Tomate é Remoso?

Especialista:
atualizado em 11/03/2020

Confira se o tomate é remoso ou se não há possibilidade deste alimento causar problemas ao nosso organismo em alguma circunstância de consumo.

O tomate é um daqueles ingredientes democráticos que podem aparecer tanto em pratos saudáveis quanto em receitas mais junk food. Afinal, podemos encontrar o alimento em sucos, saladas, molhos, pizzas, tortas, salgados, lasanhas e sanduíches, por exemplo.

Uma boa razão para incluir receitas saudáveis com tomate na dieta é a possibilidade de aproveitar melhor os nutrientes importantes que ele fornece para o funcionamento apropriado do nosso organismo. Essa lista inclui: fibras, potássio, vitamina B9, vitamina C e vitamina K.

Algumas das receitas que podemos fazer com ele são essas receitas de salada de tomate light, essas receitas de sopa de light com poucas calorias ou essas receitas de suco de tomate refrescantes e gostosas.

Mas será que mesmo sendo versátil na cozinha e tão nutritivo, o ingrediente pode fazer mal de alguma maneira? Por exemplo, você já ouviu falar que o tomate é remoso?

Antes, o que são alimentos remosos?

Para que possamos compreender se o tomate é remoso, precisamos entender o que caracteriza um alimento remoso, não é mesmo?

Pois bem, de acordo com o dicionário, a expressão remoso significa “capaz de prejudicar a saúde, que faz mal à saúde, especialmente ao sangue […]”. O termo ainda pode sofrer uma pequena variação e ser chamado de reimoso.

O termo reimoso não se trata de uma classificação científica, mas é uma expressão antiga, associada à sabedoria popular, que também pode definir os alimentos que podem provocar inflamação na pele, em decorrência de uma reação alérgica.

Chama-se popularmente de reima algo que pode ser considerado um alergênico e que causa reações como coceira, diarreia e intoxicações mais sérias em algumas pessoas.

Os alimentos remosos ou reimosos também são conhecidos pela alcunha de “alimentos carregados” e costumam apresentar quantidades elevadas de proteína e gordura animal.

Além disso, os alimentos remosos ou reimosos também podem interferir no processo de cicatrização.

E então, será que o tomate é remoso?

Segundo especialistas, o tomate faz parte do grupo de alimentos classificados como mais antioxidantes, que podem contribuir com a aceleração do processo de cicatrização da pele.

O tomate é visto como uma das comidas adequadas para o período após a realização uma tatuagem, por exemplo, graças ao fato da fruta contribuir com a otimização do processo de cicatrização e auxiliar a obter uma tatuagem sequinha o quanto antes. Aproveite para conferir o que não pode comer quando faz tatuagem.

Além disso, o tomate está na lista dos alimentos que servem como fonte de vitamina C, que devem ser consumidos durante um período de pré ou pós-operatório.

A questão da inflamação

O tomate também está dentro do grupo dos alimentos que apresentam maior ação anti-inflamatória.

A pesquisadora, bióloga e geneticista Ivana da Cruz avaliou no laboratório da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) frutas, verduras e legumes que costumam aparecer no dia a dia dos brasileiros com o objetivo de examinar a capacidade que esses alimentos possuíam para combater inflamações.

O experimento chegou a uma lista de 40 alimentos com maior poder anti-inflamatório, e o tomate estava presente nela.

Por outro lado

Entretanto, o tomate na versão de molhos prontos ricos em sal e sódio deve ser evitado em um período de pré ou pós-operatório. Uma quantidade elevada de sódio pode resultar em um inchaço maior.

No entanto, não é só em um pré ou pós-operatório que uma refeição rica em sódio pode fazer mal. A Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, alertou que o excesso do mineral pode provocar problemas como endurecimento dos vasos sanguíneos, pressão arterial alta, ataque cardíaco, acidente vascular cerebral (AVC) e insuficiência cardíaca.

É importante saber que, segundo o Centro Médico da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, os adultos saudáveis não devem consumir mais do que 2,3 mil mg de sódio diariamente, indivíduos com pressão arterial alta não devem ingerir mais do que 1,5 mil mg do mineral a cada dia e quem tem insuficiência cardíaca congestiva, cirrose do fígado e doença renal podem precisa consumir quantias muito menores do que essas.

Já de acordo com a Associação Americana do Coração, os adultos devem limitar a sua ingestão de sódio para 1,5 mil mg do nutriente por dia.

Conforme a Academia Nacional de Medicina dos Estados Unidos, o consumo adequado de sódio durante uma gestação também é de 1,5 mil mg por dia.

Além de poder conter muito sal, os molhos e extratos de tomate possuem um realçador de sabor chamado de glutamato monossódico, que já foi associado a problemas como dores de cabeça, aceleração dos batimentos cardíacos, dores no peito, dormência, asma, entre outros.

O tomate enlatado

Essa versão também não é muito indicada para a saúde. Os produtos em lata contêm uma proteção que serve para impedir que o alimento entre em contato direto com o metal.

O problema é que essa proteção possui uma substância conhecida pelo nome de Bisfenol-A, que já foi associada a malefícios para o organismo.

Os tomates pelados enlatados também são compostos por ácido cítrico e a presença deste ácido aumenta a passagem de Bisfenol-A da lata para o alimento.

“Estudos mostram que o Bisfenol-A nos alimentos enlatados pode migrar do revestimento da lata para o alimento que você consome. Um estudo analisou 78 comidas enlatadas diferentes e encontrou o Bisfenol-A em mais de 90% delas. Aliás, pesquisas deixaram claro que comer alimento enlatado é uma causa principal para a exposição ao Bisfenol-A”, relatou a nutricionista Kayla McDonell.

A especialista afirmou ainda que mesmo que as evidências sejam mistas, alguns estudos com seres humanos associaram a substância a problemas de saúde como doença no coração, diabetes do tipo 2 e disfunção sexual masculina.

Além disso, o Bisfenol-A também foi ligado a efeitos negativos relacionados ao cérebro e ao comportamento.

“Se você está tentando minimizar a sua exposição ao Bisfenol-A, consumir muita comida enlatada não é a melhor ideia”, aconselhou a nutricionista Kayla McDonell.

O ideal é cozinhar os tomates in natura com temperos naturais como manjericão, orégano, salsa, coentro ou pimentas, por exemplo, e armazenar no freezer. Aprenda como fazer molho de tomate caseiro, light e natural para aproveitar na sua cozinha.

Vídeo:

Gostou das dicas?

Referências Adicionais:

Você já tinha ouvido falar que o tomate é remoso? Consome com frequência em sua dieta? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário