Prednisona Engorda?

Especialista:
atualizado em 05/10/2015

Prednisona é um medicamento indicado para o tratamento de casos de distúrbios endócrinos, problemas dos ossos e músculos como artrite, osteoartrite e bursite, doenças do colágeno, doenças dermatológicas como dermatite, micose e psoríase, condições relacionadas à alergia como rinite e asma, doenças dos olhos como conjuntivite alérgica, doenças respiratórias como tuberculose pulmonar e distúrbios do sangue como anemia.

A prednisona, que está categorizada na classe dos corticoides, também pode ser utilizada como remédio paliativo de leucemia em adultos e crianças e linfomas em adultos, controlar estados de inchaço motivados pelo excesso de líquido nos tecidos do corpo e tratar a meningite tuberculosa.

Sua comercialização está autorizada somente mediante a apresentação de receita médica e a substância pode ser encontrada para venda em caixinhas com 10, 20, 30 60, 90, 100, 200 e 500 (embalagem hospitalar) comprimidos de 5 ou 20 mg. A sua ingestão é via oral e seu uso é tanto pediátrico quanto adulto.

Prednisona engorda?

Uma preocupação que algumas pessoas podem ter, especialmente aquelas mais dedicadas à manutenção da boa forma física e que não gostam de exibir quilinhos em excesso, ao terem a indicação do médico de utilizar determinado remédio, é se ele traz o aumento de peso como um de seus efeitos colaterais ao não.

E quanto ao medicamento que estamos abordando? Será que a Prednisona engorda? Apesar do aumento de peso não aparecer listado na bula do medicamento, é possível afirmar sim que ele pode estimular o crescimento do número que aparece na balança. Essa é uma das reações geradas pelos corticoides, grupo em que ele está incluído.

A Prednisona engorda de acordo com a dosagem que o paciente é orientado a tomar. A tendência é que isso aconteça quando ele ingere a partir de 5 mg diariamente da substância, que além do ganho de peso, pode causar também acúmulo de gordura no tronco e no abdômen.

E conforme a dose do remédio sobe, é provável que a quantidade de quilos ganhos também aumente.

Além disso, existe ainda a possibilidade de o remédio trazer outros problemas como fraqueza muscular, osteoporose, fratura de ossos longos e ruptura de tendão. Todos esses efeitos impossibilitam a prática de atividades físicas com regularidade e tornam o paciente menos ativo, o que contribui para um gasto calórico menor. Isso pode resultar em um acúmulo extra de energia, que se reverte em mais gordura corporal e um peso maior.

Para quem cultiva massa muscular no corpo ou deseja adquirir o crescimento nesse quesito, é importante informar que Prednisona também pode causar a perda de massa muscular.

Para amenizar essa situação, a recomendação é que ao utilizar o medicamento, a pessoa tome um cuidado especial com a alimentação, esforçando-se para fazer refeições saudáveis e equilibradas, que forneçam nutrientes ao organismo ao mesmo tempo que não exagerem na quantidade de calorias. Passar longe de guloseimas, besteiras e frituras que causam o acúmulo de gordura também é uma boa alternativa.

E para quem sofre com a magreza excessiva, vale ressaltar que o uso do remédio não é indicado para tratar o problema. Isso porque ele tem como propósito lidar outras condições e é perigoso expor o organismo aos seus efeitos colaterais sem a devida necessidade. Em vez de ingeri-lo, o melhor é investir em uma dieta própria para o ganho de peso e, principalmente, pedir a ajuda de um médico para encontrar um método saudável e eficiente para atingir o peso adequado.

Outros efeitos colaterais 

Já foi dito acima que a Prednisona engorda, pode causar fraqueza muscular, osteoporose, fratura de ossos longos e ruptura do tendão. Veja a seguir quais os outros efeitos colaterais possivelmente trazidos pelo uso da substância:

  • Retenção de sódio;
  • Perda de potássio;
  • Retenção de fluídos;
  • Insuficiência cardíaca congestiva em pessoas com tendência ao problema;
  • Hipertensão;
  • Alcalose hipocalêmica – condição em que os fluídos do corpo ficam acima do pH normal causa pelo baixo nível de potássio no corpo;
  • Agravamento dos sintomas de miastenia gravis – doença caracterizada pela fraqueza muscular;
  • Fraturas por compressão vertebral;
  • Necrose asséptica da cabeça do fêmur – morte das células ósseas na região;
  • Úlcera péptica – ferida que se desenvolve no interior do esôfago, estômago e duodeno;
  • Miopatia – doença que afeta os tecidos musculares;
  • Pancreatite;
  • Distensão abdominal;
  • Esofagite ulcerativa – inflamação no esôfago com formação de feridas;
  • Retardo na cicatrização;
  • Atrofia na pele;
  • Pele fina e frágil;
  • Petéquias – pontos vermelhos no corpo;
  • Equimoses – manchas roxas na pele causadas por extravasamento de sangue;
  • Eritema facial;
  • Suor excessivo;
  • Reações alérgicas;
  • Convulsão;
  • Aumento da pressão intracraniana;
  • Vertigem;
  • Dor de cabeça;
  • Irregularidades no ciclo menstrual das mulheres;
  • Supressão do crescimento de feto ou crianças;
  • Insuficiência suprarrenal ou hipofisária;
  • Redução da tolerância a carboidratos;
  • Manifestação de diabetes mellitus latente;
  • Aumento da necessidade de insulina ou remédios do tipo hipoglicemiantes em portadores de diabetes;
  • Catarata;
  • Glaucoma;
  • Elevação da pressão dentro dos olhos;
  • Exoftalmia – olhos saltados;
  • Euforia;
  • Alterações na personalidade;
  • Depressão grave;
  • Insônia;
  • Desenvolvimento do estado cushingoide – em que os níveis do hormônio do estresse, o cortisol, estão elevados;
  • Balanço nitrogenado negativo causado pelo desgaste de proteínas;
  • Catarata congênita nos fetos de usuárias grávidas;
  • Insuficiência adrenal por estresse no parto;
  • Irritação excessiva.

Contraindicações e cuidados 

Como o medicamento pode causar problemas ao feto e à gestante, é importante que o seu uso seja feito com bastante cuidado e acompanhamento médico devido por mulheres grávidas. O mesmo vale para as crianças, tendo em vista que ele pode prejudicar o crescimento.

Prednisona não deve ser ingerida por pessoas que sofram de infecções por fungos que afetem grande parte do corpo ou pacientes com hipersensibilidade a corticoides ou algum dos componentes encontrados na fórmula do remédio.

Quem recebeu a orientação do médico de se tratar com o medicamento deve respeitar adequadamente as suas ordens em relação à dosagem. E ao perceber o aparecimento de uma ou mais reações adversas, o profissional responsável pelo tratamento deve ser informado rapidamente.

Visto que o remédio só pode ser utilizado via prescrição médica, é essencial não se automedicar com ele. É fundamental ter o aval do médico para começar a se tratar com a Prednisona, ou qualquer outro tipo de substância, para não correr o risco de sofrer graves problemas de saúde, seja por conta de contraindicações desconhecidas, seja pelos efeitos colaterais, seja por dosagem equivocada.

Você conhece alguém que utilize este medicamento e afirme que a ingestão de Prednisona engorda? Tem medo de começar este tratamento e sofrer com o ganho de peso? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (98 votos, média: 3,91 de 5)
Loading...
Sobre Julio Bittar e Dra. Patricia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário