Home » Saúde » Outras Condições » Alergia Respiratória – Sintomas, Tratamento, Remédio e Dicas

Alergia Respiratória – Sintomas, Tratamento, Remédio e Dicas

Alergia respiratória

A alergia respiratória é comum, e muitas pessoas convivem frequentemente com seus sintomas e todos os inconvenientes que elas trazem. Elas podem afetar as vias aéreas, seios e passagens nasais e podem ser leves ou mais severas, demandando uma intervenção para evitar complicações para a saúde.

  Continua Depois da Publicidade  

Falaremos aqui sobre os sintomas, tratamento, remédio e dicas para você gerenciar a sua alergia respiratória.

Alergia respiratória – Informações gerais

A alergia é o resultado de uma reação do sistema imunológico a uma substância estranha. Elas podem ser as mais diversas, como poeira, ácaros, pelos de animais, pólen, insetos, carrapatos, fungos e outros.

O nosso sistema imunológico produz substâncias que são conhecidas como anticorpos. Quando você tem alergias, ele reage à substância como se ela fosse estranha e prejudicial, e tenta destruí-la, mesmo que não seja.

Por exemplo, se você é alérgico ao pólen e ele entra no seu corpo, isso desencadeia uma resposta de anticorpos que se ligam a células especiais, chamadas mastócitos. Quando o pólen entra em contato com os anticorpos, os mastócitos respondem liberando certas substâncias, uma das quais é chamada histamina.

  Continua Depois da Publicidade  

No entanto, a reação alérgica pode não ser imediata, pois geralmente o sistema imunológico aumenta gradualmente a sensibilidade à substância antes de reagir exageradamente. Isso acontece porque ele precisa de tempo para reconhecer, e à medida que se torna sensível à substância, começa a produzir anticorpos para atacá-lo. Esse processo é chamado de sensibilização, que pode demorar alguns dias ou vários anos, em alguns casos.

Um alérgeno também pode afetar uma pessoa, mas outra não, pois cada organismo costuma reagir de maneira diferente. No entanto, as chances de desenvolver alergias aumentam se outros membros da família sofrem com elas.

A alergia respiratória geralmente compromete as vias aéreas superiores provocando rinite alérgica, e as vias aéreas inferiores desencadeando asma.

Principais causas

A rinite alérgica costuma ser causada pela liberação da histamina, que é liberada para defender seu corpo do alérgeno. Os alérgenos mais comuns incluem:

  • Pólen de árvore e de grama;
  • Ácaros;
  • Caspa animal;
  • Saliva de gato;
  • Mofo;
  • Fungos;
  • Fumaça de cigarro e outros fumos;
  • Produtos químicos;
  • Condições climáticas como umidade, friagem e vento;
  • Poluição do ar;
  • Perfumes e colônias.

Os pólens de árvores e flores são mais comuns na primavera e gramíneas e ervas daninhas produzem mais pólen no verão e no outono. Isso significa que determinadas épocas do ano podem ser especialmente problemáticas.

Já a asma alérgica é consequência da inalação de alérgenos como:

  Continua Depois da Publicidade  

  • Pólen;
  • Pelos de animais, como gatos e cachorros;
  • Ácaros;
  • Cigarro;
  • Poluição;
  • Odores fortes, incluindo loções, perfumes, sabão em pó, amaciante de roupas;
  • Emanações químicas.

Alguns alérgenos menos comuns também podem causar uma reação asmática. Embora seja menos comum, se acontecer, eles podem causar uma reação mais séria.

  • Baratas;
  • Leite;
  • Peixe;
  • Marisco;
  • Ovos;
  • Amendoim;
  • Trigo;
  • Nozes de árvore.

Sintomas

Os sintomas costumam variar de acordo com o tipo de alérgeno. Geralmente uma alergia respiratória compromete os seios da face, vias aéreas, olhos e passagens nasais, e pode ser facilmente confundida com outras condições – por exemplo, a rinite alérgica apresenta reações semelhantes ao resfriado comum, mas as causas são diferentes.

Rinite alérgica

Algumas pessoas experimentam sintomas apenas raramente, mas algumas podem reagir logo após o contato com um alérgeno.

  Continua Depois da Publicidade  

  • Coriza;
  • Espirros;
  • Nariz entupido;
  • Coceira no nariz;
  • Tosse;
  • Garganta dolorida ou áspera;
  • Coceira nos olhos;
  • Olhos lacrimejando;
  • Olheiras;
  • Dores de cabeça;
  • Eczema;
  • Urticária;
  • Fadiga excessiva.

Asma alérgica

A asma alérgica e regular têm os mesmos sintomas. Eles incluem:

  • Chiado;
  • Tosse;
  • Aperto no peito;
  • Respiração acelerada;
  • Falta de ar;

Além disso, a combinação de asma com a rinite ou alergia na pele pode provocar:

  • Comichão na pele;
  • Erupção cutânea;
  • Pele escamosa;
  • Nariz escorrendo;
  • Olhos coçando e lacrimejando;
  • Congestionamento nasal.

Diagnóstico

O diagnóstico de uma alergia respiratória começa no consultório. Geralmente durante a consulta o médico fará questionamento sobre os seus sintomas e procurará entender com quais alérgenos você tem contato. Depois disso, um teste cutâneo pode ser realizado para colocar você em contato com várias substâncias e entender como seu corpo reage a cada uma delas. No entanto, alguns exames adicionais também podem ser realizados.

  • RAST: É um exame de sangue ou teste que mede a quantidade de anticorpos da imunoglobulina e determinados alérgenos no sangue. Indicado para rinite alérgica.
  • Espirometria: Tem a finalidade de medir a quantidade de ar que é inalado ou exalado, e procura se estreitar nos tubos brônquicos dos pulmões. Normalmente, as pessoas que apresentam sintomas de asma costumam realizar.
  • Fluxo de pico: Mede a pressão do ar quando expira. É considerado um teste simples da função pulmonar e também indicado para casos de asma.
  • Função pulmonar: Faz uma análise do progresso da respiração depois de usar um medicamento para asma chamado broncodilatador.

Tratamento

O tratamento mais eficaz para alergia respiratória é evitar o alérgeno. No entanto, muitas vezes não é possível, então o médico pode recomendar remédios e abordagens alternativas para eliminar os sintomas desconfortáveis da alergia respiratória.

Remédios

Anti-histamínicos

Eles são comumente receitados para tratar alergias, pois trabalham para impedir o corpo de produzir histamina. Geralmente são isentos de prescrição e os mais comuns são:

  • Fexofenadina;
  • Difenidramina;
  • Desloratadina;
  • Loratadina;
  • Levocetirizina;
  • Cetirizina.

Descongestionantes

Eles ajudam a aliviar o nariz entupido e a pressão sinusal, mas devem ser usados por no máximo três dias, pois o uso prolongado pode agravar os sintomas, ao invés de melhorar. Assim como os anti-histamínicos, os descongestionantes são livres de prescrição médica, mas se você tem um ritmo cardíaco anormal, doença cardíaca, histórico de acidente vascular cerebral, sofre de ansiedade, distúrbio do sono, pressão alta ou problemas na bexiga, fale com um profissional antes de usar um descongestionante. Se esse não é o seu caso, você pode optar entre um dos remédios abaixo:

  • Oximetazolina;
  • Pseudoefedrina;
  • Fenilefrina;
  • Cetirizina com pseudoefedrina.

Colírio e sprays nasais

Ajudam a aliviar a coceira e outros sintomas relacionados à alergia por um curto período de tempo. Porém, o uso prolongado de alguns pode ser prejudicial e causar o efeito contrário.

Os corticosteroides podem ajudar a diminuir a inflamação e as respostas imunológicas. Os sprays nasais esteroides são comumente receitados para tratamentos de longo prazo para controlar os sintomas de alergia. Alguns precisam de receita médica e outros não.

Antes de iniciar qualquer tratamento com remédios para alergia respiratória, converse com seu médico. Ele poderá receitar os mais adequados para tratar seus sinais e sintomas, assim como o período que cada um deve ser administrado.

Imunoterapia com injeções de alérgenos

A imunoterapia é recomendada para casos mais graves, e o paciente recebe injeções com alérgenos. Essas injeções têm o objetivo de reduzir a resposta imunológica a alérgenos específicos ao longo do tempo.

A imunoterapia é um tratamento longo e requer dedicação do paciente. A primeira etapa é chamada de acumulação, onde o paciente recebe uma dose de determinadas substâncias três vezes por semana, pelo período de três a seis meses, para que o corpo se acostume ao alérgeno que o agride. Passada essa etapa, é iniciado um processo de manutenção, e as injeções são administradas a cada duas ou quatro semanas ao longo de três a cinco anos.

Algumas pessoas apresentam reações alérgicas graves após as injeções, por esse motivo é comum que o paciente fique em observação por 30 minutos para garantir que não existe uma resposta intensa ou fatal.

Os resultados não são imediatos, geralmente os primeiros sinais são percebidos após um ano do início da fase de manutenção, mas depois desse tempo os sintomas de alergia podem diminuir ou desaparecer completamente.

Imunoterapia sublingual (SLIT)

Sua proposta é idêntica à imunoterapia com injeção, mas aqui um comprimido contendo uma mistura de vários alérgenos é colocado sob a língua. É considerado um método eficaz para o tratamento de rinite e asma causadas por ácaros, gramíneas, pólen de árvores e pelos de gatos.

O tratamento pode ser feito em casa, mas a primeira dose é realizada no consultório médico. Possíveis efeitos colaterais incluem coceira na boca ou irritação na orelha e garganta, mas em casos raros, pode causar anafilaxia.

O período de tempo para o tratamento será definido pelo seu médico e ele fará um acompanhamento para analisar como as suas alergias responderão.

Dicas de tratamento natural para alergias respiratórias

Considerando os possíveis efeitos colaterais dos medicamentos, muitas pessoas buscam formas alternativas e menos “agressivas” para eliminar as alergias respiratórias. No entanto, é importante lembrar que mesmo as abordagens naturais podem apresentar reações.

De acordo com o National Center for Complementary and Integrative Health (Centro Nacional de Saúde Complementar e Integrativa), alguns dos tratamentos relacionados abaixo podem ajudar com alergias sazonais, porém ainda não existem pesquisas sólidas para comprovar seus reais efeitos.

Considere também que esses tratamentos naturais podem interagir com medicamentos, além de causar reações.

– Inalação de vapor

Inalar um ar quente e umidade pode ajudar a limpar os seios nasais e abrir as vias aéreas. Para potencializar os resultados você pode adicionar algumas gotas de mentol ou óleo de eucalipto à água. Outra alternativa é usar o óleo essencial de hortelã-pimenta, pois ele tem efeitos analgésicos e anti-inflamatórios. Segundo uma pesquisa publicada em 2013, ele pode relaxar os músculos do sistema respiratório, aliviando problemas respiratórios.

– Irrigação salina nasal

A irrigação nasal feita com uma solução salina apresentou efeitos benéficos tanto em crianças quanto em adultos com alergia respiratória, segundo uma revisão de 10 estudos, feita em 2012.

– Purificador de ar

Ter em casa um purificador de ar pode ajudar a diminuir a quantidade de alérgenos no ambiente. Ele é capaz de capturar irritantes como pólen, poeira e pelos de animais, reduzindo possíveis gatilhos que podem desenvolver alergias respiratórias.

– Bebidas quentes

Alguns chás e bebidas quentes são usados há séculos para tratar uma infinidade de problemas relacionados à saúde. Geralmente, eles ajudam a desobstruir as vias aéreas e aliviar o congestionamento nasal.

Por exemplo, o mel é um anti-inflamatório e antimicrobiano natural, portanto, adicionar uma colher de chá a uma bebida quente pode impulsionar a recuperação. Um estudo descobriu que comer uma colher de sopa de mel duas vezes ao dia, juntamente com outros tratamentos, ajudou a aliviar o congestionamento da garganta, mas para obter esses efeitos é preciso usar um mel orgânico cru.

Já outras pessoas preferem tomar chá para alergia respiratória. O chá de hortelã-pimenta ou mentol funcionam bem, e se você estiver com uma coceira na garganta, característica de uma alergia respiratória, pode usar urtiga, alcaçuz, trevo vermelho, camomila, olmo escorregadio e cardo de leite.

– Butterbur

Butterbur é uma planta medicinal, também conhecida como Petasites hybridus. Em 2003 foi realizada uma revisão de estudos que evidenciou que a planta ajuda a tratar de forma eficaz os olhos irritados, e que seus resultados podem ser comparados com o de um anti-histamínico oral comumente usado.

– Bromelaína

O mamão e o abacaxi são frutas que contêm bromelaína, que é uma enzima. Povos antigos e curandeiros naturais consideram a bromelaína eficaz para melhorar a respiração e para reduzir o inchaço nas vias respiratórias.

– Acupuntura

Em 2015 foi realizada uma revisão de 13 estudos para investigar os efeitos da acupuntura para os quadros de rinite alérgica. Os resultados mostraram que ela ajudou a melhorar tanto para rinite alérgica sazonal quanto a crônica.

– Probióticos

Os probióticos são capazes de melhorar a diversidade da flora intestinal. Ter novas bactérias benéficas pode ajudar a combater uma série de doenças. Uma revisão de 23 estudos realizada em 2015 indicou que os probióticos podem ajudar a melhorar os sintomas da rinite alérgica.

– Spirulina

A alga característica por sua cor verde-azulada leva o nome de spirulina. Em 2015 um estudo foi publicado relatando seus benefícios, entre eles foi possível observar que a alga demonstrou efeitos protetores antialérgicos contra a rinite alérgica, sendo assim pode ajudar a tratar esse tipo de alergia respiratória.

– Urtiga

A urtiga é uma planta muito comum em jardins, canteiros de estrada e campos. Ela é usada há tempos como alimento por causa de seu valor nutricional e também na medicina popular por conta de suas propriedades curativas. Os praticantes de cura natural recomendam a urtiga como um anti-histamínico natural, para ajudar no tratamento de vários tipos de alergia.

– Quercetina

A quercetina é um flavonoide natural que possui propriedades farmacológicas como a anti-inflamatória e a antiviral. Ela é popular e favorita para ajudar a tratar alergias respiratórias. Acredita-se que ela estabiliza a liberação de histamina e ajuda a controlar os sintomas de alergia. É encontrada naturalmente no brócolis, couve-flor, chá verde e frutas cítricas.

– Óleo essencial de olíbano

Outra alternativa milenar para ajudar a tratar alergia respiratória é o óleo de olíbano, ou incenso, como também é conhecido. Ele contém propriedades antissépticas, desinfetantes e adstringentes e é capaz de ajudar a tratar a rinite alérgica, segundo um estudo publicado em 2016. Você pode diluí-lo em um óleo transportador e usar atrás de suas orelhas ou usar em um umidificador.

Palavras finais

Tratar e controlar os sintomas da alergia respiratória é fundamental, pois ela não tem cura. Como ela pode piorar por causa do contato com os alérgenos, evitar esses gatilhos pode ajudar. Por exemplo, evitar locais com muito pólen, evitar fumaça de cigarro, produtos como perfumes e sabão em pó ou usar uma capa à prova de ácaros no seu colchão são medidas simples, mas que podem ajudar muito.

Os remédios também podem contribuir muito quando existe uma reação presente, e eles podem ser capazes de reduzir e até eliminar os sintomas, para que não te incomodem mais.

Você também pode conversar com um alergista sobre a imunoterapia, pois ela é considerada um tratamento capaz de modificar a resposta do seu corpo as doenças – embora não cure a alergia, pode reduzir significativamente a sensibilidade aos fatores de desencadeiam e reduzir sua resposta alérgica. 

Referências adicionais:

Você sofre muito com alergia respiratória? Com que frequência tem? Quais são os principais alérgenos para o seu organismo? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite
  Continua Depois da Publicidade  


ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*