Antialérgico que não dá sono – 8 mais usados

Especialista da área:
atualizado em 22/12/2021

Em um mundo com cada vez mais poluição, a quantidade de pessoas alérgicas vem aumentando, mas muitos evitam o uso de antialérgicos, pois boa parte deles dá sono. 

Além disso, apesar de ser um problema comum, a alergia pode afetar bastante a qualidade de vida dessas pessoas, uma vez que algumas crises alérgicas podem durar 24 horas ou mais. 

  Continua Depois da Publicidade  

Então, a seguir você vai descobrir quais são os tipos de antialérgicos que não dão sono mais usados e se eles realmente são eficazes e cumprem o que prometem.

Veja também: Conheça os principais causadores de alergias e como evitá-los

O que é a alergia?

Quando nosso corpo entra em contato com uma substância à qual somos alérgicos, como poeira ou pólen, o sistema imunológico tenta se defender através da liberação de uma substância chamada histamina, que serve para combater o agente invasor. 

No entanto, a histamina desencadeia uma série de sintomas, como:

  • Congestão nasal
  • Irritação nos olhos
  • Irritação e coceira no nariz
  • Irritação na garganta
  • Coceira e vermelhidão na pele
  • Inchaço de algumas partes do corpo, como garganta e pálpebras.

O antialérgico então é um tipo de medicamento chamado de anti-histamínico. Ou seja, ele reduz os sintomas da alergia através do bloqueio da liberação de histamina.

  Continua Depois da Publicidade  

Por que alguns antialérgicos dão sono?

mulher com sono

A histamina, substância responsável pelos sintomas alérgicos, atua em diversas partes do corpo, e é responsável por outros efeitos não relacionados à alergia. 

Um exemplo é a sua ação no cérebro, que causa a sensação de despertar. Assim, anti-histamínicos que atuam no cérebro acabam causando cansaço e sono.

Antialérgico que não dá sono

Nos últimos anos foram lançados diversos novos anti-histamínicos, com a promessa de menos reações adversas e de afetar o mínimo possível o dia a dia de quem os usa.

Esses medicamentos, diferentes dos antialérgicos de primeira geração, não atuam no cérebro, e por isso não costumam causar sono. E a seguir vamos conhecer alguns deles:

1. Colírios

Sintomas alérgicos muitas vezes incluem irritação nos olhos e, nesses casos, podem ser receitados colírios para aliviar o desconforto. 

Mas, como os olhos são órgãos extremamente sensíveis, não utilize colírios sem a orientação de um médico. E caso não consiga marcar uma consulta, uma opção é lavar a região com soro fisiológico, até conseguir a orientação profissional.

  Continua Depois da Publicidade  

2. Sprays nasais

Existem alguns sprays nasais que contêm anti-histamínicos que não causam sonolência, pois sua ação ocorre apenas no local da aplicação. Um exemplo é a Azelastina, conhecida pelos nomes comerciais de Astepro e Astelin. 

Porém, eles podem causar um gosto desagradável na garganta por algum tempo, além de causar alguns efeitos colaterais como irritação no nariz, fadiga, tontura e urticária.

3. Loratadina

A Loratadina, conhecida comercialmente como Claritin, é um dos medicamentos mais usados para o tratamento de rinite alérgica que promete não dar sono. Ela atua aliviando sintomas como coceira no nariz, coriza, espirros, ardor e coceira nos olhos, alergia na pele e urticária ajudando a bloquear os efeitos da histamina.

Os efeitos adversos mais comuns da Loratadina incluem náuseas, fadiga, dor de cabeça e boca seca. 

4. Cetirizina

A Cetirizina, vendida também pelo nome de Zyrtec, é um anti-histamínico que interrompe os efeitos da histamina, reduzindo os sintomas de alergia como rinite alérgica e urticária.

Dentre os efeitos colaterais da Cetirizina, se destacam dor de cabeça, fadiga, boca seca, irritação no nariz, tontura e em alguns casos, sonolência.

  Continua Depois da Publicidade  

5. Ebastina

A Ebastina, também conhecida como Ebastel, é outro medicamento utilizado para tratar os sintomas alérgicos diversos, e seus efeitos colaterais incluem boca seca, dor de cabeça, tontura, náusea e alterações no sono.

6. Desloratadina

Também usada no tratamento da rinite alérgica e outros tipos de alergia, a desloratadina tem uma ação muito semelhante à da Loratadina. 

Os principais efeitos adversos relacionados ao uso de Desloratadina incluem dor de cabeça, cansaço e boca seca.

7. Levocetirizina

Conhecida também pelo nome comercial de Zyxem, a Levocetirizina tem uma estrutura muito parecida com a da Cetirizina, e possui indicações semelhantes.

Os efeitos colaterais mais comuns da Levocetiriza podem incluir dor de cabeça, boca seca, fadiga e, em raros casos, sonolência.

8. Fexofenadina

O cloridrato de fexofenadina é um medicamento encontrado também pelo nome de Allegra, é um anti-histamínico usado para o tratamento de alergias que bloqueia a ação da histamina sem causar sono.

Dentre os efeitos adversos mais comuns da Fexofenadina podemos citar a dor de cabeça, a náusea, a boca seca, a fadiga e as alterações no padrão de sono.

Antialérgico que não dá sono funciona mesmo?

Sim. Da mesma forma que os medicamentos para alergia mais antigos, os antialérgicos que não dão sono são bastante eficazes no controle dos sintomas como coriza, espirros, entre outros.

Mas é importante lembrar que cada organismo é único, e que algumas pessoas são mais sensíveis aos efeitos colaterais de medicamentos.

Sendo assim, é importante observar o efeito do medicamento no seu organismo e usar o que mais se adapta às suas necessidades.

Outras dicas para evitar ou amenizar alergias

mulher tomando banho
Tomar banho e colocar uma roupa limpa ajuda a combater alergias

Além dos medicamentos mencionados acima, é importante adotar algumas medidas para amenizar os sintomas ou evitar contato com o agente responsável por causar sua alergia. As principais são:

Evitar exposição ao pólen e à poluição

A quantidade de pólen no ar costuma ser mais alta em estações do ano como a primavera, embora em certas regiões esse padrão possa ser diferente. Por isso, quem tem alergia deve ficar atento nessa época do ano.

Além do mais, a poluição, mais intensa em cidades grandes, também é uma grande responsável por crises alérgicas.

Por isso, uma boa dica é trocar de roupa assim que chegar em casa, para evitar contato com substâncias alérgenas que possam ter se acumulado durante o dia.

Tomar banho à noite

Tomar banho e colocar uma roupa limpa antes de se deitar pode ajudar a evitar espalhar as substâncias às quais você foi exposto durante o dia na cama. Além disso, é importante manter as roupas de cama e travesseiros limpos para evitar o acúmulo de ácaros.

Adote soluções caseiras

Medidas caseiras como irrigações nasais, inalações de vapor, banho quente, compressas quentes e manter a casa limpa podem ajudar a reduzir muito os sintomas de alergias, sem a necessidade de usar antialérgicos o tempo inteiro.

Tente reduzir o estresse

Estudos indicam que pessoas que são mais estressadas apresentam mais sintomas de alergia. Assim, é importante tomar cuidado e não deixar que situações estressantes tomem conta da sua vida. 

Então, é importante procurar formas de aliviar o estresse, como a prática de exercícios físicos, terapias e atividades relaxantes e prazerosas, melhorando assim o seu bem-estar.

Tenha uma boa alimentação

Uma alimentação saudável e balanceada também é essencial para manter o organismo forte e pronto para combater algumas condições de saúde.

Além disso, alguns suplementos como óleo de peixe e quercetina podem ajudar a aumentar a capacidade do organismo de combater substâncias alérgenas. Outra opção é incluir vegetais crucíferos como brócolis, couve, repolho e couve-flor no dia a dia.

Fontes e referências adicionais

Você já tomou algum antialérgico que não dá sono? Como foram os resultados? Acabou sentindo ou não este efeito colateral? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (26 votos, média 3,69)
Loading...
Sobre Marcela Gottschald

Marcela Gottschald é Farmacêutica Clinica - CRF-BA 8022. Graduada em farmácia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) em 2013. Residência em Saúde mental pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Experiência em pediatria e nefrologia, com ênfase em unidade de terapia intensiva. Ela faz parte da equipe de redatores do MundoBoaForma.

Deixe um comentário