Já a hiperuricemia secundária não tem a ver com a dieta e sim com alguma condição de saúde que prejudica a eliminação do ácido úrico ou que aumenta a sua produção.

Alguns tipos de câncer ou até mesmo agentes quimioterápicos podem resultar em um aumento na taxa de renovação da morte celular. Assim, após a quimioterapia, ocorre uma rápida destruição de células cancerosas e a morte celular libera ácido úrico, podendo ocorrer um aumento do ácido no sangue.

Se você sofre de doença renal, o rim não é capaz de remover todo o ácido úrico do sistema, causando hiperuricemia.

O uso de alguns medicamentos específicos como diuréticos também podem dificultar a remoção de ácido úrico no sangue.

Certas condições endócrinas ou metabólicas como algumas formas de diabetes ou acidose podem elevar os níveis de ácido úrico.

Sintomas

Os níveis normais de ácido úrico são de 2,4 a 6,0 miligramas por decilitro para mulheres e de 2,4 a 7,0 miligramas por decilitro para homens. Porém, tais níveis podem variar dependendo do laboratório em que é feito o exame.

Algumas pessoas podem viver vários anos com ácido úrico acima dos níveis considerados normais sem apresentar nenhum sintoma e sem apresentar problemas de saúde. Outras devem apresentar alguns dos sintomas listados abaixo:

  • Febre;
  • Fadiga;
  • Calafrios;
  • Inflamação em articulação (indicativo de gota);
  • Problemas renais;
  • Dificuldades ou alterações na micção.

Uma vez que o diagnóstico for feito, é importante usar um remédio para ácido úrico alto para normalizar os níveis do ácido no sangue evitando complicações futuras.

Tratamento com remédios

Existem vários tipos de remédios para ácido úrico alto que podem ser utilizados no tratamento. Dentre eles, temos os:

  • Agentes anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs): Essa classe de remédios inclui o acetaminofeno (tylenol), o naproxeno sódico e o ibuprofeno. Esses medicamentos ajudam a aliviar a dor, já que têm ação analgésica.
  • Fármacos uricosúricos: Esses medicamentos atuam bloqueando a reabsorção de urato, o que pode impedir a deposição de ácido úrico nos tecidos do organismo. Exemplos dessa classe incluem a probenecida e a sulfinpirazona.
  • Inibidores de xantina oxidase: Esses remédios atuam na prevenção da gota ou na prevenção de complicações resultantes do uso de quimioterápicos que podem aumentar a concentração de ácido úrico no organismo.

A escolha do medicamento usado para tratar a hiperuricemia depende da causa do problema e, por isso, é importante obter o diagnóstico antes de começar o tratamento.

Segundo um estudo recentemente publicado na revista Kidney Research and Clinical Practice em 2019, mesmo quando níveis séricos de ácido úrico ultrapassam os 7,0 mg / dL só é recomendado usar medicamentos se houver sintomas. Na ausência de sintomas, o ideal é tentar reduzir o ácido úrico com base em uma dieta específica ou tratando especificamente o problema de saúde que está causando o aumento dos níveis de ácido úrico no sangue.

Caso você tenha níveis altos de ácido úrico detectados em um exame de sangue e também apresente sintomas, os seguintes remédios podem ser prescritos para o seu tratamento.

Remédios para ácido úrico alto mais usados

1. Alopurinol ou zyloprim

O alopurinol é utilizado para tratar doenças como gota e alguns tipos de pedras nos rins. Também pode ser usado para prevenir o aumento dos níveis de ácido úrico.

Esse remédio para ácido úrico funciona reduzindo a quantidade do ácido que é produzida pelo organismo mas não possui ação analgésica, por isso ele não age contra a dor. Como o medicamento diminui a produção de ácido úrico, ele pode ser útil para pessoas que sofrem com pedras nos rins ou doença renal.

Ele é tomado oralmente uma vez por dia ou conforme indicação médica. É indicado que o alopurinol seja tomado após as refeições para evitar desconfortos estomacais. Se a dose diária ultrapassar 300 miligramas, é necessário dividir a dose em várias durante o dia.

