Eritritol Faz Mal? O Que é, Calorias e Como Usar

Será que o adoçante eritritol faz mal ou ele é realmente mais seguro que os outros? O que é afinal este adoçante? Vamos explorar como o corpo lida com ele, se tem calorias, como usar nas suas receitas e nos alimentos que gosta de adoçar e você terá diversas dicas também.

Hoje em dia, mais do que em qualquer época desde que alimentos processados foram inventados, o consumo de açúcar vem sendo repensado. Doenças como diabetes e obesidade são produtos desta nova época e em consequência disso as pessoas estão recorrendo à diminuição do consumo de sacarose e procurando por adoçantes mais saudáveis, como o eritritol.

No entanto, para que você entenda isso, é preciso estar claro que há diferenças entre adoçantes. Assim como existem os tipos de adoçantes naturais, também existem os adoçantes artificiais que podem aumentar o risco de diabetes.

Eritritol é um adoçante natural que possui moléculas híbridas entre álcool e açúcar e, por isso, é considerado um poliálcool. Isso ocorre, no entanto, devido à sua configuração química e não possui etanol em sua composição.

Este tipo de adoçante possui muitas vantagens em relação à sacarose, já que tem quase o mesmo potencial de adoçamento que o açúcar de mesa, mas sem prejudicar a saúde. No entanto, este tipo de poliálcool se difere dos outros pois é o único que não possui calorias.

A organização U.S. Food and Drug Administration e o World Health Organization são órgãos norte-americanos que comprovaram a segurança em ingerir este alimento, pois não altera o índice glicêmico e nem desequilibra a quantidade de insulina no organismo humano. Justamente por isso, esta é uma boa opção para pessoas diabéticas, que não podem consumir sacarose devido aos picos de insulina que causa no organismo.

O que é Eritritol?

O Eritritol é um álcool de açúcar encontrado em frutas e vegetais. O adoçante é chamado de poliálcool pois sua estrutura química está entre a molécula de álcool e a molécula de açúcar e apresenta 68% de doçura em relação à sacarose.

Este tipo de adoçante natural é solúvel e produzido para fins comerciais, de forma que sua obtenção ocorre a partir da fermentação das moléculas do açúcar simples, processo chamado dextrose, que, por sua vez, é derivado do milho.

O Eritritol é utilizado nas dietas de quem deseja substituir as calorias e os efeitos colaterais da sacarose e pode ser encontrado em alguns alimentos e bebidas industrializados, pois os ajuda a reter umidade.

Um dos principais motivos que levam as pessoas a recorrer a este poliálcool é a quantidade de calorias que ele possui. Enquanto a sacarose tem 4 calorias por grama, o Eritritol tem cerca de 0,24 calorias por grama. Já o xilitol, outro poliálcool, tem cerca de 2,4 calorias por grama.

Eritritol faz mal ou é seguro?

É comum que as pessoas se perguntem se o eritritol faz mal, já que se trata de um poliálcool, com estrutura química distinta da sacarose. Muitas organizações e instituições confirmaram, mediante a estudos, a segurança em consumi-lo. 

Em 1990 o adoçante foi liberado para consumo em alimentos no Japão. Já em 2002 a Organização Mundial da Saúde – OMS – confirmou sua segurança e em 2001 o órgão U.S. Food and Drug Administration – FDA – também publicou estudos alegando a segurança ao ser ingerido.

No entanto, este é um assunto controverso, uma vez que o consumo frequente e em grande quantidade de poliálcool pode causar desconfortos gastrointestinais.

É importante ressaltar que uma das principais características do eritritol é sua rápida absorção pelo intestino delgado e rápida evacuação pela urina, de forma que a quantidade que chega ao cólon é mínima para causar efeitos laxativos, ao contrário de outros tipos de poliálcool.

Para quem tem dúvidas quanto à introdução desse adoçante na rotina alimentar e quer saber se o eritritol faz mal, a recomendação é que o indivíduo comece consumindo aos poucos e em quantidade pequena, de forma que aumente gradualmente o seu consumo.

Em relação à sacarose, o eritritol se mantém como um adoçante alternativo que é efetivamente mais saudável.

Efeitos colaterais do eritritol

Como mencionado, um possível efeito colateral deste adoçante é referente ao desconforto gastrointestinal que pode causar. No entanto, esta não é uma regra, uma vez que a ocorrência de sintomas colaterais dependerá de alguns fatores como a própria sensibilidade do organismo que está ingerindo e a dosagem consumida. Gases, azia, diarreia e inchaço são possíveis efeitos que podem ocorrer quando o adoçante é ingerido por pessoas que não são acostumadas ao consumo.

Nos casos mais graves – e raros – pode haver ocorrência de vômitos e diarreia. No entanto, é importante ressaltar que estes efeitos não ocorrem em todas as pessoas, apenas nas que tem mais sensibilidade gastrointestinal, e na grande maioria das vezes o organismo se acostuma à substância, podendo ter sua quantidade de ingestão gradualmente aumentada com o passar do tempo.

Além disso, um debate levantado é quanto à procedência do eritritol, já que na maioria das vezes ele é proveniente do amido de milho e, atualmente, os milhos utilizados para fins comerciais são geneticamente modificados.

Esta problemática, no entanto, é bastante extensa e conta com fervorosos defensores e muitas opiniões contrárias. Os problemas ocasionados por consumo de cereais e demais alimentos geneticamente modificados é uma questão que conta com estudos em andamento e não possuem um parecer conclusivo que permita afirmar, enfaticamente, que o eritritol faz mal ou não à saúde.

Como usar o adoçante

Eritritol é encontrado naturalmente em frutas como pêssego, melancia, uva, pêra, cogumelos e em alimentos fermentados como queijos, cervejas, vinhos e molhos de soja.

Além disso, o adoçante pode ser encontrado em supermercados, lojas de produtos naturais e até mesmo em grandes farmácias de forma refinada ou em cristal, podendo ser consumido como o açúcar comum.

No entanto, o potencial de adoçamento deste alimento é menor do que a sacarose e para obter o mesmo resultado, a quantidade a ser utilizada deverá ser maior. Recomenda-se, contudo, que pessoas que não são acostumadas à ingestão deste poliálcool comecem consumindo em pouca quantidade até que seus organismos se familiarizem com ele.

Bolos, cafés, chás, gomas e doces em geral podem ser adoçados pelo eritritol, já que ele não deixa gosto residual como sensação de amargor após sua ingestão, assim como a sacarose.

Este poliálcool também pode ser usado em conjunto com outros adoçantes de baixo índice calórico, como estévia (stevia) e aspartame que possuem gostos residuais mais amargos. Se combinados, a refeição irá apresentar um sabor superior ao uso individual dos adoçantes mencionados, oferecendo a vantagem econômica.

Como o eritritol reage no organismo?

Ao ser ingerido, a corrente sanguínea do intestino delgado absorve a maior parte do eritritol, posteriormente ele é evacuado por meio da urina.

Cerca de 90% da quantidade consumida é absorvido antes de chegar ao intestino grosso. Dessa forma, as chances de ocorrerem efeitos laxativos são pequenas, ao contrário de outros tipos de poliálcool.

No entanto, via de regra, quanto maior a quantidade ingerida, maiores as chances dos incômodas gastrointestinais ocorrerem.

Aponta-se que em homens o efeito laxativo ocorre se o indivíduo consumir mais que 0,66g por quilo que possuir, enquanto uma mulher precisa consumir 0,8g vezes o quilo do seu peso para sentir tais desconfortos.

Benefícios do eritritol

Ao contrário da sacarose – o açúcar branco de mesa – o eritritol oferece muitos benefícios à saúde. É uma boa opção para quem deseja levar uma vida mais saudável ou até mesmo para quem possui restrições alimentares quanto à sacarose.

1. Zero caloria

Na Europa, no Japão e nos Estados Unidos, todo o eritritol comercializado possui na rotulagem a informação que o adoçante possui zero caloria por grama. Essa informação é baseada no processo de absorção e eliminação, que é bastante rápido em comparação ao açúcar e até mesmo aos outros tipos de poliálcool. Por não envolver o metabolismo neste processo, o alimento é considerado light.

As calorias do eritritol é inferior a 1 por grama, integrando o grupo de alimentos de calorias reduzidas.

2. Permitido Para diabéticos

A principal privação na vida de quem é diabético é quanto a alimentos que alterem o pico de insulina no sangue, e a sacarose é um dos integrantes deste grupo.

Dessa maneira, pessoas que sofrem com essa patologia devem se privar de todos os alimentos adoçados com açúcar branco a fim de manter a estabilidade de seus organismos.

No entanto, os poliálcoois podem ser ingeridos sem preocupação pelas pessoas diabéticas, uma vez que sua absorção pelo organismo não interfere no índice glicêmico e nem no equilíbrio de insulina no sangue.

3. Não provoca cáries

Outro malefício ocasionado pelo açúcar comum é a incidência de cáries. No entanto, isso não ocorre com o eritritol.

Assim como outros tipos de poliálcool, ele é resistente ao metabolismo por bactérias bucais. Ao ser ingerido, durante o contato com a boca e com os dentes o alimento torna o ambiente inóspito à proliferação de cáries. Sendo assim, recorrer aos poliálcoois para substituir a sacarose é uma atitude recomendada por dentistas.

É recomendado escolher eritritol como adoçante?

Aderir ao uso de qualquer poliálcool é benéfico em relação ao uso da sacarose, já que o açúcar branco é cariogênico, desequilibra o nível de insulina no corpo, assim como o índice glicêmico, pode ocasionar gastrite, problemas de pressão e obesidade.

Já o eritritol não ocasiona nenhum desses problemas e, por isso, é uma boa opção para quem deseja reduzir o consumo da sacarose.

Ademais, este é um adoçante que não deve ser ingerido por cães ou demais animais, assim como nenhum poliálcool, uma vez que podem causar intoxicação e desencadear reações mais graves.

Vídeo:

Gostou das dicas?

Referências adicionais:

Você já tinha ouvido falar que o eritritol faz mal? Já experimentou o uso desse adoçante? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Deixe um comentário