18 remédios para fígado mais usados, e dicas importantes

Especialista da área:
atualizado em 30/11/2021

O fígado é um dos órgãos mais importantes do corpo, o que torna necessário conhecer os remédios mais usados para tratar problemas que possam atingi-lo.

Ele é conhecido como o desintoxicador do corpo, atuando na retirada de toxinas do sangue. Mas este não é o único papel do fígado, como veremos mais adiante.

  Continua Depois da Publicidade  

Por isso, a seguir vamos conhecer quais são esses remédios para o fígado, além de entender qual a importância e quais problemas podem atingir este órgão.

Importante: Este artigo tem um propósito meramente informativo e jamais pode substituir o diagnóstico ou a prescrição médica. Portanto, antes de utilizar qualquer um dos remédios para fígado aqui descritos, você precisa consultar o médico para que o seu tratamento seja realizado com segurança.

Veja também: Gordura no fígado é grave? Tem cura?

Qual a importância do fígado?

fígado doente vs fígado saudável

O fígado é um dos maiores órgãos do nosso corpo, e possui diversas funções vitais no organismo, como:

  • Desintoxicação, retirando substâncias nocivas do sangue
  • Produção de sais biliares, que participam do processo de digestão
  • Metabolismo e ativação de medicamentos e nutrientes
  • Armazenamento de glicose na forma de glicogênio
  • Produção de proteínas do sangue, como a albumina.

Assim, muitas doenças podem afetar esse órgão e causar problemas em uma ou mais dessas funções, que levam a sintomas que podem passar desapercebidos por bastante tempo. Os principais são:

  Continua Depois da Publicidade  

  • Vômito
  • Fadiga
  • Náuseas
  • Hemorragias
  • Icterícia, que é o amarelamento da pele e dos olhos
  • Urina escura
  • Fezes esbranquiçadas
  • Inchaço e dor abdominal
  • Febre
  • Inchaço de membros, principalmente nas pernas. 

Portanto, é importante procurar atendimento médico caso alguns desses sintomas apareçam com frequência.

Quais os tipos de remédio caseiro para o fígado mais usados?

Existem diversas opções de remédio para o fígado, incluindo aqueles comprados em farmácias, os caseiros e mudanças de comportamento e estilo de vida. Mas é sempre importante lembrar que os remédios caseiros não podem substituir aqueles que são prescritos pelo médico, e que essa substituição pode causar problemas sérios de saúde.

Então, vamos agora conhecer 18 remédios para fígado e entender como eles atuam no organismo:

1. Metformina

A metformina é um remédio normalmente utilizado para o tratamento da diabetes tipo 2, mas que pode ser usado para o tratamento de outras doenças como a esteatose hepática.

Isso acontece porque este medicamento têm a capacidade de induzir mudanças na flora intestinal, e a partir desse efeito, reduzir a gravidade da doença hepática gordurosa.

2. Figatil

O Figatil é um medicamento fitoterápico composto por boldo e a alcachofra, que ajuda na produção e na excreção de bile pelo fígado, ajudando no tratamento de alguns problemas que envolvem o fígado, principalmente a má digestão.

  Continua Depois da Publicidade  

Entretanto, o medicamento não deve ser utilizado em casos de hepatites graves, cirrose avançada e doenças hepáticas que afetem o ducto biliar. 

3. Hepatilon

O Hepatilon é outro medicamento para o fígado contendo boldo, e age de forma semelhante ao Figatil, estimulando a produção e a secreção da bile pela vesícula, promovendo uma melhor digestão dos alimentos gordurosos.

Ele é indicado para o tratamento de distúrbios hepatobiliares e para distúrbios digestivos leves.

remédios diversos

4. Xantinon

Composto por metionina e colina, o xantinon também estimula o fluxo de bile, melhorando a digestão e o funcionamento do fígado. Por isso, pessoas com obstrução dos ductos biliares devem evitar usar este medicamento, evitando assim a piora do quadro. 

5. Orlistat

Este não é um medicamento específico para o fígado, mas ele reduz a absorção intestinal de gordura, e por isso é muito usado para o tratamento da esteatose hepática (doença do fígado gorduroso).

Assim, ao mesmo tempo que auxilia na redução do peso, o Orlistat promove a redução dos níveis de gorduras no fígado.

  Continua Depois da Publicidade  

6. Silimarina

A silimarina é um medicamento utilizado na prevenção e no tratamento de danos tóxicos, metabólicos e infecciosos nas células hepáticas.

Ela pode ainda ser usada em conjunto com a metionina, quando há sobrecarga da função hepática, como nas dietas ricas em gordura, com ingestão de álcool e de medicamentos.

7. Citrato de colina

A colina é uma vitamina do complexo B presente em uma série de alimentos, e que contribui para o bom funcionamento do fígado e do metabolismo, evitando o acúmulo de gordura.

Por isso ela pode ser usada tanto isoladamente quanto em associação com outras substâncias, como é o caso da metionina. 

8. Chá de borututu

Apesar de pouco conhecido no Brasil, o borututu é um produto natural que vem ganhando cada vez mais adeptos. Ele é extraído de uma planta africana e, de acordo com seus usuários, pode ser usado para tratar problemas relacionados à digestão e à vesícula biliar.

Mas os efeitos do chá de borututu ainda não são totalmente conhecidos pela ciência, e por isso seu uso é contraindicado por alguns especialistas. 

9. Chá de quebra-pedra

A quebra-pedra é uma planta medicinal muito usada para o tratamento de pedra nos rins. Mas muitos alegam que seus efeitos também podem beneficiar o fígado, ajudando na diminuição do acúmulo de gordura no órgão.

No entanto, é importante ressaltar que, assim como ocorre com o chá de borututu, os efeitos do chá de quebra-pedra ainda precisam ser melhor estudados.

10. Chá de cardo de leite

O chá de cardo de leite, também conhecido como cardo mariano, é outro remédio caseiro para o fígado bastante utilizado em algumas regiões do país, uma vez que ele parece estimular a produção e a excreção de bile. 

Entretanto, seu uso ainda vem sendo estudado por pesquisadores, para entender melhor seus efeitos e funcionamento.

11. Suplementos de ômega 3

O ômega 3 é um nutriente que pode contribuir para a redução dos níveis de colesterol e triglicerídeos no sangue, além de ajudar tratar casos leves de gordura no fígado. 

Por este motivo, o uso de suplementos de ômega 3, assim como o consumo de alimentos ricos neste nutriente, pode ser benéfico para pessoas com esteatose hepática, desde que seu uso seja orientado por um médico.

suplemento de Ômega 3

12. Chá de gengibre com limão

Este chá, apesar de não agir diretamente no fígado, é bastante utilizado para esta finalidade. Isso se deve a sua ação anti-inflamatória e aos nutrientes presentes na bebida, como a vitamina C.

Por isso, o chá de gengibre com limão é utilizado por muitos após as refeições, principalmente quando ela inclui alimentos gordurosos.

13. Alcachofra

A alcachofra é um vegetal rico em diversas vitaminas, e que devido a seu conteúdo nutricional possui inúmeras propriedades medicinais.

Ela contém uma substância chamada cinarina (de sabor amargo) que ajuda a melhorar as funções hepáticas, sendo bastante recomendada principalmente para o tratamento da gordura no fígado.

Além disso, a planta também possui ação diurética e pode ajudar no controle das taxas de açúcar no sangue.

14. Suplemento de vitamina E

Uma pesquisa conduzida na Universidade da Flórida, nos Estados Unidos, sugeriu que mudanças no estilo de vida, acompanhadas do uso de suplementos de vitamina E, podem ser úteis para quem tem o fígado danificado em decorrência do acúmulo de gordura no órgão que não seja causado pelo uso de álcool.

Isso acontece porque a vitamina E atua como um antioxidante, diminuindo a inflamação local, o que favorece a melhora do quadro e dos sintomas.

Entretanto, antes de aderir a um suplemento de vitamina E, converse com o seu médico para saber se o produto é realmente indicado para você, se ele não pode te fazer, além de definir qual a dosagem indicada.

Outras formas de melhorar a saúde do fígado

Além dos medicamentos da medicina convencional e da medicina alternativa, existem outras mudanças que se pode fazer no dia a dia que diminuem o risco de desenvolvimento de problemas hepáticos, além de melhorarem o quadro, quando esses problemas já ocorreram.

São elas:

15. Evitar substâncias que pioram a situação do fígado

Algumas substâncias, quando utilizadas de forma exagerada, podem causar danos ao fígado. É o caso de bebidas alcoólicas, drogas e medicamentos, além de alimentos gordurosos. 

Portanto, para quem já foi diagnosticado com problemas no fígado, uma boa estratégia é passar longe dessas substâncias que podem prejudicar o órgão.

Mas, como a lista de substâncias é grande, o ideal é procurar a orientação de um profissional de saúde, que irá avaliar o seu caso e informar sobre os compostos e alimentos potencialmente danosos.

16. Mudanças no estilo de vida

Juntamente com o uso de medicamentos, seu médico pode sugerir algumas mudanças de estilo de vida, como melhorar a alimentação e realizar atividades físicas regularmente. Assim, pode-se reduzir o peso corporal e melhorar a circulação e o metabolismo, o que impactaria de forma positiva na saúde como um todo, incluindo no fígado.

Mas, é de grande importância que essas mudanças sejam acompanhadas de um monitoramento cuidadoso da função hepática, para assim adaptá-las da melhor forma possível ao seu dia a dia.

mulher correndo corrida

17. Procedimentos cirúrgicos

Existem alguns problemas no fígado que não podem ser tratados das formas citadas acima. Nesses casos, pode ser que seu médico indique a realização de algum tipo de cirurgia, como a retirada da vesícula e mesmo o transplante do órgão.

18. Prevenção e testes de hepatites virais

As hepatites virais podem causar desde um quadro simples e autolimitado, como a hepatite A, até uma doença sem cura, como é o caso da hepatite B crônica.

Por isso, a prevenção e o diagnóstico precoce são a melhor forma de evitar quadros mais severos, e podem incluir:

  • Uso de preservativos
  • Vacinas (disponíveis para os vírus da hepatite A e B)
  • Testagem de anticorpos e antígenos, disponíveis tanto na rede pública quanto na particular.

Como definir os tratamentos e remédios adequados para fígado?

Os tratamentos das doenças relacionadas ao fígado devem ser definidos de acordo com o diagnóstico e com as causas do problema. Por exemplo, em muitos casos, os problemas foram gerados por maus hábitos alimentares e o tratamento pode incluir pequenas alterações no estilo de vida da pessoa, sem necessariamente incluir o uso de medicamentos.

Mas em situações mais graves, além das mudanças na alimentação, o uso de remédios para fígado pode ser necessário, para tentar reverter o problema ou tratar suas causas e consequências.

Por isso, o diagnóstico médico é essencial para determinar a forma de lidar com o problema, melhorando os resultados do tratamento e evitando a ocorrência de efeitos colaterais.

Dicas e cuidados

Os medicamentos, sejam eles naturais, à base de ervas ou de laboratórios farmacêuticos, possuem contraindicações e podem provocar efeitos colaterais. Então, siga corretamente as instruções de uso dadas por seu médico, e evite a automedicação.

Outro ponto a se levar em consideração é que muitos chás e medicamentos podem agredir o fígado, principalmente quando usados em exagero. Por fim, a adoção de uma dieta balanceada adaptada às especificidades de cada um traz benefícios para o organismo, tanto de pessoas sadias quanto de quem apresenta algum problema de saúde.

Vídeos sobre os remédios e cuidados para o fígado

Fontes e referências adicionais

O que você achou desses 18 remédios e soluções para fígado mais usados? Já utilizou algum deles? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (61 votos, média 3,95)
Loading...
Sobre Dr. Lucio Pacheco

Dr. Lucio Pacheco é Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral - CRM 597798 RJ/ CBCD. Formou-se em Medicina pela UFRJ em 1994. Em 1996 fez um curso de aperfeiçoamento em transplantes no Hospital Paul Brousse, da Universidade de Paris-Sud, um dos mais especializados na Europa. Concluiu o mestrado em Medicina (Cirurgia Geral) em 2000 e o Doutorado em Medicina (Clinica Médica) pela UFRJ em 2010. Dr. Lucio Pacheco é autor de diversos livros e artigos sobre transplante de fígado. Atualmente é médico-cirurgião, chefe da equipe de transplante hepático do Hospital Copa Star, Hospital Quinta D'Or e do Hospital Copa D'Or. Além disso é diretor médico do Instituto de Transplantes. Suas áreas de atuação principais são: cirurgia geral, oncologia cirúrgica, hepatologia, e transplante de fígado. Para mais informações, entre em contato.

Deixe um comentário