Os efeitos colaterais mais comuns incluem dor de estômago, náusea, sonolência e diarreia. O alopurinol não deve ser usado por quem já teve algum tipo de reação alérgica aos componentes da fórmula e também não é indicado para mulheres que amamentam ou crianças com menos de 10 anos de idade.

2. Probenecida

Probenecida é usado para tratamentos de condições como gota e artrite gotosa. Ele é um medicamento da classe dos uricosúricos, que ajudam a reduzir os níveis altos de ácido úrico no organismo, ajudando o rim a se livrar da substância na forma de urina. A probenecida pode ser prescrita junto com outros medicamentos como antibióticos, se necessário.

Esse remédio é ingerido oralmente duas vezes ao dia junto com alimentos ou antiácidos para evitar dores estomacais. Os principais efeitos colaterais resultantes do uso de probenecida incluem náusea, perda de apetite, tontura, vômito, dor na gengiva, micção frequente e dor de cabeça.

3. Sulfinpirazona

A sulfinpirazona, assim como a prebenecida, é um agente uricosúrico que atua na redução da quantidade de ácido úrico no sangue, evitando o desenvolvimento da gota. 

O remédio atua aumentando a excreção de urina, o que ajuda a eliminar o ácido úrico acumulado no organismo. Esse mecanismo de eliminação da urina parece ser de três a seis vezes mais potente do que o efeito produzido pela probenecida. Por esse motivo, a sulfinpirazona é indicada em crises e casos mais graves de gota.

A dose oral recomendada é de cerca de 200 a 400 miligramas divididas em duas doses diárias. Efeitos adversos podem incluir azia, náusea e dor de estômago.

4. Naproxeno

Remédios para ácido úrico alto incluem anti-inflamatórios como o naproxeno que podem ser usados em altas doses no início do tratamento para controlar a inflamação causada pelo acúmulo de ácido úrico. 

Trata-se de um anti-inflamatório não esteroide que diminui a inflamação causada por altos níveis de ácido úrico e reduz sintomas como a dor nas articulações.

O naproxeno deve ser usado de acordo com orientação médica já que a dose diária pode variar de 500 até 1000 miligramas. Os principais efeitos colaterais incluem dor abdominal, constipação ou diarreia, náusea, azia, sede, sonolência, sudorese e estomatite.

5. Diclofenaco

Da mesma forma que o naproxeno, o diclofenaco sódico pode ser utilizado como anti-inflamatório no tratamento do ácido úrico alto. 

O diclofenaco também é um anti-inflamatório do tipo não esteroide que reduz a inflamação e alivia a dor. Tanto o diclofenaco sódico quanto o potássico apresentam o mesmo mecanismo de ação e podem ser usadas para diminuir a inflamação.

A dose geralmente indicada é de 100 a 150 miligramas por dia, sem nunca ultrapassar a dose máxima diária de 200 mg (o equivalente a 4 comprimidos de 50 mg).

Os efeitos colaterais também são muito parecidos com os do naproxeno, incluindo dor de estômago, náusea, dor de cabeça, sonolência, tontura, problemas de digestão, diarreia ou constipação, vômito e cólica.

6. Colchicina

A colchicina é usada quando o ácido úrico elevado já alcançou alguma articulação. Nestes casos, a colchicina é administrada rapidamente na forma de uma dose elevada (de até 2 comprimidos por vez) seguida de mais um comprimido cerca de uma hora depois.

Porém, esse medicamento só age diminuindo a dor durante crises de gota, por exemplo, mas não agem reduzindo o acúmulo de ácido úrico. Os efeitos colaterais mais comuns incluem perda de peso, diarreia, aumento da pressão arterial, dor gástrica, fraqueza, danos renais e erupções na pele.

7. Febuxostate

O Febuxostate é um medicamento muito usado no tratamento de gota e que diminui a formação de ácido úrico pelo organismo. Ele pode ser usado com segurança inclusive por pacientes que apresentam uma leve insuficiência renal. 

Trata-se de um remédio indicado em casos de hiperuricemia de longo prazo em que o paciente apresenta dor intensa nas articulações ou pedras nos rins.

O febuxostate só deve ser obtido com prescrição médica e as doses podem variar de 80 a 120 mg por dia dependendo da avaliação do médico sobre a saúde do paciente.

Alguns efeitos adversos do uso de febuxostate incluem náusea, formigamento na pele, inchaço e aumento de apetite.

8. Corticosteróides

Alguns corticosteroides como a prednisona podem ser administrados no lugar de agentes anti-inflamatórios. 

Os corticosteroides são anti-inflamatórios esteroides que agem mais rapidamente do que os não esteroidais aliviando quase que instantaneamente a dor causada pela inflamação.

É importante tomar esses medicamentos com precaução e nas doses indicadas pelo médico para evitar efeitos adversos indesejados como alterações de humor, pressão arterial elevada e problemas no controle da glicose em pessoas com diabetes. Além da via oral, os corticosteroides também podem ser injetados diretamente na articulação inchada, quando for o caso. Durante crises graves de gota, por exemplo, o médico pode aplicar uma dose intravenosa de um corticosteroide para que o paciente se sinta melhor.

Dicas e soluções naturais para o ácido úrico alto

– Alimentação

Se você está com ácido úrico alto, tente evitar o consumo de alimentos ricos em purina, que incluem: carnes de fígado, extratos e molhos de carne, leveduras e extratos de leveduras como cerveja e outras bebidas alcoólicas, espargos, espinafre, lentilha, ervilha, aveia, cogumelo e couve-flor.

Além disso, é interessante aumentar a ingestão de fibras, já que elas absorvem o ácido úrico presente na corrente sanguínea e os eliminando mais facilmente através dos rins. Fibras na dieta são facilmente obtidas de alimentos como frutas, legumes e grãos integrais. Tente evitar também o uso de diuréticos naturais como o café e alguns tipos de chá e desidratantes como o álcool. Diminua também a ingestão de sódio.

Tente evitar também o uso de diuréticos naturais como o café e alguns tipos de chá e desidratantes como o álcool. De acordo com uma publicação de 2016 do periódico Annals of the Rheumatic Diseases, o consumo excessivo de álcool e de bebidas açucaradas pode aumentar o risco de desenvolver gota.

– Hidratação

Aumentar a ingestão de água é essencial para tratar o ácido úrico alto, já que a maior quantidade de água pode ajudar na excreção do excesso de ácido úrico pela urina. Beber mais água ajuda os rins a processarem o ácido úrico mais rapidamente, facilitando também a sua eliminação por meio da urina.

Além disso, se o corpo estiver bem hidratado, dificilmente será observada a formação de pedras nos rins ou desenvolvimento de gota. Além da água natural, é possível ingerir líquidos como água de coco e chás que não sejam diuréticos.

Embora o café seja um diurético, algumas pesquisas sugerem que quem toma café tem um risco menor de desenvolver doenças como a gota. Uma análise publicada em 2010 no American Journal of Clinical Nutrition, por exemplo, mostrou que o risco de gota diminui conforme o consumo de café aumenta. Desde que você também capriche na ingestão de água e de alimentos que hidratam como frutas e legumes, o café pode realmente ajudar e seu efeito diurético será pouco significativo.

– Outras precauções

A aspirina nunca deve ser usada nestes casos já que seu uso pode piorar a situação e até causar cálculos renais. Evite também o uso excessivo de vitamina C ou D em casos de ácido úrico alto, já que essa substâncias podem aumentar o risco de cálculos renais e elevar os níveis de ácido úrico.

Avise ao seu médico se você tiver problemas de saúde que dificultam a excreção do ácido úrico como diabetes, problemas no fígado ou nos rins e doenças cardíacas para que seu tratamento seja adequado.

Vídeo:

Gostou das dicas?

Fontes consultadas:

https://www.webmd.com/arthritis/understanding-gout-treatment

https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/gout/diagnosis-treatment/drc-20372903

https://www.medicalnewstoday.com/articles/325317.php

https://www.healthline.com/health/how-to-reduce-uric-acid

https://www.healthline.com/health/hyperuricemia

Você já precisou usar algum destes remédios para ácido úrico alto para aliviar a condição? Teve bons resultados? Com qual deles? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (95 votos, média: 3,67 de 5)
Loading...
Sobre Julio Bittar e Dra. Patricia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário