4 grupos de alimentos que prejudicam a imunidade

Especialista da área:
atualizado em 09/12/2020

Se em qualquer momento já é muito importante manter a imunidade forte para se proteger contra doenças, quando o mundo enfrenta a pandemia do novo coronavírus, isso se torna urgente.

  Continua Depois da Publicidade  

Afinal, ao menos no Brasil ainda não há uma vacina definitiva ou medicamento para prevenir ou tratar a COVID-19, a doença que o novo coronavírus provoca.

O cuidado com a imunidade envolve consumir uma dieta balanceada, composta por alimentos que fazem bem para a imunidade. Mas também exige manter-se longe das comidas que podem prejudicá-la, como os grupos que vamos conhecer a seguir:

1. Alimentos com alto índice glicêmico

O índice glicêmico é uma medida que avalia como diferentes comidas ricas em carboidratos afetam diretamente os níveis de açúcar no sangue.

Esse índice ranqueia os carboidratos em uma escala que vai de 0 a 100. Ele baseia-se em quão rápido e em quanto eles aumentam os níveis de açúcar no sangue após ingestão do alimento em que estão presentes.

Assim divide-se a escala: os alimentos de baixo índice glicêmico pontuam 55 ou menos no ranking. Enquanto isso, os de médio índice glicêmico ficam entre 56 a 69 e os alimentos de alto índice glicêmico entre 70 a 100.

O corpo digere rapidamente os carboidratos de alto índice glicêmico, que promovem picos seguidos de quedas nas taxas sanguíneas de açúcar.

Já a digestão dos carboidratos de baixo índice glicêmico é mais lenta, provocando uma elevação mais gradual nos níveis de glicose no sangue.

A absorção rápida dos carboidratos de índice glicêmico alto também provoca um pico nos níveis da insulina. O hormônio é responsável por estimular as células a absorver a glicose no sangue para usá-la como energia ou estocá-la em outra região do corpo.

Ok, mas o que isso tem a ver com a imunidade?

É que o pico de insulina que os carboidratos de alto índice glicêmico geram resulta no aumento da produção de cortisol, o hormônio do estresse. Quanto mais cortisol o organismo produz, pior é o funcionamento do sistema imunológico.

  Continua Depois da Publicidade  

Portanto, para manter o bom estado da imunidade, é importante evitar os alimentos com alto índice glicêmico. Ou seja, os carboidratos refinados de modo geral, como refrigerantes, doces, balas, pão branco e outros produtos à base de farinha branca.

2. Alimentos industrializados

Junk food

Fast food, pizza, batata frita, comidas congeladas, processadas e outros alimentos que já vêm prontos são exemplos. Eles contêm bem poucos nutrientes, ao mesmo tempo em que são ricos em calorias, açúcares, gorduras ruins e sódio.

Os alimentos industrializados também produzem os picos de insulina, que prejudicam para a imunidade.

Além disso, eles contêm muitos conservantes, corantes e estabilizantes que pioram o sistema imunológico. Ou seja, os industrializados não trazem nada de positivo ao organismo.

Pesquisas com seres humanos já relacionaram a ingestão de fast food e alimentos industrializados com a diminuição da imunidade.

Aprenda a substituir

Por isso, em prol do sistema imunológico, o conselho é claro: eliminar os industrializados da dieta. Mas e quando o desejo por eles bater?

A alternativa é preparar versões caseiras e saudáveis do prato em questão. Por exemplo: um hambúrguer caseiro fit, uma pizza de frigideira light e fit, uma mortadela fake, caseira e saudável ou uma sobremesa light, por exemplo.

3. Bebidas alcoólicas

Não é à toa que depois de beber além da conta na noite anterior, a pessoa pode acordar e sentir como se estivesse com sintomas de resfriado. Por exemplo: cabeça pesada, dor de cabeça, tosse ou nariz entupido. Isso porque as bebidas alcoólicas são muito prejudiciais para a imunidade.

  Continua Depois da Publicidade  

O álcool diminui o sistema imunológico, reduzindo a capacidade de ação dos macrófagos (células de defesa que atuam no sistema imunológico). Ele também diminui a função dos linfócitos T (outras células muito importantes do sistema imunológico).

Adicionalmente, o álcool é um tipo de toxina (substância prejudicial ao organismo) que o fígado precisa metabolizar para excretar. Um subproduto desse processo de excreção do álcool é extremamente prejudicial para o sistema imunológico.

Os prejuízos do álcool ao sistema imunológico não surgem somente com consumo crônico das bebidas alcoólicas.

Ingerir álcool de vez em quando, mas em grandes quantidades por vez, no consumo agudo, também faz mal para o sistema imunológico. Em suma, não tem jeito: quem tem o objetivo de melhorar a imunidade não deve consumir bebidas alcoólicas.

4 . Excesso de cafeína

Cafeína

Isso não significa necessariamente eliminar o café por completo, entretanto, se traduz em ter controle e moderação ao consumir café e outros alimentos com cafeína.

O exagero na cafeína pode ser, por exemplo, tomar muitas xícaras de café por dia. Mas também inclui trocar a água pelo café ou comer muito chocolate, chá preto chá verde e refrigerante à base de cola, que também possuem cafeína.

O problema do excesso de cafeína é que ela aumenta a secreção do hormônio cortisol. Conforme aprendemos lá em cima, mais cortisol no organismo é igual à diminuição na ação do sistema imunológico.

Para quem não tem contraindicações ou intolerância à cafeína, está ok consumir uma ou duas doses de café por dia, uma de manhã e a outra no período da tarde.

Entretanto, quem tem vício em café e gosta de tomar a bebida por ser quentinha, uma alternativa para diminuir a ingestão de cafeína pode ser trocar o café por um tipo de chá sem cafeína.

A dica é escolher entre um chá bom para a imunidade. Outra possibilidade é aderir ao café descafeinado.

Atenção: sobre a COVID-19

Não estamos afirmando, de maneira alguma, que basta limitar o consumo desses alimentos para prevenir ou curar a COVID-19, a doença que o novo coronavírus causa.

Diminuí-los pode ajudar a imunidade, algo importante quando se luta contra uma doença para a qual não existe vacina ou medicamento com comprovação. Mas isso não é a solução para o problema da COVID-19.

A melhor saída contra o novo coronavírus ainda é fazer tudo o que estiver ao seu alcance para evitar a contaminação.

Assim, tão ou mais importante que cortar esses alimentos e aderir a outras estratégias para melhorar a imunidade é reforçar muito bem todas as medidas de prevenção contra a COVID-19.

Por exemplo: lavar muito bem as mãos ou usar álcool em gel 70%, ficar em casa o máximo que puder e sempre usar máscaras faciais ao sair na rua, entre outras medidas que as autoridades de saúde recomendam.

No vídeo abaixo, a nossa nutricionista também fala sobre os alimentos prejudiciais para a imunidade. Confira!

Gostou das dicas?

Fontes e Referências Adicionais

Você consome algum desses grupos de alimentos com frequência? Quais? Conte para nós nos comentários!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é Nutricionista - CRN-RJ 0510146-5. Ela é uma das mais conceituadas profissionais do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário