Candidíase: o que comer para combater a infecção e o que evitar

Especialista da área:
atualizado em 27/06/2022

A candidíase é uma infecção causada por um fungo, que consegue se estabelecer na vagina, quando há um desequilíbrio da microbiota vaginal (grupo de microrganismos que vivem nessa região) e uma baixa na imunidade. Certos alimentos podem contribuir para o restabelecimento da microbiota e fortalecimento do sistema imune, auxiliando no combate à infecção. 

Veja como a alimentação influencia na candidíase e o que você pode comer para combater essa infecção. Veja também quais são os alimentos que devem ser evitados, para prevenir outras crises. 

  Continua Depois da Publicidade  

A influência da alimentação na candidíase

Uma alimentação pobre em bons nutrientes, vitaminas e minerais prejudica diretamente a imunidade, tornando mais fácil para os microrganismos se instalarem no organismo e causarem uma infecção. 

Apesar de parecer contraditório, temos muitas bactérias boas em nosso organismo que se aproveitam dos bons nutrientes da nossa dieta e, por causa dessa condição nutricional favorável, conseguem superar em número as bactérias ruins. 

A vagina é um ambiente que contém uma microbiota equilibrada, quando as condições são favoráveis. Isso inclui um pH vaginal adequado, bons hábitos de higiene íntima, cuidados para evitar a umidade excessiva na região íntima e a manutenção de um sistema imunológico saudável. 

Quando os alimentos ingeridos favorecem o crescimento das bactérias ruins, ocorre um desequilíbrio da microbiota vaginal, e o fungo causador da candidíase, o Candida albicans, encontra uma oportunidade para sua proliferação e crescimento.  

Dessa forma, não importa se é a primeira crise de candidíase ou se é um quadro de repetição, a base para o tratamento do problema é o fortalecimento do sistema imunológico, que pode ser alcançado com a inserção ou remoção de alguns alimentos em sua dieta. 

  Continua Depois da Publicidade  

Cereais integrais

Pães integrais
Substituir o pão branco por pão integral é um dos primeiros passos essenciais, por conta das fibras

Os cereais integrais são feitos de grãos integrais, cuja parte externa é rica em fibras, proteínas e vitaminas B e E. Essas duas vitaminas são fundamentais para o bom funcionamento do sistema imunológico.  

Os grãos integrais também são ricos em minerais importantes para a defesa do organismo, como o zinco, o magnésio e o fósforo. 

Eles também possuem carboidratos complexos, de lenta absorção pelo organismo, diferentemente dos açúcares simples que as bactérias ruins gostam de usar como fonte de energia.

Você pode inserir os grãos integrais em sua dieta da seguinte forma: 

  • Substitua o pão branco pelo integral
  • Substitua as massas de farinha de trigo por integrais
  • Insira aveia, granola, barras de cereais no seu café da manhã e nos lanches
  • Nas refeições, substitua o arroz branco pelo integral

Tente, pelo menos, ingerir três porções de grãos integrais durante o dia, acompanhadas de bastante água

Vegetais 

A vitamina E também está presente nos vegetais de folhas verde-escuras, que além de fortalecerem o sistema imunológico, ajudam na desintoxicação do organismo. Conheça os outros benefícios da vitamina E para a sua saúde

  Continua Depois da Publicidade  

Os fungos causadores da candidíase liberam toxinas, por isso é fundamental aumentar o consumo desses vegetais, pois eles ajudam a eliminar essas substâncias nocivas do organismo. 

Tente inserir no seu cardápio os seguintes vegetais:

  • Rúcula
  • Agrião
  • Couve
  • Brócolis
  • Escarola
  • Espinafre
  • Acelga
  • Chicória

Os vegetais amarelos, alaranjados e avermelhados também são fundamentais para o bom funcionamento do sistema imune, pois são fontes de vitamina A. O precursor dessa vitamina é o betacaroteno, que confere a coloração amarelada aos vegetais:

  • Cenoura
  • Beterraba
  • Abóbora
  • Pimentão
  • Milho
  • Rabanete
  • Nabo
  • Couve de bruxelas
  • Aspargos

Você pode temperar esses alimentos com alho, gengibre e cúrcuma, que são anti-inflamatórios naturais, essenciais para o bom funcionamento do sistema imune e para uma recuperação mais rápida.

Gorduras boas

O primeiro representante desta categoria é o gérmen de trigo, a parte mais nobre do trigo, onde se concentra a maioria dos nutrientes, visto que é o embrião da planta. Além de ser muito rico em vitamina E, o gérmen de trigo é fonte de gordura insaturada, os ácidos graxos ômega-3. 

Você pode acrescentar o gérmen de trigo às suas bebidas e vitaminas, pois não vai alterar muito o sabor. Ele também pode ser usado em receitas, no lugar da farinha de trigo. A dose diária ideal é até duas colheres de sopa

  Continua Depois da Publicidade  

O ômega-3 é um tipo de gordura bastante benéfica para o sistema imunológico e ainda apresenta propriedades anti-inflamatórias, que ajudam a conter o crescimento da colônia dos fungos causadores da candidíase e prevenir outras crises. Conheça mais sobre os benefícios do ômega-3.

Essa gordura boa pode ser encontrada em outros alimentos, além do gérmen de trigo, como:

  • Salmão
  • Sardinha
  • Truta
  • Atum
  • Arenque
  • Cavala
  • Linhaça 
  • Chia

Não poderia deixar de entrar nessa lista o coco, fonte de gorduras boas e de ácidos láurico e caprílico, que têm ação bactericida e fungicida. Você pode usar o óleo, a água e a polpa do coco diariamente em sua dieta. 

Frutas

Frutas
Frutas que carregam vitamina C sempre são importantes para a imunidade

Todo mundo se lembra da vitamina C, quando está com gripe. Isso porque a vitamina C está muito associada com o bom funcionamento do sistema imune. Ela atua como antioxidante, protegendo as nossas células contra o estresse oxidativo causado pelas infecções, como a candidíase. 

Estudos indicam que a vitamina C melhora o funcionamento das células do sistema imunológico, aumentando a resistência imune contra as infecções. Veja quanto de vitamina C ingerir por dia, para melhorar a imunidade

As frutas cítricas e ácidas são ricas em vitamina C:

  • Acerola
  • Laranja
  • Goiaba
  • Kiwi
  • Mexerica
  • Tomate

O cranberry é uma fruta vermelha e pequena produzida nos Estados Unidos, Canadá e Chile. Infelizmente, é difícil encontrar essa fruta no Brasil, que chega ao país na forma de polpa ou sucos.

Mas, o cranberry é facilmente encontrado em cápsulas, que são usadas no tratamento preventivo de candidíase e infecção urinária. Essa utilidade do cranberry se dá por uma substância chamada proantocianidina ou apenas pac. 

Para os fungos se aderirem na parede vaginal, eles crescem na forma de filamentos e formam placas visíveis, que apresentam uma coloração esbranquiçada ou acinzentada. O pac atua sobre os fungos, descolando essas placas e impedindo uma nova adesão desses microorganismos no trato genital e urinário. 

Para que as cápsulas tenham efeito, é importante manter o tratamento por, pelo menos, 60 dias, considerando que o ciclo dos fungos dura 40 dias. 

Probióticos

Como na candidíase ocorre a prevalência de fungos e bactérias ruins, é uma boa escolha repopular a microbiota com bactérias boas

Os probióticos são microrganismos vivos que restabelecem o equilíbrio na microbiota vaginal, reduzindo a quantidade de bactérias e fungos nocivos à saúde.

São exemplos de bebidas e alimentos probióticos para repor as bactérias boas na microbiota vaginal:

Caso você não goste do sabor dessas bebidas e alimentos, você pode usar suplementos de probióticos.

Os suplementos probióticos são compostos por bilhões de bactérias de diferentes cepas. Muitos deles possuem uma fórmula exclusiva para a saúde feminina, que incluem cepas específicas para a saúde vaginal. 

A dose varia de acordo com o fabricante, bem como a indicação de ser acompanhada, ou não, por alimentos. Em muitos casos você pode dissolver o conteúdo das cápsulas em água ou suco.

Agora, para manter as bactérias boas bem nutridas e favorecer sua proliferação, você pode inserir alimentos prebióticos, que são aqueles ricos em fibras e amido resistente, um tipo de carboidrato que não é absorvido pelo intestino. Veja alguns alimentos prebióticos que você pode inserir no seu cardápio

Alimentos que pioram a candidíase

Carnes processadas
Evite as carnes processadas como salsichas, presunto e etc.

Os alimentos que pioram a candidíase são aqueles que também prejudicam a saúde como um todo. 

São, basicamente, os produtos alimentícios industrializados, bem diferentes, em termos nutricionais, desses alimentos frescos, naturais e minimamente processados listados acima. 

Os alimentos industrializados alimentam as bactérias ruins da microbiota, permitindo que superem as bactérias boas, causando um desequilíbrio e aumentando a vulnerabilidade ao fungo da candidíase, por exemplo. 

Sendo assim, alguns exemplos do que é bom evitar:

  • Alimentos com açúcares adicionados: biscoitos, bolos, chocolates, sorvetes e pães doces. 
  • Café em excesso, veja os sinais que indicam que você pode estar tomando café demais
  • Bebidas alcoólicas, especialmente as fermentadas: cerveja, vinho e sidra.
  • Carnes processadas: salsicha, linguiça, bacon, mortadela, presunto e peito de peru.

Recomendações

É bom lembrar que as mudanças na dieta vão auxiliar no tratamento da candidíase, desde que você mantenha a nova rotina por, pelo menos, 60 dias e continue com o tratamento com os medicamentos antifúngicos e cremes vaginais indicados pelo seu médico ou médica ginecologista

Também evite roupas muito apertadas, que deixem a região íntima muito abafada e úmida. Dê preferência para as peças de algodão e lembre-se de se secar muito bem após o banho. Dormir sem a roupa íntima também pode ajudar no tratamento. 

Fontes e referências adicionais

Você sabia que os alimentos influenciam na imunidade e na candidíase? Quais dos alimentos benéficos já fazem parte do seu cardápio? Quais você pretende inserir e retirar? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dr. Lucio Pacheco

Dr. Lucio Pacheco é Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral - CRM 597798 RJ/ CBCD. Formou-se em Medicina pela UFRJ em 1994. Em 1996 fez um curso de aperfeiçoamento em transplantes no Hospital Paul Brousse, da Universidade de Paris-Sud, um dos mais especializados na Europa. Concluiu o mestrado em Medicina (Cirurgia Geral) em 2000 e o Doutorado em Medicina (Clinica Médica) pela UFRJ em 2010. Dr. Lucio Pacheco é autor de diversos livros e artigos sobre transplante de fígado. Atualmente é médico-cirurgião, chefe da equipe de transplante hepático do Hospital Copa Star, Hospital Quinta D'Or e do Hospital Copa D'Or. Além disso é diretor médico do Instituto de Transplantes. Suas áreas de atuação principais são: cirurgia geral, oncologia cirúrgica, hepatologia, e transplante de fígado. Para mais informações, entre em contato.

Deixe um comentário