Franol emagrece mesmo? Para que serve, efeitos colaterais e como tomar

Especialista da área:
atualizado em 11/07/2021

Fazer atividade física pelo menos quatro vezes por semana, manter uma dieta saudável e dormir oito horas por noite são as principais dicas para eliminar o excesso de peso sem sofrer com o indesejável efeito sanfona.

  Continua Depois da Publicidade  

Embora esta ainda seja a melhor maneira de emagrecer e não voltar a engordar, há quem prefira “cortar o caminho” e optar por medicamentos que aceleram o processo de emagrecimento.

Um deles é exatamente o Franol, remédio desenvolvido para o tratamento de problemas respiratórios mas que tem sido utilizado, de forma diversa da recomendada pelos órgãos competentes como a ANVISA por exemplo, para facilitar a perda de peso.

Vamos a seguir fazer uma análise dos componentes da sua fórmula, e ver se os mesmos tem alguma ação efetiva na perda de peso.

O que é e para que serve?

Franol é o nome comercial utilizado pelo laboratório Sanofi-Aventis para designar o medicamento composto por sulfato de efedrina e teofilina.

Segundo a bula do remédio:

“Franol é um medicamento que possui em sua fórmula duas substâncias: a teofilina e o sulfato de efedrina. Estas substâncias possuem ação complementar promovendo a dilatação dos brônquios e dos vasos pulmonares, aliviando os sintomas da asma brônquica.”

Após a proibição da comercialização da efedrina para fins estéticos, muitas pessoas passaram a recorrer ao Franol como fonte da substância, uma vez que a efedrina tem efeito sobre o metabolismo do organismo, e segundo alguns estudos, pode favorecer a perda de peso.

Como funciona?

conjunto de células de gordura
Conjunto de células de gordura

A efedrina é um dos quatro princípios ativos da Efedra (Ephedra sinica), uma planta utilizada há mais de 5 mil anos na China para o tratamento da asma e dos sintomas da gripe.

Pesquisas demonstraram que a efedrina induz a maior mobilização do tecido adiposo como fonte de energia como também pelo aumento do metabolismo, favorecendo o processo de emagrecimento.

  Continua Depois da Publicidade  

Ao acelerar o metabolismo, a efedrina obriga o corpo a recorrer aos próprios estoques de gordura para obter energia para reequilibrar a temperatura corporal.

A utilização da efedrina para a perda de peso representa um grande risco à saúde, e por isso que o Brasil e diversos outros países baniram a sua utilização para fins estéticos.

Contudo os riscos da utilização da efedrina para a perda de peso são altos, e por isso sua utilização foi banida no Brasil e em vários países do mundo, incluindo até mesmo os Estados Unidos, que é um país com uma tradição mais liberal com relação ao desenvolvimento e comercialização dos suplementos alimentares.

Mecanismo de ação do Franol

O Franol aumenta o metabolismo através da ação direta da efedrina, uma droga simpatomimética que estimula a liberação de noradrenalina (neurotransmissor precursor da adrenalina).

Ao ser liberada, a noradrenalina passa a interagir com as fibras musculares e os adipócitos, atuando como um antagonista adrenérgico não-específico. Pareceu complicado? Então veja algumas das funções desse neurotransmissor:

  • Aumento da frequência dos batimentos cardíacos;
  • Vasoconstrição e consequente aumento da pressão arterial;
  • Elevação do nível de açúcar no sangue;
  • Maximização do fluxo de sangue para os músculos;
  • Queima da gordura presente nos adipócitos.

Estudos desenvolvidos com seres humanos também demonstraram que a efedrina administrada via oral aumenta o consumo de oxigênio 30-60 minutos após a ingestão da droga. E como há uma relação direta entre o gasto energético e o consumo de oxigênio, podemos concluir que o Franol é capaz de elevar o consumo de calorias corporais, mesmo em repouso, aumentando o metabolismo basal.

Franol emagrece mesmo?

mulher com dúvidas

Como acabamos de ver acima, boa parte das propriedades do Franol se deve ao mecanismo de funcionamento da efedrina, substância que esteve presente em uma série de medicamentos para emagrecer disponíveis no mercado até a proibição da ANVISA.

O Franol tem poder vasoconstritor e atua como um termorregulador, elevando a temperatura corporal e promovendo um aumento do metabolismo. Esse efeito, por sua vez, leva à eliminação da gordura previamente armazenada na forma de tecido adiposo, e o resultado é a perda de peso.

O que diz a ciência

Estudos desenvolvidos com animais demonstraram que a efedrina pode aumentar o gasto energético de repouso (GER) em até 10%, embora o resultado não tenha se repetido de maneira exatamente idêntica em seres humanos.

  Continua Depois da Publicidade  

Pesquisas com voluntários que receberam efedrina com cafeína (combinação mais potente, porém mais perigosa) encontraram um aumento de 3,6%- 10,7% do GER em relação ao grupo controle que não tomou o composto.

Um estudo desenvolvido especificamente com a efedrina e a teofilina (os dois compostos ativos do Franol) demonstrou resultados promissores. Pesquisadores forneceram a combinação a ratos obesos que estavam fazendo dieta havia três semanas, e notaram que todos os animais do grupo experimental apresentaram uma perda de peso maior do que aqueles do grupo controle.

Para os autores da pesquisa, os resultados podem ser explicados pela elevação do gasto energético basal e pelo aumento da atividade da lipase hepática. Enzima que tem função lipolítica, a lipase hepática ajuda a remover o excesso de triglicérides (gordura) da circulação, a fim de utilizá-los para a formação de colesterol LDL.

Contraindicações

Consta na bula que o Franol não deve ser utilizado pelos seguintes indivíduos:

  • Hipersensíveis aos componentes da fórmula;
  • Que sofreram recente infarto do miocárdio (necrose (morte) de parte do músculo cardíaco por falta de irrigação sanguínea adequada de nutrientes e oxigênio);
  • com taquicardia aguda (aumento do número ou “velocidade” dos batimentos cardíacos);
  • Angina instável (dor no peito);
  • Hipertensão severa (pressão alta);
  • Doença arterial coronariana severa (distúrbio das artérias do coração);
  • Porfiria (doença metabólica que se manifesta através de problemas na pele e/ou complicações neurológicas do sistema nervoso);
  • Hipertireoidismo (produção excessiva de hormônios pela glândula tireoide);
  • Aqueles que fazem uso de xantinas.

Franol também não deve ser usado durante a gravidez e amamentação, e ele não deve ser utilizado sem orientação médica.

Efeitos colaterais

Segundo os dizeres legais do medicamento, as reações adversas com Franol são leves, geralmente não necessitando de tratamento. Porém, doses excessivas podem causar:

  • Arritmia/palpitação (descompasso dos batimentos do coração);
  • Taquicardia (aceleração do ritmo cardíaco);
  • Rubor (vermelhidão);
  • Vertigem, dor de cabeça;
  • Tremor;
  • Ansiedade;
  • Agitação;
  • Insônia;
  • Fraqueza;
  • Náusea;
  • Vômito;
  • Dispepsia (má digestão);
  • Sede;
  • Aumento da sudorese (suor);
  • Dificuldade de micção (para urinar).

Algumas pessoas podem apresentar um ou mais destes sintomas, mesmo com a dose terapêutica.

Afinal, vale a pena?

Antes de mais nada, estamos nos referindo a um objetivo diverso do aprovado pela ANVISA para o medicamento, portanto à primeira vista não se deve consumir o medicamento com outro propósito que não aquele descrito na bula.

E por falar em bula, percebe-se através de uma rápida leitura que o medicamento oferece uma série de riscos à saúde, se consumido sem prescrição e acompanhamento médico.

Optar por aumentar o metabolismo naturalmente, através de pequenas modificações na dieta e na rotina de treinos. Acrescentar alimentos termogênicos ao cardápio, beber mais água e incluir exercícios de alta intensidade na rotina diária são algumas das maneiras de elevar seu gasto energético sem precisar recorrer a medicamentos para emagrecer.

Para acessar a bula completa do Franol no site da Anvisa, acesse o bulário eletrônico.

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (226 votos, média 3,89)
Loading...
Sobre Marcela Gottschald

Marcela Gottschald é Farmacêutica Clinica - CRF-BA 8022. Graduada em farmácia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) em 2013. Residência em Saúde mental pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Experiência em pediatria e nefrologia, com ênfase em unidade de terapia intensiva. Ela faz parte da equipe de redatores do MundoBoaForma.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário