Como Plantar Jiló em Casa – Passo a Passo e Cuidados

Especialista da área:
atualizado em 27/05/2020

Aprenda como plantar jiló em casa com o passo a passo desde o plantio e cultivo à colheita, além de dicas e cuidados para os melhores resultados.

  Continua Depois da Publicidade  

Muita gente pode até passar bem longe do jiló quando é oferecido um prato composto pelo alimento. No entanto, isso não quer dizer que ele não tenha vantagens a nos oferecer.

Muito pelo contrário, o alimento é rico em nutrientes como vitamina C, vitaminas do complexo B e magnésio, além de conter carboidratos, fibras, potássio e outros nutrientes importantes para o funcionamento apropriado do organismo humano em sua composição.

O jiló ainda serve como fonte de cálcio, fósforo, ferro, manganês e vitamina A, que também são elementos cruciais para a saúde do nosso corpo.

Por conta de tudo isso, existem inúmeros benefícios do jiló para a saúde que não devem ser desprezados e vale a pena conhecer essas receitas com jiló saudáveis e para emagrecer.

Mas você já pensou em aprender como plantar jiló em casa?

Vale registrar que além de ser um passatempo para quem curte trabalhar com a terra, aprender como plantar jiló permite ter acesso ao alimento bem no conforto do seu lar.

Isso sem contar que cultivar em casa é uma maneira de assegurar que eles sejam alimentos orgânicos que estejam livres de agrotóxicos, já que ao fazer isso dá para controlar todas as etapas do processo de plantio.

  Continua Depois da Publicidade  

Vale a pena saber que de acordo com o portal do Ministério da Saúde, o uso contínuo, indiscriminado e inadequado dessas substâncias é considerado um relevante problema ambiental e de saúde pública.

Ainda segundo o site, “os efeitos à saúde humana, decorrentes da exposição direta ou indireta aos agrotóxicos podem variar de acordo (com) a toxicidade, tipo de princípio ativo, dose, tempo de exposição e via de exposição”.

Crianças, gestantes, mulheres que amamentam, idosos e pessoas com a saúde debilitada são considerados os grupos mais susceptíveis aos efeitos dessas substâncias, completou o portal.

Além disso, estudos realizados pelo aluno de doutorado em Saúde Pública e Meio Ambiente da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (Ensp/Fiocruz), Cleber Cremonese, indicaram que parte dos agrotóxicos pode desregular o sistema endócrino, alterando os níveis de hormônios sexuais e provocando efeitos prejudiciais, especialmente para o sistema reprodutor.

Essas reações podem incluir câncer de mama, câncer de ovário, câncer de testículo, câncer de próstata, desregulação do ciclo menstrual, infertilidade, baixa na qualidade do sêmen e malformação de órgãos reprodutivos.

Em suas pesquisas, Cremonese avaliou moradores de Farroupilha (RS) – em um primeiro estudo, ele trabalhou com homens e mulheres adultos, trabalhadores rurais e seus familiares, que tinham entre 18 a 69 anos; no segundo ele analisou jovens das zonas rurais e urbanas com idade entre 18 a 23 anos.

  Continua Depois da Publicidade  

Para chegar aos resultados apontados, o doutorando coletou amostras de sangue e sêmen e aplicou questionários.

Ele concluiu que seus estudos sugerem que as exposições crônicas aos agrotóxicos interferem na regulação dos hormônios sexuais nos adultos e na qualidade do sêmen dos jovens nas regiões onde o estudo foi conduzido.

Cleber afirmou ainda que o uso dos agrotóxicos já foi associado a outros problemas de saúde como doenças neurodegenerativas como Parkinson, distúrbios cognitivos, transtornos psiquiátricos, alterações respiratórias e imunológicas, problemas no fígado e nos rins e complicações na gestação como aborto, malformações congênitas e baixo peso ao nascer. Veja um resumo das doenças causadas por agrotóxicos.

Por conta disso, vale a pena conhecer quais são os alimentos com mais agrotóxicos no Brasil e procurar consumi-los de maneira orgânica.

E então, como plantar jiló em casa?

É justamente isso o que vamos finalmente aprender no passo a passo a seguir. Dê só uma conferida:

Como plantar jiló em vaso

  1. Retirar um jiló que se encontre vermelhinho do pé, cortar pela metade conforme demonstrado no vídeo de baixo e remover as suas sementes;
  2. Encher um copinho descartável com terra preparada (que deve ser rica em matéria orgânica) para o cultivo do jiló. Adicionar as sementes no copinho – recomenda-se colocar três sementinhas de um lado e três sementinhas do outro, apertando e cobrindo com a terra. Com isso, depois que germinar, você poderá dividir ao meio e obter duas mudas em um único copinho. Fazer pequenos furinhos no fundo do copinho;
  3. Em seguida, regar com o auxílio de um borrifador, sem encharcar, apenas umedecendo a terra preparada no copinho. O jiló não gosta de solos encharcados;
  4. Deixar o copinho descartável em uma estufa para mudinhas;
  5. Passados alguns dias, aproximadamente 18 quando já tiverem aparecido algumas folhinhas conforme demonstrado no vídeo de baixo, chega a hora de transplantar as mudinhas produzidas no copinho descartável para um vaso. A orientação é escolher um vaso com mais de 8 litros para o plantio;
  6. Depois que preparar a drenagem no vaso e adicionar a terra preparada rica em matéria orgânica até quase o topo do recipiente, fazer um buraco no meio na terra, retirar cuidadosamente as mudinhas do copinho descartável e colocar no vaso, completando com terra ao redor;
  7. Regar novamente com o auxílio do borrifador, tomando cuidado para não encharcar. A orientação é regar a planta sempre que perceber que a terra está secando;
  8. Colocar o vaso com as mudinhas de jiló em um local que receba no mínimo seis horas diárias de sol;
  9. Para que o jiló se desenvolva bem é necessário dar uma podada nos brotinhos que nascem em seus galhos, já que esses brotinhos podem roubar nutrientes dos frutos.

Outras dicas e dados sobre como plantar jiló em casa

  • O jiló não gosta do clima frio e a temperatura indicada para o seu cultivo fica entre 26º C a 28º C;
  • O solo adequado para o plantio do jiló é de textura média, fértil, rico em matéria orgânica, com boa drenagem, boa disponibilidade de nitrogênio e pH entre 5,5 a 6,8;
  • A irrigação empregada no cultivo do jiló deve evitar o excesso de umidade, o encharcamento e a ocorrência de problemas sanitários. Ao mesmo tempo, ela deve ocorrer com frequência para que o solo permaneça úmido;
  • A colheita do jiló é iniciada entre 80 a 100 dias depois da sua semeadura e pode ser prolongada por três a cinco meses. Recomenda-se que a colheita do alimento seja realizada de uma a duas vezes por semana, com o fruto ainda verde, o que pode amenizar o amargor do seu sabor. Ao colher o jiló, a orientação é cortar o pedúnculo (haste) com o auxílio de uma faca ou tesoura.

Como se livrar do amargor do jiló?

Mesmo depois de plantar o próprio jiló em casa e estar consciente dos benefícios nutricionais que o alimento fornece, o sabor amargo pode se tornar um empecilho para ter vontade de incluí-lo nas refeições.

  Continua Depois da Publicidade  

Mas calma que existe uma solução para isso, basta aprender um truque para remover o amargor do alimento. A recomendação é envolver o jiló em sal e deixar a sua água escorrer em uma peneira durante aproximadamente 30 minutos.

Na sequência, é necessário lavar bem o jiló para retirar o excesso de sal e secar a fruta com papel toalha, antes de utilizar o alimento, completou a especialista.

Outra estratégia para se livrar do sabor amargo do jiló: corte a fruta em quatro partes, coloque-as dentro de um recipiente e cubra com água, acrescente uma colher de sopa de bicarbonato de sódio e uma colher de sopa de vinagre e deixe de molho ao longo de 40 a 50 minutos. Não é necessário trocar a água e, passado esse período, basta escorrer toda essa água e lavar os pedaços de jiló em água corrente.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já sabia como plantar jiló em casa? Pretende começar agora? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é Nutricionista - CRN-RJ 0510146-5. Ela é uma das mais conceituadas profissionais do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition.

Deixe um comentário