Fosfatidilserina – O Que é, Para que serve, Benefícios e Efeitos Colaterais

Especialista:
atualizado em 30/11/2015

Aquela perda de memória que chega com a idade já pode ser combatida com uma suplementação adequada. A fosfatidilserina promete melhorar os lapsos de memória e a capacidade mental.

Utilizada no combate ao efeitos do avanço da idade, do estresse e para melhorar a memória e concentração, a fosfatidilserina é uma substância fundamental para a saúde mental e já é empregada no tratamento de muitas doenças.

Apesar de não ser a resposta para todos os problemas do sistema nervoso, que é extremamente complexo, ela pode ser uma excelente aliada da sua saúde com o passar dos anos, que trazem experiência, mas que, infelizmente, também podem deixar marcas na nossa capacidade mental e cognitiva.

No decorrer do texto, iremos compreender o que é a fosfatidilserina, para que serve, quais os seus benefícios e os possíveis efeitos colaterais da sua utilização.

O que é a fosfatidilserina exatamente?

A fosfatidilserina é um fosfolipídeo essencial, que faz parte da constituição das membranas celulares e tem papel fundamental na formação dos neurônios.

As membranas das células são basicamente constituídas por uma dupla camada fosfolipídica, ou seja, de lipídeos que contém grupos fosfatos. Os grupos fosfatos ficam voltados para o exterior e para o interior da célula, em contato com o meio aquoso, enquanto os lipídeos formam a parte lipofílica no interior da membrana. Há ainda proteínas, receptores, transportadores e cadeias de carboidratos que ficam dispersos na membrana ou ancorados à ela, formando um complexo sistema que ao mesmo tempo separa a célula do meio externo e permite seu contato com o tecido ao qual pertence, com os nutrientes e sinalizadores do meio, etc.

A fosfatidilserina se encontra na camada interna dessa membrana e a maior concentração no organismo é encontrada no tecido cerebral. Após conhecer o que é a fosfatidilserina, vamos entender para que serve e qual seu papel no organismo.

Para que serve a fosfatidilserina?

Além do papel na constituição física das membranas, que atuam como proteção das células, a fosfatidilserina dos neurônios é importante para a transmissão dos impulsos nervosos, também chamados sinapses, que são o mecanismo de comunicação entre as células nervosas. A integridade das membranas dos neurônios está diretamente relacionada à capacidade de uma transmissão neuronal efetiva, uma vez que ocorre pela variação de potencial entre os lados interno e externo da membrana.

Considerando que todo pensamento, processamento de informações e comandos enviados pelo cérebro são uma extensa combinação de impulsos elétricos, passados de neurônio a neurônio por meio das sinapses, o suprimento adequado de fosfatidilserina garante uma boa constituição das membranas neuronais, transmissões nervosas efetivas e com isso a saúde do sistema nervoso e da função cognitiva.

Atualmente, a fosfatidilserina é utilizada no tratamento de doenças neurodegenerativas como Alzheimer e Parkinson, no controle do declínio natural da capacidade cognitiva com o avanço da idade, no controle de condições de deficit de atenção e hiperatividade, na prevenção de estresse induzido por exercícios físicos, melhorando a performance física na prática de esportes e também por jovens que desejam melhorar a capacidade de concentração e raciocínio.

Mas como podemos obter fosfatidilserina? Vamos entender agora quais as fontes dessa substância.

Fontes alimentares de fosfatidilserina

Nosso organismo é capaz de sintetizar a fosfatidilserina necessária ao suprimento das membranas celulares, porém com o tempo essa capacidade vai sendo reduzida.

Além disso, como o fosfolipídeo está presente nos alimentos, uma boa parte do que precisamos é obtida diretamente da alimentação. Os alimentos que contém fosfatidilserina são carnes bovinas, aves e peixes, porém é mais abundante no cérebro e vísceras como fígado e rins. Uma fonte vegetal significativa é o feijão branco.

Há ainda a disponibilidade na forma de suplementos alimentares, que no início eram feitos a partir de cérebro de bovinos, porém, devido ao risco de transmissão de doenças, como por exemplo a encefalopatia espongiforme bovina (conhecida como doença da vaca louca), passaram a ser obtidos a partir de lecitina de soja. Entretanto, nenhum caso da doença foi reportado por consumidores do produto de origem animal.

Benefícios da fosfatidilserina

Vejamos agora o papel da fosfatidilserina em nosso corpo.

1) Protege o cérebro contra os efeitos da idade

Com a idade, a tendência é a ocorrência de declínio cognitivo, falhas de memória e degeneração cerebral. Algumas doenças são expressivamente mais incidentes em idosos, como Alzheimer e Parkinson. A suplementação com fosfatidilserina demonstrou combater os efeitos do tempo sobre a saúde do cérebro e de doenças associadas a eles. Com a idade, os níveis desse fosfolipídeo decaem naturalmente e isso contribui para o mau funcionamento cerebral, havendo uma relação direta entre essa queda e o declínio da atividade cognitiva.

A obtenção de fosfatidilserina a partir de suplementos alimentares leva a um suprimento adequado do cérebro, que consegue com maior facilidade manter a integridade das membranas neuronais e funcionar adequadamente. Muitos anos de estudos demonstraram o efeito positivo da fosfatidilserina em minimizar a degeneração cerebral em decorrência da idade, os sintomas de doenças neurodegenerativas e o risco de desenvolvimento de demência.

Um estudo com pacientes portadores de Alzheimer, demonstrou que o consumo de fosfatidilserina por 12 semanas levou a uma significativa melhora nos sintomas da doença. Uma segunda pesquisa com pacientes com demência, também apresentou uma melhora dos sintomas com apenas 3 semanas de suplementação com fosfatidilserina.

Além do papel estrutural nas membranas dos neurônios, acredita-se que o fosfolipídeo também tenha os efeitos positivos por normalizar os níveis de acetilcolina, um neurotransmissor importante para a capacidade cognitiva que também diminui com a idade.

2) Melhora a concentração, memória e aprendizado

Ao melhorar a integridade da membrana interna dos neurônios, a fosfatidilserina melhora as transmissões de impulsos nervosos entre essas células, impulsionando a capacidade cognitiva. O efeito disso é a redução de confusão mental e melhora da clareza de pensamento, da taxa de aprendizado, da memória, da atenção e do estado de alerta.

A ação da fosfatidilserina sobre a melhoria da capacidade cognitiva já foi comprovada por pesquisadores. A suplementação com o fosfolipídeo demonstrou ser capaz de melhorar a memória e o processo de aprendizado, assim como a velocidade em completar tarefas, aumentar em 20% a velocidade de processamento de informações, em 13% a taxa de respostas corretas além de diminuir em 39% a taxa de respostas incorretas, quando comparado a testes de pessoas que tomaram placebo.

O mais curioso é que as pessoas que apresentaram os melhores resultados nos testes anteriores ao uso da fosfatidilserina, foram as que obtiveram um aumento maior no desempenho após a suplementação. Assim, mesmo que você já tenha uma capacidade mental acurada, o consumo de fosfatidilserina pode trazer resultados ainda melhores, e dar um excelente impulso ao seu desempenho cognitivo.

A fosfatidilserina pode ainda auxiliar no tratamento do déficit de atenção e hiperatividade em crianças, condições que comprometem o aprendizado, e da depressão em adultos.

3) Diminui o estresse

Um estudo em que homens saudáveis receberam 200mg de fosfatidilserina por 42 dias demonstrou um menor nível de estresse induzido quando comparados ao grupo controle. Não foram encontradas alterações nos marcadores clássicos de estresse (cortisol e taxa de batimentos cardíacos), o que indica que a fosfatidilserina teria seu efeito através de um mecanismo ainda não elucidado. Esse efeito foi encontrado tanto no consumo de fosfatidilserina extraída do cérebro de bovinos quanto da soja.

Apesar de alguns estudos utilizando a fosfatidilserina isolada de cérebro de bovinos em altas concentrações terem demonstrado uma redução dos níveis de cortisol induzidos por exercício, esse efeito não foi observado quando pacientes foram suplementados com a fosfatidilserina extraída da soja. O que indica que a ação pode ser devido a outros componentes presentes no extrato de origem animal.

4) Melhora da performance física

Em um estudo em que ciclistas receberam 750mg de fosfatidilserina durante 10 dias, foi demonstrado que a suplementação leva a um prolongamento em torno de 29% do tempo necessário para alcançar a exaustão física em atividade de intensidade moderada. O efeito pareceu ser independente de alterações na oxidação de gorduras, dos níveis de cortisol ou da inflamação e dor muscular.

Assim, o nutriente tem grande potencial também para ser utilizado na melhora da performance física na prática esportiva, apesar de precisar de mais estudos para sua confirmação.

Doses recomendadas de Fosfatidilserina

Apesar de aprovada pelo FDA, a agência regulatória americana, não existe uma dose específica recomendada de fosfatidilserina. As doses mais utilizadas são de 100mg uma vez ao dia até três vezes ao dia.

Entretanto estudo com até 600mg ao dia se demonstraram efetivos e sem efeitos colaterais significativos.

Por ter uma meia-vida curta no organismo, recomenda-se que seja ingerida em várias doses ao longo do dia, como por exemplo 300mg divididos em 3 doses de 100mg a cada 8 horas, isso garante um fornecimento constante ao longo do dia.

Associação de fosfatidilserina com outros suplementos

Alguns pesquisadores afirmam que o consumo de fosfatidilserina em conjunto com óleo de peixe, mais conhecido como ômega 3, teria um efeito ainda melhor sobre os parâmetros cognitivos e de redução de estresse. Muitas marcas já vendem os produtos em associação.

O uso de fosfatidilserina em associação ao Ginkgo biloba também tem demonstrado potencializar o efeito de ambos. O Ginkgo biloba é uma erva também utilizada para melhoria da capacidade cognitiva, por aumentar o fluxo sanguíneo no cérebro, e o uso conjunto com a fosfatidilserina pode melhorar ainda mais a memória. Alguns pesquisadores, por outro lado, afirmam que esta associação pode levar a um excessivo afinamento do sangue e por isso seria contraindicada. Mais estudos são necessários para entender os riscos e benefícios do uso conjunto dos dois suplementos.

Efeitos Colaterais da Fosfatidilserina

Alguns efeitos colaterais leves reportados com o uso de fosfatidilserina foram insônia e mal-estar estomacal, principalmente em doses maiores que 300 mg. Porém, as evidências são de que a ingestão do fosfolipídeo é segura em doses até 600mg e em um período de até seis meses.

Entretanto, em alguns casos, podem ser observados efeitos colaterais importantes, veja quais são:

  • Um grande risco associado ao consumo de fosfatidilserina é a interação com o medicamento heparina. A heparina é um anticoagulante utilizado em pacientes com risco de trombose, no tratamento e prevenção da embolia pulmonar, do infarto agudo do miocárdio entre outras doenças cuja causa ou consequência seja uma alta taxa de coagulação sanguínea. A fosfatidilserina pode potencializar o efeito da heparina, levando a sérios riscos de hemorragia e problemas de coagulação. Uma interação em menor grau pode ocorrer com outros anticoagulantes como a varfarina e outros fármacos que também levam à redução da taxa de coagulação como efeito colateral, como a aspirina.
  • Por aumentar os níveis de acetilcolina, a fosfatidilserina pode interagir com medicamentos anticolinérgicos, que atuam bloqueando a ação da acetilcolina no organismo, ou seja, a fosfatidilserina pode diminuir ou anular a ação desses medicamentos. Esse tipo de medicamento pode ser utilizado no tratamento de asma, distúrbios gastrointestinais, hipertensão, tontura, vertigem e enjoo desencadeado pelo movimento, entre muitos outros.
  • Também devido à sua ação sobre os níveis de acetilcolina, a fosfatidilserina pode ainda interagir com medicamentos que também levam ao seu aumento, potencializando os efeitos. Exemplos são os inibidores da acetilcolinesterase, a enzima que degrada a acetilcolina, muito utilizados no tratamento do mal de Alzheimer, e medicamentos empregados no tratamento do glaucoma.

Desta forma, qualquer paciente fazendo uso de heparina, medicamentos anticolinérgicos ou que aumentam os níveis de acetilcolina, não deve ingerir fosfatidilserina ou deve consultar seu médico caso queira passar a fazer a suplementação com essa substância. Os riscos e benefícios devem ser muito bem estudados e ponderados pelo profissional de saúde.

Doses maiores que 600mg por dia não foram testadas e não se sabe quais efeitos podem desencadear.

Não existem estudos sobre os efeitos do uso de fosfatidilserina durante a gravidez e lactação, portanto, pela falta de informações o ideal é evitar o consumo nesses períodos.

Fontes e Referências Adicionais:
  1. FDA – U.S. Food and Drug Administration. “Phosphatidylserine and Cognitive Dysfunction and Dementia (Qualified Health Claim: Final Decision Letter)”.
  2. Blokland, Arjan, et al. “Cognition-enhancing properties of subchronic phosphatidylserine (PS) treatment in middle-aged rats: comparison of bovine cortex PS with egg PS and soybean PS.” Nutrition 15.10 (1999): 778-783.
  3. RIEDEL, WJ. “The influence of soy-derived phosphatidylserine on cognition in age-associated memory impairment.” Nutritional neuroscience 4 (2001): 121-134.
  4. Jäger, Ralf, et al. “The effect of phosphatidylserine on golf performance.” Journal of the International Society of Sports Nutrition 4.1 (2007): 1-5.
  5. Starks, Michael A., et al. “The effects of phosphatidylserine on endocrine response to moderate intensity exercise.” Journal of the International Society of Sports Nutrition 5.1 (2008): 1-6.
  6. Castilho, João C., et al. “Phosphatidylserine: an antidepressive or a cognitive enhancer?” Progress in Neuro-Psychopharmacology and Biological Psychiatry 28.4 (2004): 731-738.
  7. Kato-Kataoka, Akito, et al. “Soybean-derived phosphatidylserine improves memory function of the elderly Japanese subjects with memory complaints.” Journal of clinical biochemistry and nutrition 47.3 (2010): 246.
  8. Kingsley, Michael. “Effects of phosphatidylserine supplementation on exercising humans.” Sports medicine 36.8 (2006): 657-669.
  9. Manor, I., et al. “The effect of phosphatidylserine containing Omega3 fatty-acids on attention-deficit hyperactivity disorder symptoms in children: a double-blind placebo-controlled trial, followed by an open-label extension.” European Psychiatry 27.5 (2012): 335-342.
  10. Richter, Yael, et al. “The effect of soybean-derived phosphatidylserine on cognitive performance in elderly with subjective memory complaints: a pilot study.” Clinical interventions in aging 8 (2013): 557.

Já foi recomendada a você a suplementação com Fosfatidilserina? Por que motivo você a tomaria? Já tomou e percebeu bons resultados? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (86 votos, média: 3,83 de 5)
Loading...
Sobre Julio Bittar e Dra. Patricia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário

11 comentários em “Fosfatidilserina – O Que é, Para que serve, Benefícios e Efeitos Colaterais”

  1. Sirvo-me desta oportunidade para pedir o seguinte:
    tomo ELIQUIS 2,5mg, COMBODARTE e COENZIMA Q10. Alguma restrição?
    Obrigado, Jose Alberto

  2. Coisa boa; essa recomendação de tomar em doses menores, durante o dia é boa. Para evitar os problemas estomacais, dilua na glicerina a aplique na pele.

  3. Comecei a usar fosfatidil serina por recomendação do meu farmacêutico para tratamento de insônia porque ele é modulador do cortisol ( hormônio do estresse) e assim, sinto sono à noite com mais facilidade. Tomo apenas 200 mg no princípio da noite ou 1 hr antes de dormir.

  4. Tenho 31 anos, estou perdendo minha memória recente ?, faço tratamento pra depressão e ansiedade, me assustei com o valor desse remédio, mas é necessário o uso dele se não vou piorar, estou muito triste.

  5. Olá, uso a fosfatidilserina há 6 meses e me sinto muito bem. Gostaria de indicações de marcas, laboratórios, importadores etc…porque o meu custo está muito alto.

  6. Tenho 70 anos. Há pouco menos de um ano, sentia grande diminuição da capacidade de memória, em geral, mas sobretudo da memória de curto prazo. Comecei a tomar fosfatidilserina (3 tomas de 200mg cada, uma ao pequeno almoco, outra ao almoço e a última ao jantar) O efeito foi extraordinário e sinto-me com a capacidade que tinha há 10 ou 15 anos atrás. Tomo igualmente Piracetam 1 200 mg (1 ao pequeno almoço e outro ao jantar) e, ainda, ultra vinca 5mg (1 ao pequeno almoço, outro ao almoço e outro ao jantar). A diferença é verdadeiramente extraordinária.

  7. Gostaria de saber se posso tomar fosfatidilserina. Tomo Pradaxa 100mg, um de manhã e outro ao jantar e, apodardes, 1 por dia. Tomei conhecimento desse medicamento para a memória, através duma revista .Obrigada

  8. Não nunca tomei fosfatidilserina.Conheci através de pesquisa na internet de suplementos para a memoria.