Home » Suplementos » Emagrecimento » Ômega 3 para Diabetes – Benefícios, Estudos e Dicas
Ômega 3

Ômega 3 para Diabetes – Benefícios, Estudos e Dicas

Dentre todos os casos de diabetes, 90 a 95% são de diabetes mellitus tipo 2 (DM), considerada um grande desafio para a saúde pública, porque se tornou uma epidemia em todo o globo. A condição é precursora de doenças coronarianas, derrames, falência renal, cegueira e doença arterial periférica.

  Continua Depois da Publicidade  

Estudos e experimentos clínicos revelam que o estilo de vida, incluindo a dieta, é o fator principal na remissão da doença. Por isso, uma compreensão maior do papel de determinados alimentos e nutrientes na patogênese da diabetes é importantíssima. Vamos conferir, por exemplo, quais são os benefícios do consumo de alimentos ricos em ômega 3 para diabetes.

Ácidos graxos Ômega-3

Os ácidos graxos Ômega-3 são gorduras poli-insaturadas (PUFAs), que proporcionam diversos benefícios para a saúde do corpo, que necessita deles, mas não os produz. Existem 3 tipos de ácidos graxos: o ALA (ácido alfa-linoleico), encontrado nos vegetais, nozes e sementes de linhaça; o EPA (ácido eicosapentaenóico) e o DHA (ácido docosahexaenóico), encontrados nos peixes, como salmão, sardinha, e outros, e nos ovos, em concentrações menores.

Os especialistas em saúde concordam que, em geral, é bom para a maioria das pessoas (com ou sem diabetes) consumir mais ômega 3 em sua dieta. E estudos científicos comprovam que é importante o consumo de uma dieta rica em ômega 3 para diabetes, pois ela pode diminuir a resistência à insulina.

Além dos alimentos, pode-se obter os ácidos graxos ômega 3 através da ingestão de suplementos de óleo de peixe. Os estudos mostram que os suplementos de óleo de peixe podem diminuir os níveis de triglicerídeos em pessoas com diabetes tipo 2, o que, consequentemente leva à redução de doenças cardíacas.

  Continua Depois da Publicidade  

No entanto, em algumas pessoas, os suplementos de óleo de peixe podem aumentar os níveis de lipoproteínas de baixa densidade (LDL), o chamado “mau” colesterol. As pessoas que ingerem esses suplementos devem monitorar seus níveis de lipídeos no sangue com regularidade.

3 gramas diárias de ômega 3 para diabetes é considerado seguro, de acordo com o Food and Drug Administration (FDA). Porém, deve-se consultar o médico para a dose específica para as pessoas com altos níveis de colesterol LDL, pessoas com risco de sangramento, gestantes e mulheres em fase de lactação, e crianças pequenas.

Fontes de Ômega 3

Os ácidos graxos EPA e DHA são encontramdos em peixes de água fria: salmão, cavalinha, linguado, sardinhas, atum e arenque. O ALA encontra-se em sementes de linhaça, óleo de linhaça, grãos de soja, sementes de abóbora, óleo de sementes de abóbora, óleo de sementes de perilla, nozes, óleo de nozes e na beldroega.

Existe um debate na comunidade científica sobre as fontes vegetais e animais do ômega 3. Alguns afirmam que o ALA supriria as necessidades dos ácidos graxos EPA e DHA. Outros afirmam que não suprem.

Ômega 3 para diabetes

Os ácidos graxos omega 3 são considerados essenciais. São importantes para a saúde, mas não são produzidos no corpo. Devemos obtê-los através dos alimentos.

Também conhecidos como ácidos graxos poliinsaturados (PUFAs), eles têm um papel fundamental no funcionamento do cérebro, no crescimento e desenvolvimento. Sua popularidade aumentou porque podem reduzir o risco de doenças cardíacas e beneficiar pessoas com diabetes.

  Continua Depois da Publicidade  

A American Heart Association (AHA) recomenda o consumo de peixes pelo menos duas vezes por semana, especialmente truta (encontrada em lagos), cavalinha, arenque, sardinhas e atum.

Os ácidos graxos Ômega 3 concentram-se em quantidade no cérebro, e influenciam o desempenho da memória e comportamento. Sintomas de deficiência de ômega 3 são fadiga, memória fraca, pele seca, problemas de coração, alternâncias de humor, e prejuízo da circulação sanguínea. Por isso, é imprescindível o consumo de ômega 3 para diabetes.

Os diabéticos apresentam o padrão de níveis de HDL baixos (colesterol “bom”) e níveis LDL altos (colesterol “mau”). O ômega 3 de óleo de peixe pode ajuda a aumentar o HDL e a reduzir os triglicerídeos e proteínas indicadoras da diabetes.

  Continua Depois da Publicidade  

Já o ALA não produz os mesmos benefícios que o óleo de peixe. Algumas pessoas com diabetes não conseguem converter com eficiência o ALA em EPA e DHA , para que possam ser utilizados pelo corpo.

Algumas pessoas com diabetes tipo 2 podem ter ainda uma leve melhora na digestão do açúcar quando consomem óleo de peixe. Portanto, consulte seu médico se você pode tomar óleo de peixe.

Dieta Mediterrânea

A dieta Mediterrânea dá grande destaque aos alimentos que contêm os ácidos graxos ômega 3 e ômega 6 de forma balanceada. Compõe-se de alho, azeite de oliva, peixes, vinho em doses moderadas, frutas e vegetais, e grãos integrais.

Essa dieta favorece pessoas com problemas cardíacos e diabéticos porque eleva as taxas de HDL, o colesterol bom. Estudos com esquimós comprovam que eles possuem níveis altos de HDL e menores taxas de triglicerídeos, porque consomem muito ômega 3 através dos peixes abundantes na região.

Suplementos de Ômega 3 para Diabetes

É importante manter as sementes de linhaça, óleo de linhaça, óleo de peixe, e óleo de krill refrigerados. Recomenda-se que as sementes de linhaça devam ser moídas para que os ingredientes permaneçam ativos. Também pode se encontrar as sementes de linhaça em pó em pacotes de poliéster especial (mylar).

Já as cápsulas dos suplementos de óleo de peixe contêm EPA e DHA. Os suplementos contêm quantidades e concentrações diferentes de ambas. É esta informação que você deve procurar, e não a quantidade total do óleo de peixe.

Em geral, a quantidade dos ácidos graxos ômega 3 em cápsulas é de 0,18 gramas (180 mg) de EPA e 0,12 gramas (120 mg) de DHA, e a quantidade de calorias é cerca de 9 por grama de óleo de peixe.

Efeitos Colaterais

Aconselha-se o uso dos suplementos de óleo de peixe através de recomendação médica, devido aos efeitos colaterais que podem surgir, além das interações com outros medicamentos.

Doses elevadas também causam, com frequência, problemas gastrointestinais e possibilidade de diarreia. Os suplementos podem deixar um gosto característico na boca e ocasionar soluços, arrotos, gases, inchaço, refluxo, azia e indigestão. Então, experimente tomar o suplemento junto com as refeições, e comece com doses pequenas.

Os ácidos graxos ômega 3 em excesso podem aumentar risco de sangramento. Também devem ser usados com cautela nas pessoas que se machucam com facilidade, ou que tomam medicamentos para afinar o sangue.

A Agência de Proteção Ambiental Americana adverte para a possibilidade de contaminação nos peixes e risco de intoxicação. Alguns peixes podem conter metais pesados, como o mercúrio ou outros. A FDA (U.S.Food and Drug Administration) recomenda que se evite o consumo de peixes que possam ter níveis elevados de mercúrio, como cação, peixe-espada e blanquillo.

O mesmo alerta é feito pela Mayo Clinic, que considera que não haveria problemas de contaminação nos suplementos, mas na ingestão de peixes, sim.

Referências adicionais:

Você já tinha ouvido falar nos benefícios do consumo de ômega 3 para diabetes? Tem essa condição e adere ao consumo desse suplemento? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (5 votos, média: 3,20 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite
  Continua Depois da Publicidade  


ARTIGOS RELACIONADOS

Um comentário

  1. sou pre diabetica posso entao tomar o omega 3 pois me disseram que diabeticos nao podem tomar ???

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*