Sibutramina faz mal? Efeitos colaterais e riscos

Especialista da área:
atualizado em 08/07/2022

Usado como remédio para emagrecer, a sibutramina é uma substância polêmica, já que pode trazer diversos riscos e efeitos colaterais sérios para a saúde. 

Mas, apesar de todas as polêmicas envolvendo esse medicamento, o seu uso para promover a perda de peso cresce a cada dia, seja com indicação médica ou por automedicação.

  Continua Depois da Publicidade  

Por isso, a sibutramina deve ser utilizada com cautela, e sempre com a orientação de um especialista, de forma a minimizar os riscos, que veremos com mais detalhes a seguir.

O que é sibutramina?

Obesidade
O medicamento pode ser destinado ao tratamento de pacientes obesos, mas algumas pessoas se preocupam com os seus riscos

A sibutramina é um remédio usado no tratamento da obesidade, e é indicado para pessoas com índice de massa corporal (IMC) acima de 30.0 kg/m2.

Ela pode ser encontrada em farmácias e drogarias, nas doses de 10 e 15 mg, sendo vendida apenas com a apresentação de receita médica específica.

Entretanto, seu uso pode trazer uma série de riscos para a saúde, motivo que levou o medicamento a ser proibido nos Estados Unidos e em parte da Europa.

Veja também: Sibutramina emagrece mesmo?

  Continua Depois da Publicidade  

Para que serve?

A sibutramina atua diretamente em algumas substâncias químicas no cérebro, chamadas de neurotransmissores. Assim, ela aumenta a concentração de noradrenalina, serotonina e dopamina no sistema nervoso central, o que ajuda a reduzir o apetite e a promover a sensação de saciedade.

Mas, o seu uso deve ser feito em conjunto com uma reeducação alimentar e com a prática regular de exercícios físicos, de forma a evitar o efeito sanfona após terminar o tratamento com o remédio.

Efeitos colaterais mais comuns

A sibutramina tem uma lista imensa de efeitos colaterais, embora nem todos ocorram com frequência. Os mais comuns são:

  • Dor de cabeça
  • Aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial
  • Boca seca
  • Insônia
  • Tremores nas extremidades
  • Formigamentos e mesmo paralisia em algumas partes do corpo
  • Ondas de calor
  • Mudanças no paladar.

Mas, de forma geral, muitos desses sintomas tendem a desaparecer, ou ao menos diminuir, no decorrer do tratamento.

Riscos e contraindicações

Médica e paciente
É essencial que o tratamento com a sibutramina seja feito com cuidado e acompanhamento médico

Quando a sibutramina foi proibida nos EUA em 2010, a Anvisa revisou os riscos do uso do medicamento e concluiu que existem benefícios no tratamento de pacientes obesos, quando ele é feito com os devidos cuidados. 

Por esse motivo, seu uso continua sendo permitido no Brasil desde que o remédio obtido com prescrição médica de controle especial e que seja usado de acordo com orientação médica e para nenhum outro fim.

  Continua Depois da Publicidade  

Entretanto, existem algumas contraindicações que podem aumentar o risco de desenvolvimento de efeitos potencialmente perigosos. São elas:

  • Hipertensão grave ou descontrolada
  • Distúrbios alimentares, como anorexia ou bulimia
  • Histórico de doenças arterial coronariana ou aterosclerose
  • Histórico de doença cardíaca, como insuficiência cardíaca congestiva ou distúrbio no ritmo cardíaco
  • Histórico de ataque cardíaco ou acidentes vasculares cerebrais.

Além disso, existem outros fatores de risco, como:

  • Uso de pílulas ou substâncias estimulantes ou psicoativas, como alguns remédios usados no tratamento da hiperatividade
  • Glaucoma
  • Doença no fígado ou nos rins
  • Depressão
  • Problemas na tireoide não tratados
  • Epilepsia ou distúrbio convulsivo
  • Distúrbios de coagulação no sangue
  • Histórico de cálculos biliares
  • Uso por adolescentes menores de 16 anos e idosos maiores de 65 anos.

Sibutramina faz mal?

Como demonstrado anteriormente, o uso da sibutramina no tratamento da obesidade por si só já traz riscos, mesmo quando o medicamento é utilizado corretamente, com a supervisão de um médico.

E esses riscos são ainda maiores quando o uso indiscriminado ou sem indicação é feito, uma vez que, nesses casos, não há o acompanhamento médico.

Por isso, a automedicação é algo extremamente arriscado, pois o medicamento possui uma série de contraindicações, e apenas um médico pode determinar se o medicamento terá algum benefício para cada caso.

Interações medicamentosas

Remédios
O paciente deve informar ao médico sobre os remédios que já usa, pois utilizar a sibutramina ao mesmo tempo em que certos medicamentos pode trazer problemas

A sibutramina é um medicamento que interage com uma série de outras substâncias, podendo trazer sérios riscos para a saúde. São elas:

  Continua Depois da Publicidade  

  • Antidepressivos da classe dos inibidores de monoamina oxidase (MAO) como a furazolidona, isocarboxazida, fenelzina, rasagilina, selegilina ou tranilcipromina. Nesse caso, é recomendada a suspensão dos IMAOs 15 dias antes de iniciar o uso da sibutramina
  • Antidepressivos da classe inibidor seletivo de recaptação de serotonina (ISRS), devido ao risco de desenvolvimento da Síndrome serotoninérgica
  • Efedrina ou pseudoefedrina, que são medicamentos que podem aumentar a pressão arterial, e estão presentes em alguns descongestionantes nasais, antitussígenos, antigripais e antialérgicos.

Cuidados especiais

Além dos cuidados normais com o medicamento, como respeitar os horários e as doses recomendadas pelo médico, existem alguns riscos extras que devem ser observados por quem utiliza a sibutramina. São elas:

  • Dependência química: Alguns especialistas afirmam que o uso de sibutramina por muito tempo pode causar dependência química, e por isso, o medicamento não deve ser usado por períodos mais longos do que 2 anos.
  • Não use álcool: Por ser uma substância psicoativa, a combinação do álcool com a sibutramina pode causar em sintomas de euforia extrema, podendo resultar em um surto psicótico.
  • Gravidez: Na gravidez, a sibutramina é classificada na categoria C, o que significa que há indícios em estudos em animais de que a substância pode causar danos ao feto, mas não existem provas científicas em humanos. Dessa forma, não é indicado usar o medicamento sem antes conversar com um médico.
Fontes e referências adicionais

Você já imaginava que a sibutramina faz mal em determinadas ocasiões? Já tomou este medicamento para emagrecer, mesmo sabendo dos riscos e efeitos colaterais? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (68 votos, média 3,78)
Loading...
Sobre Marcela Gottschald

Marcela Gottschald é Farmacêutica Clinica - CRF-BA 8022. Graduada em farmácia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) em 2013. Residência em Saúde mental pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Experiência em pediatria e nefrologia, com ênfase em unidade de terapia intensiva. Ela faz parte da equipe de redatores do MundoBoaForma.

Deixe um comentário