Dor do lado esquerdo abaixo da costela: o que pode ser e o que fazer 

Especialista da área:
atualizado em 04/07/2022

A dor do lado esquerdo abaixo da costela pode ser um sintoma de inflamação em algum órgão da cavidade torácica ou abdominal, como os pulmões, estômago, baço, rins e pâncreas. 

Veja o que pode ser a dor do lado esquerdo abaixo da costela, como identificar a possível causa, e o que fazer.

  Continua Depois da Publicidade  

Pancreatite

Pancreatite
A dor na parte superior esquerda do abdômen pode ser sintoma da pancreatite

Pancreatite é uma inflamação no pâncreas, uma glândula de 15 cm de extensão localizada no centro do abdômen, que ocorre pela ação local das enzimas digestivas que a glândula mesma produz, mas que deveriam ser ativadas apenas no intestino. Isso pode ocorrer por diversas causas, mas as principais são a presença de pedra na vesícula e alcoolismo. 

A ação local das enzimas pancreáticas leva a um processo inflamatório que, com o tempo, pode levar à formação de um tecido cicatricial, fibroso, que caracteriza a forma crônica da doença. Com este nível de dano, a glândula pode perder a sua função e causar diabetes e problemas digestivos. 

Os sintomas mais comuns da pancreatite são:

  • Dor na parte superior do abdômen, do lado esquerdo, logo abaixo da costela. Ela pode irradiar para o ombro esquerdo e para as costas. Além disso, tende a se intensificar após as refeições. 
  • Inchaço e sensibilidade na barriga
  • Febre
  • Fezes amareladas ou brancas, com um forte odor.
  • Náuseas e vômitos
  • Perda de peso não intencional
  • Desnutrição

O que fazer

O tratamento para pancreatite requer hospitalização, para que a pessoa receba hidratação pela veia e analgésicos para aliviar a dor. Em muitos casos, é necessário permanecer um tempo em jejum, para poupar o trabalho do pâncreas na digestão.

No caso da pancreatite crônica, algumas mudanças na dieta são necessárias, no sentido de reduzir a quantidade de gordura ingerida e dar preferência para alimentos de fácil digestão. Dependendo do caso, é preciso repor as enzimas pancreáticas, por meio de suplementação oral.  

  Continua Depois da Publicidade  

Pericardite

A pericardite é uma inflamação do pericárdio, a membrana mais externa que envolve o coração. Essa membrana confere proteção para o órgão e limita o quanto ele pode se expandir dentro da cavidade torácica. 

Esse processo inflamatório pode ocorrer de maneira súbita e aguda, ou se desenvolver ao longo de anos, de forma crônica. Cerca de 90% dos casos são idiopáticos, ou seja, não se sabe o motivo que iniciou a pericardite. Os outros 10%, geralmente, estão associados com infecções virais. Algumas bactérias também já foram relacionadas com quadros de pericardite. 

Há também a possibilidade da pericardite ser um efeito secundário de doenças autoimunes, metabólicas, inflamatórias intestinais e neoplásicas (cânceres).

Os sintomas mais comuns de pericardite são:

  • Dor no meio do peito, em pontada, que irradia para o ombro esquerdo, pescoço e costas. A intensidade da dor varia com a posição, piora quando a pessoa se deita e alivia ao se sentar e inclinar o corpo para frente.   
  • Palpitações 
  • Falta de ar
  • Inchaço no abdômen, nas pernas e nos pés. 
  • Sensação de fraqueza 
  • Cansaço 
  • Febre

O que fazer

O tratamento de pericardite varia de acordo com a gravidade e com a causa da doença, quando conhecida.

Normalmente, o tratamento é feito com medicações analgésicas, anti-inflamatórias, antifúngicas e antitérmicas. Se esses tratamentos não forem suficientes, podem ser prescritos corticoesteroides, para aliviar a dor e inflamação, e antibióticos, se a causa for de origem bacteriana.  

  Continua Depois da Publicidade  

Gastrite

Gastrite
A gastrite também provoca uma dor forte na altura do estômago, abaixo da costela

A gastrite é uma inflamação da mucosa interna que reveste o estômago. A inflamação pode aparecer subitamente, configurando um quadro agudo, ou se desenvolver lentamente, caracterizando uma gastrite crônica.

A causa da gastrite está bastante relacionada com uma infecção causada pela bactéria H. pylori, mas também tem forte associação com o consumo exagerado de bebidas alcoólicas, tabagismo e uso prolongado de anti-inflamatórios e de ácido acetilsalicílico. 

A inflamação na parede do estômago pode levar a lesões e à formação de úlceras, que causam dor e sangramentos. 

Os sintomas mais comuns da gastrite são:

  • Dor na “boca do estômago“, bem abaixo da costela, mais concentrada do lado esquerdo. Não é incomum algumas pessoas confundirem essa dor com um infarto, por ser próximo ao coração.
  • Azia ou queimação 
  • Inchaço abdominal 
  • Perda de apetite 
  • Ânsia de vômito 
  • Arrotos frequentes 
  • Dor de cabeça 
  • Sangue nas fezes

O que fazer

O tratamento da gastrite varia de acordo com a sua causa. Mas, em todos os casos, algumas mudanças no estilo de vida são fundamentais para controlar a inflamação e evitar a formação de úlceras. Por exemplo, se alimentar de pequenas porções fracionadas ao longo do dia e evitar alimentos picantes e excesso de gordura e álcool. 

Além disso, é muito importante evitar o abuso de anti-inflamatórios e analgésicos, sem prescrição.

  Continua Depois da Publicidade  

Um médico ou médica gastroenterologista pode prescrever alguns medicamentos que inibem a produção de ácido estomacal, o que ajuda a aliviar os sintomas e desconfortos.  

Costocondrite

A costocondrite é a inflamação em uma cartilagem que conecta uma costela ao esterno, um osso que temos no meio do peito e que sustenta a clavícula e as costelas. 

Essa inflamação causa dores no meio do peito, que podem ser concentradas do lado esquerdo e abaixo da costela, se a cartilagem afetada estiver localizada nessa porção da estrutura. Geralmente, a dor piora quando a pessoa tosse ou respira profundamente. 

A costocondrite é causada principalmente por traumas sofridos no tórax, mas também pode ser resultante de levantamento de peso com postura inadequada, movimentos repetitivos, episódios repetitivos de tosse e doenças respiratórias. 

O que fazer

A costocondrite é um tipo de inflamação que, geralmente, tem resolução espontânea, sem necessidade de medicação. Mas, em alguns casos, podem ser administrados anti-inflamatórios comuns, ou formulações mais fortes, em caso de dor grave ou crônica. Em alguns casos, se indica a fisioterapia e aplicação alternada de compressas quentes e frias. 

Pleurisia (pleurite)

A pleurisia, ou pleurite, é a inflamação das pleuras, tecidos que revestem os pulmões e o interior do tórax. Normalmente, essa inflamação ocorre devido a uma infecção viral ou bacteriana, que resulta no acúmulo de líquido pleural, que também pode extravasar, gerando um derrame pleural.

O sintoma mais comum na pleurisia é a dor torácica, em forma de pontada, sentida ao respirar. Essa dor na costela pode ser localizada do lado esquerdo, caso o derrame pleural ocorra do lado esquerdo. 

Como a dor piora ao inspirar o ar, uma pessoa com pleurisia fica com a respiração curta e pode apresentar tosse, falta de ar e febre. 

O que fazer 

O tratamento da pleurisia é direcionado à sua causa, que pode ser de origem bacteriana, viral ou autoimune. A dor do lado esquerdo abaixo da costela é tratada com analgésicos, independentemente da causa da inflamação. 

Baço aumentado

A dor do lado esquerdo do abdômen pode ser um sinal de que seu baço está aumentado, uma condição que é chamada na medicina de esplenomegalia

O baço pode ficar aumentado por causa de diversos problemas de saúde, principalmente por infecções virais, com malária e mononucleose (doença do beijo). Alguns cânceres sanguíneos também estão entre as possíveis causas de baço aumentado.  

O baço aumentado pode provocar anemia, porque ele retém muito sangue, podendo levar, também, a uma baixa contagem de glóbulos brancos (células de defesa) e de plaquetas

Os sintomas de baço aumentado incluem, além da dor do lado esquerdo do abdômen:

  • Sensação de estômago cheio, mesmo que a quantidade de alimento ingerida tenha sido pouca. 
  • Dor abdominal, que irradia para o ombro esquerdo
  • Fadiga
  • Sangramentos ou aparecimento de hematomas na pele
  • Maior frequência de infecções 

O que fazer

Para tratar essa condição, é preciso descobrir o problema que a causou, ou seja, se foi uma infecção, lesão ou uma doença subjacente. Dessa forma, o tratamento é direcionado à causa do baço aumentado o que, consequentemente, pode aliviar a dor sentida no lado esquerdo do abdômen. 

Porém, em alguns casos mais graves, quando o baço fica muito grande e causa complicações de saúde, é feita uma cirurgia para retirada do órgão, chamada esplenectomia. Pessoas que fazem essa cirurgia precisam tomar vacinas e, às vezes, fazer tratamentos preventivos com antibióticos, para evitar infecções. 

Pedra nos rins

Rim
A dor intensa da pedra nos rins pode irradiar para a barriga e ser sentida abaixo da costela, dependendo da localização da pedra

Pedras nos rins, ou cálculo renal, é o nome dado à formação de pedras compostas por minerais, como oxalato de cálcio e ácido úrico no sistema urinário, podendo estar localizadas nos rins, ureteres ou bexiga. 

A combinação de uma dieta muito rica em proteína e sal com baixa ingestão de água favorece a formação de pedras nos rins, pois deixa a urina muito concentrada em minerais, que podem se associar, formando cálculos renais. Episódios recorrentes de infecção urinária também podem levar à formação de cálculos de estruvita. 

O sintoma mais comum de pedra nos rins é a cólica renal intensa, que começa na região lombar e irradia para a barriga, até alcançar a virilha. Se a pedra estiver alojada no rim esquerdo, a dor é sentida do lado esquerdo, abaixo da costela. 

Outros sintomas comuns de pedras nos rins são: 

  • Sangue na urina 
  • Infecções urinárias 
  • Náuseas e vômitos 
  • Febre 
  • Redução ou suspensão do fluxo urinário 
  • Vontade mais frequente de urinar

O que fazer 

Ao perceber os primeiros sintomas de pedras nos rins, é recomendado procurar ajuda médica. Apesar de parecer lógico, não se deve beber água de forma exagerada em um episódio de cólica renal, para não aumentar a pressão nos rins e nos ureteres.

Episódios de cólica renal podem ser tratados com medicações analgésicas e anti-inflamatórias prescritas pelo médico ou médica. Intervenções cirúrgicas podem ser realizadas para a retirada das pedras ou podem ser feitos procedimentos, como a litotripsia, que fragmentam as pedras e facilitam a sua eliminação pela urina. 

É importante cuidar da alimentação, controlando a ingestão de proteína e sal, além de beber água regularmente, para evitar a formação de novas pedras.  

Fontes e referências adicionais

Você já sentiu dor do lado esquerdo abaixo da costela? Qual foi a causa da sua dor? O que você fez para tratá-la? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dr. Marcos Marinho

Dr. Marcos Marinho é especialista em Gastroenterologia, Endoscopia Digestiva e Ultrassonografia - CRM 52.104130-4. Formou-se em Medicina pela Universidade do Grande Rio (Unigranrio) e é pós-graduado em Gastroenterologia pelo IPEMED. Realizou cursos de ultrassonografia geral e intervencionista pela Unisom, ultrassonografia musculoesquelética e Doppler pelo CETRUS. Para mais informações, entre em contato através de seu Instagram oficial @drmarcosmarinho

Deixe um comentário