Cevada Engorda? Tem Glúten?

Especialista:
atualizado em 26/12/2019

A cevada foi um dos primeiros grãos a serem cultivados na história, ainda que não seja tão popular quanto seus colegas aveia, trigo e quinoa. O alimento já era consumido por camponeses durante o período medieval e atualmente pode ser encontrado na dieta de países da Europa, África e do Oriente Médio.

O grão é fonte de nutrientes como fibras, proteínas, carboidratos, manganês, selênio, cobre, ferro, fósforo, magnésio, colina (vitamina do complexo B), vitamina B1, vitamina B2, vitamina B3, vitamina B6 e vitamina B9.

Recomenda-se mergulhar e germinar os grãos de cevada descascados e não cozidos ou comprar farinha de cevada germinada e utilizar na culinária para aproveitar melhor os seus nutrientes.

Benefícios como o auxílio ao sistema digestivo e à saúde do coração, a ajuda à diminuição do colesterol elevado, o fornecimento de antioxidantes ao organismo, o auxílio à redução da pressão arterial e a contribuição com a construção e manutenção da força e estrutura óssea foram associados à cevada.

Mas será que a cevada engorda?

Vamos começar a entender se a cevada engorda verificando quantas calorias podem ser encontradas neste alimento.

De acordo com o que pesquisamos, uma xícara de cevada cozida apresenta 193 calorias enquanto uma porção de 100 g do alimento contém 123 calorias.

Já se a pessoa consumir uma porção mais moderada, uma colher com 30 g de cevada cozida, com base nos números acima, a sua ingestão será de aproximadamente 58 calorias. Um número que não é muito alto, não é mesmo?

Portanto, podemos concluir que a partir do ponto de vista calórico, afirmar que a cevada engorda ou não engorda depende da quantidade do alimento que se escolhe consumir. Se o objetivo é perder peso ou pelo menos não engordar, deve-se moderar na porção do grão.

Já se existe a necessidade de ganhar peso, comer porções maiores da cevada cozida pode contribuir neste sentido.

As fibras

Porém, quando analisamos se a cevada engorda, não podemos pensar somente nas calorias – também devemos voltar os nossos olhos para a composição dos alimentos.

Como vimos no começo deste artigo, o grão é uma boa fonte de fibras. A cevada é classificada como um alimento rico no nutriente – uma xícara do grão cozido tem 6  g de fibras; 100 g de cevada cozida carregam 3,8 g de fibras e estimamos que uma colher com 30 g do alimento contenha em torno de 1,15 g de fibras.

As fibras são conhecidas por promoverem a sensação de saciedade no organismo. Uma vez que o corpo está saciado, fica mais fácil manter o apetite sob controle e resistir ao desejo de comer guloseimas, quitutes e fast food lotados de açúcar e calorias, não é mesmo?

Um estudo, feito por um pesquisador dos Estados Unidos e seus colegas avaliou os efeitos da fibra beta-glucana da cevada em adultos com hipercolesterolemia (colesterol alto) leve.

Durante o experimento, a fibra beta-glucana da cevada foi administrada como um suplemento diário, em doses de 6 g da fibra diariamente para os participantes, sendo que um grupo deles recebeu a fibra beta-glucana de peso molecular baixo, enquanto ao outro grupo foi administrada a substância em peso molecular alto.

Os resultados da pesquisa indicaram que em seis semanas o peso corporal dos participantes que receberam a fibra beta-glucana de peso molecular alto diminuiu, enquanto as pessoas do grupo da fibra beta-glucana de peso molecular baixo tiveram o seu peso corporal aumentado.

O estudo também apontou que os níveis de fome levemente diminuíram no grupo da fibra beta-glucana de peso molecular baixo e foram significativamente reduzidos no grupo que recebeu a fibra beta-glucana de peso molecular alto.

Vale lembrar que os pesquisadores utilizaram um tipo de fibra da cevada de maneira isolada e não o alimento em si em seus experimentos.

Grãos refinados x Grãos integrais

Encontramos ainda estudos que já apontaram que, em comparação ao consumo dos grãos refinados como o pão branco, por exemplo, comer grãos integrais, como é o caso da cevada, diminui significativamente os níveis de fome.

Uma pesquisa, publicada no Journal of the American Dietetic Association (Jornal da Associação Americana de Dietética, tradução livre), concluiu que dentro de uma dieta saudável, aumentar o consumo de grãos integrais, sejam eles ricos em fibras solúveis ou fibras insolúveis, pode contribuir com o controle do peso.

Assim, uma estratégia para a dieta de quem tem o objetivo de emagrecer pode ser trocar os produtos à base de grãos refinados por alimentos preparados a partir de grãos integrais como a cevada.

Porém, lembre-se do que a pesquisa que apareceu no Jornal da Associação Americana de Dietética concluiu: os grãos integrais podem ajudar em relação ao controle de peso dentro de uma dieta saudável.

Ou seja, a cevada pode até auxiliar a emagrecer, porém, além de integrá-la às refeições é necessário certificar-se de que toda a alimentação seja saudável, nutritiva, controlada e equilibrada.

Para isso, conte com o acompanhamento de um nutricionista, que te ajudará a encontrar uma dieta que seja adequada para os seus objetivos, ao mesmo tempo em que fornece os nutrientes e a energia que o seu corpo necessita para funcionar apropriadamente.

A cevada tem glúten?

Sim, a cevada é naturalmente composta pelo glúten, o que torna o consumo do grão inviável para quem sofre com alergia, sensibilidade ou intolerância ao glúten, tem a doença celíaca ou simplesmente escolheu excluir a proteína da sua alimentação.

Germinar a cevada pode diminuir a sua quantidade de glúten, entretanto, o processo não exclui essa proteína por completo do grão.

Para quem tem um sistema digestivo sensível, sofre com a síndrome do intestino irritável ou apresenta sinais da síndrome do intestino permeável, é recomendado evitar a cevada e outros grãos integrais, pelo menos por um período, para permitir que o intestino cure.

Alguns sintomas da síndrome do intestino permeável podem ser: sensibilidades alimentares, síndrome do intestino irritável, doença autoimune, problemas na tireoide, condições inflamatórias na pele, má absorção de nutrientes e problemas de humor.

Outros sinais associados à condição são: inchaço, gases, dores nas articulações, intolerância ao glúten e níveis elevados de açúcar no sangue.

Você já tinha ouvido falar que a cevada engorda? Tem costume de consumir este grão em sua dieta de alguma forma? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário

2 comentários em “Cevada Engorda? Tem Glúten?”

  1. Mais do que ter ou não ter gluten, é a qualidade da alimentação que importa. Se não nos atentarmos a isso, corremos sério risco de ficarmos viciados a próxima modinha que supostamente irá fazê-lo emagrecer. Não faltam exemplos como: chia, ração humana, goji berry, café verde e qualquer alimento sem lactose.